Programa Adoradores sem Limites

terça-feira, 19 de novembro de 2013

Identidade! Quem é você?

 

Que ocupação é a tua? Donde vens? Qual é a tua terra? E de que povo és tu? Jn 1.8

Identidade é uma característica interessante, em primeiro lugar podemos dizer que identidade é a qualidade do que é idêntico, idêntico por sua vez é aquilo que pode ser comparado a outra coisa em relação a sua semelhança. Identidade também significa um conjunto de traços que podem distinguir um individuo dos demais.

O cristão é convidado pelas escrituras a ser idêntico a Cristo, ser imitador de Cristo assim como Paulo o era, e em contra posição é exortado a ser completamente diferente do mundo.

Nos tornamos iguais e semelhantes aquilo que amamos, se alguém ama o mundo será semelhante ao mundo e amor do pai não estará nele. Se alguém por sua vez ama a Cristo será semelhante a Cristo.

Mas o amor não apenas uma coisa interiorizada, escondida e oculta, o amor possui uma força que rompe com as barreiras da interiorização e sempre acaba por se manifestar. Assim quem ama sempre terá ações e atitudes que demostrarão o seu amor.

Quem ama a Cristo guarda as suas palavras e procura sempre agrada-lo, é importante lembrar que o amor não é medo, mas o amor para ser amor precisa ser voluntário.

Existem duas classes de cristãos que serão identificados de acordo com suas atitudes, suas preferencias musicais, seu modo de vestir, de falar enfim toda a sua conduta, uma vez que norteamos nossa condutas de acordo com o que nos identificamos. Esses dois grupos são os cristãos identificados com Cristo e os cristão infelizmente identificados com o mundo!

Andando aqui e ali, ouvi um “Cristão” falando com um ímpio sobre as “virtudes” de sua igreja, um local agradável, familiar, um local para jovens com danças, baladas, etc. Bom não julgo o costume isso estará longe de mim. Porém o que me intrigou foi o mesmo cristão dizendo para seu amigo ímpio que sua igreja era liberal, não era como algumas no seu dizer radicais e cheias de costumes e por ai foi o rumo da prosa, falando de sua igreja e seu modo de vida de sua identidade em detrimento dos demais.

Me desculpe se você pensa ao contrário, alias é direito seu pensar o que quiser. Porém eu prefiro mil vez ser identificado com um Cristão sincero por mais exagerado que ele possa ser do que ter como base da minha identificação o mundo.

Prefiro ser identificado com aqueles que eram pelo excesso de zelo, com aqueles que acham que tudo pode ser pecado, do que ser identificados com aqueles que eram pela completa falta de zelo e santificação.

Entendo que toda a identificação produz um “modus vivendi” uma cultura própria. A igreja não precisa parecer “legal” aos olhos mundo para atrair pessoas. Ser fazer tolo ou de sábio não significa ser igual, antes significa explicar exatamente aquilo que a pessoa está apta ou condição de ouvir. O cristão é um peregrino, um estranho que não quer nem mesmo que lhe seja dada de graça a cidadania mundana, pois sabe que a sua verdadeira pátria esta nos céus.

Ha alguns milhares de anos nas terras da babilônia três jovens, foram levados cativos e tiveram todos os convites, oportunidades e até mesmo imposição pela força para que eles esquecem ou negassem a identidade e se paganizassem de acordo com as tradições babilônicas. Porém esses três jovens, resolveram firmemente não se contaminar e mantiveram de forma honrosa e corajosa a sua identidade.

 

Sejamos Imitadores de Cristo!

 

Rodrygues&Carvalho

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Não serão postados comentários de cunho ofensivo, e nem de ordem pessoal, peço aos leitores que se atenham somente ao assunto postado em questão. Rodryguez

A Provação e o Jejum "Meus irmãos, tende por motivo de toda alegria o passardes por várias provações, sabendo que a prov...