Programa Adoradores sem Limites

terça-feira, 31 de dezembro de 2013

PREGADORES, CUIDADO COM A ABREVIAÇÃO VOCABULAR!

Abreviação Vocabular

Há um fenômeno que ocorre em todos os idiomas, denominado por alguns gramáticos como abreviação vocabular. É uma tendência que as pessoas, na dinâmica da linguagem e buscando uma elocução sempre mais rápida, tem de abreviar vocábulos e expressões sem prejudicar a sua compreensão. Depois que o uso se torna comum na forma coloquial, os escritores e gramáticos passam a adotá-las em seus trabalhos como formas aceitas de se comunicar a ideia. Desta forma temos casos como a substituição de José por Zé, cinematografia por cinema e este por cine. Antigamente o pronome reto usado para a terceira pessoa do singular era vossa mercê, que passou para vosmecê, que depois passou para você que hoje é usado como ocê e que já, numa economia radical de elocução, tem sido pronunciado o nosso conhecido cê. “Cê vai à igreja hoje?” Até aí tudo bem. É uma tendência em todos os idiomas e procura-se observar se não há prejuízo na compreensão antes que o termo seja definitivamente aceito. No entanto, como toda tendência do ser humano, a tendência da tendência é alastrar-se para outros ramos da atividade humana e, nesse caso, chegamos ao campo bíblico teológico. Seguindo esse curso, é comum reduzirmos os textos bíblico que normalmente repetimos a pedaços que acabam confundindo o sentido verdadeiramente bíblico que o mesmo possuía. Um dos textos que mais sofrem com essa economia idiomática é o de Romanos 8:28 que diz que todas as cousas cooperam para o bem daqueles que amam a Deus, daqueles que são chamados segundo o seu propósito”. Numa primeira redução desse texto, é comum ouvi-lo pronunciado apenas “todas as cousas cooperam para o bem daqueles que amam a Deus”. Neste ponto já nos esquecemos de que existe um chamado e um propósito divino sobre aqueles para os quais todas as cousas cooperam. Mas não paramos aí. Em nossa ânsia pela elocução rápida, logo estamos pronunciando apenas “todas as cousas cooperam para o bem”. Nesse ponto já não se faz necessário nem amar a Deus. Tudo vai ficar bem. Mas não paramos por aí. O próximo passo é “todas as cousas cooperam” ou “tudo coopera”, para ficar ainda mais simplificado. Ora, a essa altura Deus já saiu de cena, pois não chama ninguém, não estabelece propósito e nem é amado. A religião continua, mas Deus já era. Não é incomum encontrarmos pessoas envolvidas em situações complicadas, muitas das vezes em pecado e franca rebelião contra Deus, afirmarem numa atitude de “tomara que dê certo”: “Tudo coopera, irmão.” Cada coisa em seu lugar. A teologia bíblica não permite a abreviação vocabular sem o ônus da perda de seu sentido completo e contextualizado. Uma exegese sadia não se faz com pedaços de textos, mas cada texto deve ser considerado no seu todo, para que se tenha o seu sentido completo. Assim nos achegamos mais à verdade de Deus, afastando-nos da sedução dos conceitos e doutrinas humanas e até diabólicos.


FONTE:REVISTA ATOS.


 Pois é amigos chegamos a ultima postagem de 2013 amanhã e ano novo! Obrigado a todos que tem acompanhado o Didaque. Um prospero ano novo e vivamos sempre na expectativa da volta de Cristo. 


Rodryguez & Carvalho

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Não serão postados comentários de cunho ofensivo, e nem de ordem pessoal, peço aos leitores que se atenham somente ao assunto postado em questão. Rodryguez

A Provação e o Jejum "Meus irmãos, tende por motivo de toda alegria o passardes por várias provações, sabendo que a prov...