Programa Adoradores sem Limites

segunda-feira, 1 de julho de 2013

Voltando ao primeiro amor

Domingo para mim sempre é um dia especial, apesar da rotina religiosa que envolve, escola bíblica pela manha, reunião na sede ( as vezes ) a tarde e culto a noite, domingo também é o meu dia particular de reflexões. Como cristão minha reflexão sempre se dá com relação as atividades religiosas, sempre me preocupo se serei apenas mais um cumprindo um papel metódico, ou se serei um adorador, indo para casa de Deus com a alegria que descreveu o salmista no salmo 122.

Este domingo após a escola bíblica fomos a a um almoço na casa de nossos pastores e a\amigos e na volta busquei no youtube e no google hinos bem antigos da década de 70 e 80 e outros mais antigos que faziam parte da memoria de meus pais e avós e claro automaticamente também fazem parte da minha memoria.

Ouvindo esses louvores sempre acontece que choro, ora por lembrança da minha forte herança evangélica, ora o motivo é a lembrança dos meus entes queridos que já se foram, no culto cantando e pregando. Em outras ocasiões me lembro de momentos específicos e gloriosos em que esses hinos estiveram presentes e na ocasião foram como uma luva para minha realidade de então.

Mas desta vez a nostalgia e o saudosismo foi mais longe, me lembrei dos dias gloriosos da doutrina que aprendi. Dos cultos em que o poder e a presença de Deus eram visíveis até para o mais incrédulo que estivesse presente, das respostas de Deus tão rápidas as nossas orações, e essa lembrança me deu um gosto amargo, uma tristeza. Sentado na mesa, falei com minha esposa que eu achava que nunca mais a Igreja seria o que um dia (na minha visão) ela havia sido.

Mas foi ai que eu tive uma “iluminação”. Ouvi uma voz profunda no meu intimo que me dizia: E você será algum dia aquele crente de outrora? Animado, contagiante, evangelizador, sempre constantes nas orações e vigílias?

Entendi que não foi apenas as pessoas e instituições que mudaram, mas eu também havia mudado! Entendi nessa hora que Deus não precisa de números, mas de apenas alguém que se disponha que se “coloque na brecha” _ Chorei de novo! Agora não pelo saudosismo e a falta de esperança no futuro glorioso da Igreja, mas chorei porque entendi que eu havia deixado o meu primeiro amor!

Assim como a Igreja de Éfeso com seus constantes trabalhos e perseverança, com sua firmeza doutrinaria colocando à  prova os hereges que se diziam apóstolos em o serem, assim me encontrava eu, atarefado nos labores da vida eclesiástica, atento as questões apologéticas, porém sem o fogo ardente do primeiro amor! Fazendo mas por consciência da minha obrigação para com Cristo do que pelo prazer de servi-ló!

A noite em nossa congregação foi o culto de missões, cheguei diferente aproveitei cada hino, cada saudação, cada momento e disse para mim mesmo: Aquela Igreja vida e espiritual ainda existe! Sim ela existe eu é que não estava enxergando-a. Tive a oportunidade de ministrar a palavra nesse dia e enfatizei que apenas uma Igreja envolvida de coração coma causa do mestre, pode levar uma mensagem de via ao coração daqueles que se encontram em trevas e claro usei como nunca havia usado antes Apocalipse Cap. 2.4

Minha mensagem agora é essa: Voltemos todos ao primeiro amor!

Deus em Cristo te abençoe.

Rodryguez & Carvalho

Um comentário:

Não serão postados comentários de cunho ofensivo, e nem de ordem pessoal, peço aos leitores que se atenham somente ao assunto postado em questão. Rodryguez

A Provação e o Jejum "Meus irmãos, tende por motivo de toda alegria o passardes por várias provações, sabendo que a prov...