Programa Adoradores sem Limites

domingo, 9 de junho de 2013

O verdadeiro encontro com Cristo

 

A palavra evangelho, não é originária do mundo cristão ou judaico, é antes de tudo uma palavra do mundo grego, empregada de forma muito apropriada do grego clássico com o sentido de boa-nova, boa-nova essa que  provocava manifestações  de um júbilo passageiro, com os conceitos de salvação, alegria e gratidão para com uma divindade pagã.

Uma coisa interessante a se notar neste vocábulo é que quer fosse de uso civil ou teológico, a alegria por ela provocada sempre seria passageira.

Assim como outras palavras da língua a palavra Evangelho  (euaggleion) passa por alterações semânticas e adquiri novos significados que transcendem o significado anterior, assim foi com a palavra AGAPE, em um resumo rápido o melhor amor para a melhor pessoa, ou ainda o melhor amor para a pessoa mais honrada no caso de Cesar por exemplo! Logo ágape passa a ser nos autores bíblicos a melhor e mais exaltada expressão do amor não para a melhor pessoa, visto que não há ninguém melhor ou acima de Deus, mas sim para o pecador!

A palavra evangelho agora na pena e mentalidade dos escritores do novo testamento deixa de ser uma boa-nova anunciada por um vidente de um deus pagão, e deixa de ter caráter transitório. o Evangelho agora é algo anunciado pelo próprio Deus que se fez carne, não por videntes ou profetas do mundo Greco-romano, e essa boa-nova  não trás em si apenas conceitos de benção temporais como chuvas, curas ou vitória nas guerras, trás um conceito novo de uma modificação do ser humano, um renascimento, uma novidade de vida, um apagar completo dos erros e pecados do passados e um caminhar em Cristo para a vida Eterna. O caminho desse evangelho não começa com a conquista de coisas temporais, mas começa com a a renuncia e com a metanoia, conversão, mudança de mente!

O evangelho do grego clássico, no conceito originalmente usado, é o evangelho das coisas temporais e passageiras e não poderia ser de outra forma, pois em nada o homem pode ser modificado, é um evangelho que “muda” apenas alguns acontecimentos a volta do se humano, mas não é uma palavra que pode mudar a sua própria vida interior! O evangelho de Jesus é o evangelho das coisas eternas, é o evangelho da mudança, da transformação interior, é o evangelho que foi recebido  pela Samaritana junto ao poço de Jacó, por Zaqueu um odiado publico, por Maria Madalena, e pelo ladrão condenado de forma justa e crucificado ao lado de Jesus, alias esse último entendeu perfeitamente o evangelho pois alem das coisas temporais viu no Cristo desfigurado da cruz, um Rei e Senhor, pois disse: “lembra-te de mim quando entrares no teu reino”

O evangelho do grego clássico, era recheado com palavra de auto-ajuda, provocantes e confiante. O evangelho de Cristo as vezes consiste em palavras duras, em correções, é um evangelho que mostra o homem quem ele realmente é com todas as suas incapacidades, defeitos e pecados.

Tenho ouvido com frequência um evangelho estranho nas igrejas evangélicas, um evangelho de coisas passageiras, efêmeras, que causa uma euforia coletiva, no momento que é anunciado. mas que não produz frutos dignos de arrependimento.

Assim temos claramente um quadro de Cristãos que se comportam como pagãos, esperando que seu deus lhes faça tudo, barganhando com seu deus, ou mesmo procurando aplaca-ló ou até controla-ló através de seus rituais. Triste é esse quadro, pois em nada ficou diferente do relacionamento entre os deuses mitológicos e seus adoradores.

É tempo ainda, de termos um encontro verdadeiro com a pessoa de Jesus Cristo, e recebermos o seu verdadeiro evangelho, transformador e restaurador, um evangelho que vai além muito além das coisas temporais, um evangelho que com a abundancia ou com a falta dela ainda assim é uma boa-nova pois se refere apenas não a coisas, mas a pessoas, não apenas ao possuir, mas com muita atenção ao ser.

2 Coríntios 4:1-18

Por isso, tendo este ministério, segundo a misericórdia que nos foi feita, não desfalecemos;
Antes, rejeitamos as coisas que por vergonha se ocultam, não andando com astúcia nem falsificando a palavra de Deus; e assim nos recomendamos à consciência de todo o homem, na presença de Deus, pela manifestação da verdade.
Mas, se ainda o nosso evangelho está encoberto, para os que se perdem está encoberto.
Nos quais o deus deste século cegou os entendimentos dos incrédulos, para que lhes não resplandeça a luz do evangelho da glória de Cristo, que é a imagem de Deus.
Porque não nos pregamos a nós mesmos, mas a Cristo Jesus, o Senhor; e nós mesmos somos vossos servos por amor de Jesus.
Porque Deus, que disse que das trevas resplandecesse a luz, é quem resplandeceu em nossos corações, para iluminação do conhecimento da glória de Deus, na face de Jesus Cristo.
Temos, porém, este tesouro em vasos de barro, para que a excelência do poder seja de Deus, e não de nós.
Em tudo somos atribulados, mas não angustiados; perplexos, mas não desanimados.
Perseguidos, mas não desamparados; abatidos, mas não destruídos;
Trazendo sempre por toda a parte a mortificação do Senhor Jesus no nosso corpo, para que a vida de Jesus se manifeste também nos nossos corpos;
E assim nós, que vivemos, estamos sempre entregues à morte por amor de Jesus, para que a vida de Jesus se manifeste também na nossa carne mortal.
De maneira que em nós opera a morte, mas em vós a vida.
E temos, portanto, o mesmo espírito de fé, como está escrito: Cri, por isso falei; nós cremos também, por isso também falamos.
Sabendo que o que ressuscitou o Senhor Jesus nos ressuscitará também por Jesus, e nos apresentará convosco.
Porque tudo isto é por amor de vós, para que a graça, multiplicada por meio de muitos, faça abundar a ação de graças para glória de Deus.
Por isso não desfalecemos; mas, ainda que o nosso homem exterior se corrompa, o interior, contudo, se renova de dia em dia.
Porque a nossa leve e momentânea tribulação produz para nós um peso eterno de glória mui excelente;
Não atentando nós nas coisas que se veem, mas nas que se não veem; porque as que se veem são temporais, e as que se não veem são eternas.

 

Vivamos o evangelho!

Rodryguez & Carvalho

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Não serão postados comentários de cunho ofensivo, e nem de ordem pessoal, peço aos leitores que se atenham somente ao assunto postado em questão. Rodryguez

A Provação e o Jejum "Meus irmãos, tende por motivo de toda alegria o passardes por várias provações, sabendo que a prov...