Programa Adoradores sem Limites

sexta-feira, 29 de julho de 2011

Usos e Costumes no seu devido lugar




"Edifica “Eu me regozijo muito no Senhor; a minha alma se alegra no meu Deus. Pois Ele me cobriu com vestes de salvação e me envolveu com o manto de retidão, como o noivo que se adorna com um turbante, e com a noiva que se enfeita com as suas jóias”. Isaías 61:10.





Estava eu em um estabelecimento comercial, quando me deparei com uma jovem irmã evangélica, pertencente à Assembléia de Deus. Entre uma conversa e outra, a irmã externa seu desejo de abandonar a denominação cristã da qual faz parte sob o pretexto de não suportar as pressões exercidas sobre ela pelos líderes com relação ao seu visual, especialmente no uso de certas roupas (segundo ela “discretas”). Confidenciou-me a sua vontade em usar, por exemplo, uma calça comprida ou um batom de tom suave, ao mesmo tempo, que me indagou sobre o meu comentário relativo ao assunto.
Em seu famoso livro “Você é o que você aparenta”, William Thourlby afirmou que “inconscientemente ou não o vestuário revela um grupo de crenças sobre nós mesmos que queremos que o mundo creia” (1980, pág.52). Tanto isso é verdade que grandes empresários hoje revelam uma preocupação um tanto quanto exagerada com a importância da aparência, do se vestir bem, como definidores para a comercialização dos seus produtos. A Bíblia Sagrada também revela a importância do vestuário. Literal ou simbolicamente podemos perceber através das numerosas histórias e versículos concernentes ao adorno apropriado ou não.
As vestimentas são um testemunho visível e silencioso de nossos valores morais. Digo isto para quem tem condições de escolher a roupa que quer se vestir. Não que um traje elegante represente uma pureza de espírito e uma honradez de caráter. Sabemos que muitas pessoas de mau caráter se escondem por trás de um fino traje destacado socialmente. Mas não é para essas pessoas a quem me dirijo; e sim, aos filhos de DEUS; aos que possuem um traje espiritual incorruptível com os costumes mundanos. Essas pessoas, diferentes das outras, devem expressar a sua Luz através também de um vestir-se convenientemente. Afinal, ninguém deve se vestir para agradar ao outro, mas para a glória e o louvor de DEUS. Quando uma pessoa se sente à vontade para se vestir de qualquer jeito ou de uma maneira extravagante, prova, no primeiro caso, o quanto DEUS não é valorizado em sua vivência; e no segundo, revela uma imagem altamente egocêntrica (que gosta de atrair a atenção para si). As roupas que usamos são importantes para os cristãos porque servem de moldura para revelar a imagem d`Aquele a quem servimos e fomos feitos à Sua semelhança. Se formos pensar cuidadosamente em porquê fomos chamados por JESUS para ser “Luz do mundo” (Mateus 5:14), concluiremos que o “ser luz” não está apenas na beleza de nossas atitudes, como também em nossa aparência exterior.
A aparência do cristão serve para diferenciá-lo do mundo e reflete o Senhor a quem ele profere. Aliás, não só as roupas, como o nosso falar, o nosso caminhar, o nosso pensar e o nosso existir. A questão do egocentrismo é mais séria do que parece: não só põe o “eu” em relevância como estimula o pecado no outro. Isaías censura judias ricas por seu orgulho evidenciado por se adornarem da cabeça aos pés com jóias cintilantes e vestes caras. Elas seduziram os líderes, os quais eventualmente levaram a nação à desobediência e castigo divino: “Diz o Senhor: visto que as filhas de Sião se exaltam e andam de pescoço erguido, e têm olhares impudentes e, quando andam, como que vão dançando, e fazendo retinir os ornamentos dos seus pés, o Senhor fará tinhosa a cabeça das filhas de Sião, e o Senhor porá a descoberto a sua nudez. Naquele dia tirará o Senhor os seus enfeites: os anéis dos artelhos, as toucas, os colares em forma de meia lua, os brincos, os braceletes, os véus, os diademas, as cadeias dos artelhos, os cintos, as caixinhas de perfume e os amuletos, os sinetes e os anéis pendentes do nariz, os vestidos diáfanos (transparentes), os mantos, os xales, as bolsas, os espelhos, as capinhas de linho, e as tiaras e os véus” (Isaías 3: 16-23).
