Programa Adoradores sem Limites

domingo, 17 de fevereiro de 2013

O Pregador

Procura limpar a vasilha antes de lançar nela seja o que for; quer dizer, antes de pregar a virtude, reforma os teus costumes.
Epicteto

Pregador! De uns tempos para cá este título tem se tornado tão importante nos círculos evangélicos. Dando um certo ar de “status” a quem o possui, E em nome desse “status” muitos exageros tem sido cometidos, ignora-se o texto bíblico em si e sua mensagem e parte para comparações e aplicações fora do contexto bíblico, colocando palavra onde elas não existem.

Isso não é novo, na Grécia antiga os sofistas já eram pagos para que com belos discursos pudessem defender interesses de terceiros, oque estava em Pauta não era verdade, mas o interesse, assim a mentira virava verdade e a verdade virava mentira.

Vejo muitos pregadores contentes, porque a plateia, público, congregação se mostrou efusiva com sua mensagem, vejo outros preocupados quanto a plateia em si parece não corresponder, e vejo outros mais ousados ordinandos que glorias, palmas e outras manifestações sejam realizadas, caso não ocorra isso a Igreja é fria!

Mas tirando algumas raras vezes, não vi a mesma preocupação coma mudança de vida, com a mudança de vida dos ouvintes!  Emoção é ótimo é bom , mas em si não traduz a mudança devida  proposta pela evangelho de Jesus Cristo.

No livro do Profeta Samuel, temos uma passagem muito sugestiva, em que Israel apos haver perdido uma batalha para os filisteus, resolveram levar a Arca da Aliança para a guerra, e fizeram um barulho tão grande, tipo de um retete ( não gosto deste termo!) que o jubilo além de ser ouvido no acampamento dos filisteus, ainda os deixou atemorizados! Porém ao saírem para a batalha todos confiantes e com muita fé, tiveram uma surpresa! Perderam a batalha, a arca da aliança foi levada, ficaram em grande confusão e como diz o autor do texto “Icabod” ou seja foi-se a glória de Israel. ( I Samuel 4:1-22)

Nem pela agua e nem pelo vinho! Não estou dizendo que a manifestação cultural, e ou emocional de um grupo seja ruim, só estou dizendo que ela em si não serve para medir a espiritualidade nem a aprovação de Deus, por que a provação de Deus se mede pela obediência as sua vontade.

A igreja de Corinto era uma Igreja rica em dons, porém era a mais problemática, das Igrejas da Ásia, Laodiceia era a mais prospera do ponto de vista material, mas foi a única em que o mestre não vi nela nada de bom!

O pregador tem que ser fiel a mensagem e ao contexto bíblico, não a emoção das pessoas, que podem reagir de formas diversas, escuto muito os pentecostais grupo dos quais eu faço parte dizerem que batistas, presbiterianos e outros grupo tradicionais são frios, mas tenho a graça de conhecer vários batistas e presbiterianos que escutam a palavra de Deus pregada em seus cultos de forma silenciosa, atentos, (alguns as lagrimas escorrem pelo rosto enquanto escutam) e que a praticam diariamente em todas as suas ações. Creio que praticar seja mais importante do que qualquer outra coisa.

O pregador deve ser fiel a mensagem e ao contexto bíblico, e não se enveredar por um caminhos de exageros afim de encantar uma plateia, deve entender que bíblia diz o que ela quer dizer, observados seus contextos de cultura, tempo e tradições do povo quem, foi originalmente dirigida.

Mas antes de tudo o pregador deve ser um praticante de tudo o que prega, e saber que pregação não apenas uma falatório sem fim coma finalidade de animar uma plateia, pregação antes de tudo é um ensino, e o verdadeiro ensino deve se dar não somente com as palavras mas também com o exemplo de vida.

Os fariseus eram doutores da lei, mas vazios em si pois gostavam apenas da forma exterior da religião e não se preocupam na sua forma interior e introspectiva que leva ao ser humano a uma verdadeira mudança de vida.

 

Rodyguez&Carvalho

quinta-feira, 14 de fevereiro de 2013

Cristãos

Foi na cidade de Antioquia da Síria, ( Atos 11:26)que os seguidores de Cristo, passaram a ser denominados Cristãos, antes conhecidos como seita dos Nazarenos, ou ainda os do Caminho.

O vocábulo Cristão, do grego christianoi, significa tão somente seguidores de Cristo. Ou imitadores na sua forma de agir, pensar e comporta-se. Lendo algumas paginas  do livro de Atos de Apóstolos e outras das Escrituras Paulinas, logo vamos percebendo que os Cristão foram deixando de ser uma seita marginal ao Judaísmo e logo foi tomando uma identidade própria, como usos e costumes específicos.

Logo o nome Cristão, não estava ligado a filiação institucional com a Igreja, mas antes de tudo a um estilo de vida baseado no modelo de Cristo em todos os seus sentidos, assim a Igreja era a reunião dos Cristãos, lugar onde os seguidores de Cristo se reuniam para celebrar em comunhão as verdades do evangelho e também comungar da ceia. Mas a Filiação a Igreja como instituição na fazia Cristãos, alguns historiadores dizem que ainda no primeiro século  nas cerimonias do AGAPE, conta-se que após a celebração do culto publico comum, os diáconos ficavam nas portas se despedindo as pessoas que apenas eram simpatizantes como o Cristianismo, com a frase “Ite, missa est” ou seja vocês podem ir agora é a despedida. Feito isso os diáconos fechavam as portas e os verdadeiros Cristãos já antes para estes fim avisados iriam celebrar a ceia do Senhor. ( Igreja Latina)

Tão conceito é de muito valor, pois a Igreja sabia que as coisas espirituais são para os espirituais para os que estão verdadeiramente comprometidos com Cristo e seus ensinos.

O estilo de vida dos Cristãos era além das portas dos lugares de reunião, seu modo de vida de alguma forma foi influenciando as sociedades onde eles se fizeram presentes, embora perseguidos eram de padrão digno de nota, de elevados conceitos morais e práticos no seu viver diário. Eram pessoas transformadas que se empenham em tudo a seguir a Cristo.

Os primeiros Cristãos sabiam, que seguir a Cristo envolveria risco de vida e perseguição e mesmo assim o seguiam, uma fé inabalável na proposta de vida do evangelho de Jesus Cristo!

Estamos a dois mil anos na historia da Igreja, e creio que é o momento oportuno para  refletirmos sobre o verdadeiro significado da palavra Cristão. è possível ser batista, assemblei ano, metodista, católico, ortodoxo sem ser Cristão! Damos mais valor a identidade religiosa e denominacional do que ao fundamento dos Apóstolos que é o próprio Cristo! É preciso lembrar e ter em mente de que para Deus não importa nossa agremiação religiosa, a suntuosidade de nossos templos, nem nosso orgulho religioso. O que realmente importa é se somos imitadores de Cristo, se de fato somos Cristãos.

Um dia em algum momento da história um novo Ite, missa est. será ouvido e somente a verdadeira Igreja de Cristo com verdadeiros cristão estarão reunidos.

Pense nisso.

 

Rodryguez&Carvalho