Outra história bíblica vem do esforço de Jezabel para induzir os israelitas à idolatria. A corrupção do seu coração é revelada pela tentativa que fez em sua última hora de parecer sedutora, pintando os seus olhos e adornando-se para a chegada do novo rei, Jeú: “Então Jeú foi a Jezreel. Quando Jezabel o soube, pintou em volta dos olhos, enfeitou a cabeça, e olhou pela janela” (2 Reis 9:30). Mas o rei não foi enganado e ela morreu de uma morte desonrada. Por causa disto, seu nome tornou-se símbolo de sedução na história do Livro Sagrado: “Mas tenho contra ti que toleras a Jezabel, mulher que se diz profetiza. Com o seu ensino ela engana os meus servos, seduzindo-os a se prostituírem e a comerem das coisas sacrificadas aos ídolos” (Apocalipse 2:20). Há muitos outros casos na Bíblia que poderiam ser explicitados, como o de Ezequiel contra as mulheres Oolá e Oolibá; o de Jeremias, que usou de uma alegoria para representar o abandono político a Israel. Nesta alegoria achamos cosméticos e jóias que são usadas para seduzir os homens à prática de adultério. Essas e outras experiências nos ensinam o quanto o uso de adornos pode contribuir para uma rebelião com DEUS.
Em 1 Timóteo, o apóstolo Paulo nos faz uma advertência: “quero que, do mesmo modo, as mulheres se ataviem (se enfeitem) com traje decoroso, com modéstia e sobriedade, não com tranças, ou com ouro, ou pérolas, ou vestidos dispendiosos, mas (como convém a mulheres que fazem profissão de servir a Deus) com boas obras” (2:9-10). Vestir-se moderadamente implica em cobrir adequadamente as partes do corpo que possam despertar impulsos sexuais no outro. DEUS nos convida a nos vestir modesta e decentemente, não só para prevenir o pecado, como também, preservar a intimidade. E quanto ao uso de calças compridas, não há problema algum desde que o corte esteja estabelecido para qual sexo. Mulheres não devem vestir roupas elaboradas exclusivamente para o uso masculino nem o contrário disso. O objetivo é de manter a distinção dos sexos que foi estabelecida desde a criação do mundo. Em Deuteronômio está escrito: “A mulher não usará roupa de homem, nem o homem roupa de mulher, pois quem faz tal coisa é abominável ao Senhor teu Deus” (22:5). A Bíblia não estabelece que tipos de roupas são de homens ou de mulheres, mas nos ensina a respeitar a distinção de um sexo e outro.
O cristão precisa ter muito cuidado: atualmente as modas lançadas tendem a abolir a distinção de homem e mulher. Também não podemos nos conformar com os valores e estilos sociais. Outro dia uma irmã ia passando em frente a um posto de gasolina vestida de saia colorida, botas coloridas, blusa colorida, duas “marias chiquinhas” prendendo o cabelo e a Bíblia embaixo do braço. Logo os bombeiros do posto gritavam para ela: “olha lá a xuxinha indo à igreja!”. Observe o que escreveu Paulo à Igreja em Roma: “Não vos conformeis com este mundo, mas transformai-vos pela renovação do vosso entendimento, para que experimenteis qual seja a boa, agradável e perfeita vontade de Deus” (Romanos 12:2). É certo que há líderes religiosos impiedosos hoje em dia recaindo em extremos perigosos, pondo um julgo pesado e uma opressão desnecessária aos seus membros. Transformam a Casa de DEUS em empresas de homens e tratam os filhos de DEUS como empregados desobedientes, que não querem se adaptar ao fardamento profissional. Muitos não sabem nem dão a importância de mostrar amorosamente o que a Bíblia ensina. O “vestir-se” não é o principal exercício de santidade. JESUS pede um coração puro, um espírito quebrantado, um caráter justo; e essas coisas não dependem das indumentárias exteriores. O vestuário não faz o cristão, mas revela a sua identidade. As roupas não vão nem levam ao inferno, mas além de expressarem o que somos para nós mesmos, a nossa família e a nossa igreja, podem se tornar para o mundo mais um brilho transformador de nosso testemunho e de como DEUS é glorificado em nossa vida.

Fernando César – Professor, palestrante, evangelista e escritor pernambucano. Autor dos livros “NÃO MUDE DE RELIGIÃO: MUDE DE VIDA” ; “PÓDIO DA GRAÇA” e “ANTES QUE A LUZ DO SOL ESCUREÇA”. Também é líder pelo MINISTÉRIO INTERDENOMINACIONAL RECUPERANDO FAMÍLIAS PARA CRISTO.

terça-feira, 26 de julho de 2011

Evangelho na Pratica



Por Eliel Lucena 


Graça e paz da parte do nosso Senhor e salvador Jesus Cristo !!!

Interessante,  eu sempre entro com o perfil invisível, hoje em especial senti de Deus em entrar com o perfil disponível, não entendi muito bem o porque Deus me pediu isso...mais obedeci e fiquei aguardando. Pouco tempo depois entra uma amiga de Porto Alegre e começa a me fazer perguntas, querendo saber como eu estava, se tava tudo bem por aqui etc...contei que estava bem, na vontade de Deus e tudo mais...Quando perguntei como ela estava, ela me disso que estava namorando um rapaz que conheceu pela internet, que era uma pessoa legal mais que tinha um probleminha...ele era meio traumatizado, ate brinquei com ela , que ela só arranja caras com problemas...rsrrsrs...e continuamos a nossa conversar... Aos poucos ela foi me falando qual seria o trauma dele... auto-estima !!!...Esse era o seu problema, ele não se gostava, se achava feio, porque  quando era criança era muito gordo e que ainda hoje não se gostava !!!Quando falei que ela precisava falar de Deus pra ele, ela me disse que ele é ateu, que não acredita em Deus !!! Então me lembrei que ha um tempo atrás eu tinha dando de presente para essa amiga uma bíblia, comecei a falar pra ela como Deus faz as coisas, que nada nesse mundo acontece sem a permissão do Senhor, que a bíblia nos ensina que nem uma folha cai da arvore sem a permissão do nosso Deus todo poderoso, então, se Deus um dia me usou para presenteá-la com a Sua palavra, e hoje Deus tinha colocado esse rapaz na sua vida, Deus tinha um plano nisso tudo !!! Falei que a palavra diz que devemos amar a Deus sobre todas as coisas e ao teu próximo como a se mesmo !!! Como poderia esse rapaz gostar dele mesmo se nem acreditar em Deus ele acredita? Como ele pode gostar de se próprio se nem a Deus ele ama ?  O Senhor é maravilhoso, Ele ver as coisas antes mesmo de acontecer, mesmo anos antes Deus nos manda fazer coisas que a gente não entende o motivo, mais  na frente Ele mostra a razão disso !!! Vidas precisam conhecer o Senhor, não conhecer o Deus que é pregado em muitas igrejas por ai a fora, mais o Deus Todo-Poderoso que fez os céus e a terra... O Deus que dar cura aos feridos...O Deus que liberta os cativos !!!Hoje eu tenho experimentado uma vida com Deus que jamais eu poderia pensar, quem diria viver, com o Senhor. Cada dia tem sido uma luta, uma dependência, nunca sei como vai terminar o meu dia, mais de uma coisa eu sei...Deus tem cuidado de mim !!! Pode não ta sobrando, mais faltando jamais !!! A palavra do Senhor é bem clara quando diz que : Nunca vi um justo desamparado , nem a sua descendência mendigar o pão !!!  Quero ser benção nas mãos do Senhor...quero estar no lutar certo na hora certa pra ser usado por Deus !!! Quero ser exatamente como diz em Isaias 61 !!! Levar boas novas aos quebrantados, libertar os cativos!!! Quantas pessoas estão ai fora tendo problemas de auto-estima ? Digo isso a começar por mim !!! Quantas vezes não me pego no meu quarto achando que não sou ninguém !!! Mais o Senhor vem ao meu socorro e me mostrar que a Sua graça me basta e que sou mais que vencedor !!! Que por mim Ele pagou um alto preço e que sou muito importante pra Ele !!!

Vamos deixar de picuias e voltarmos os nossos olhos pra Deus e olhar ao nosso redor e ver quantas pessoas estão precisando ouvir uma palavra de amor...palavra de autoridade...palavra de libertação que só vem do Senhor !!! Eu quero ser esse canal de benção, eu  quero ser um vaso nas mãos do Senhor para levar esse balsamo que só Cristo pode dar !!! Para isso estou buscando cada dia mais e mais conhecer e fazer a vontade de Deus na minha vida !!!

Que Deus nos abençoe cada dia mais e mais e abra os nossos olhos para enxergar o sobrenatural Dele !!! 

Paz de Cristo


Eliel Lucena, é um amado Irmão em Cristo, que procura viver a simplicidade do evangelho.Ontem em Porto Alegre, hoje em João Pessoa e amanhã onde Deus quiser que ele esteja. Rodryguez&Carvalho

domingo, 24 de julho de 2011

Metanoia

Fui chamado estes dias pelo gerente de operações da empresa em que trabalho para tratarmos de uma possível promoção, após ouvir o discurso conjunto de 3 diretores ( Operações, Recursos Humanos e Campo) todos foram enfáticos falando acerca do comprometimento que era necessário para o cargo almejado, no dizer deles tudo no ser humano podia ser mudado através de treinamentos, porém a unica coisa que eles não poderiam mudar é o "problema de berço", como a falta de compromisso, os atrasos, as faltas e o pouco caso com o nosso ramo de negocio. 

Engraçado pensei, como o ser humano tem a mania de se achar melhor do que seu semelhante, como não percebe que todos temos um "problema de berço" herdado de Adão, e de igual modo o ser humano  é incrédulo para crer na possibilidade de uma nova vida, até mesmo de um novo nascimento, capaz de resolver qualquer problema de berço que o ser humano tenha.

Pau que nasce torto nunca se endireita, diz o adagio popular. Porém quem está em Cristo nova Criatura é as coisas velhas já passaram e tudo se faz novo! (II Cor 5.17).

Mas a lição que tirei desta conversa que tive, vai um pouco mas além, vou percebendo como o mundo carece de pessoas integras para a realização de diversas vocações, integras em todos os sentidos. Um dos nossos lemas é honestidade, haja visto que trabalhamos com a precisão de informações e qualquer informação adulterada pode por em risco a saúde financeira de nossos clientes, bem como o nosso nome no mercado. Mas como  conseguir isso em meio a corrupção geral do gênero humano? 

Percebo também que tal realidade só é possível para quem está em Cristo, para quem vive a novidade de vida do evangelho, vou percebendo que o evangelho não é apenas uma proposta de vida espiritual, para ser vivida em algum lugar no além, é antes de tudo uma mudança radical que começa nessa vida, começa agora, com uma renovação da nossa mente, e que exterioriza, em nossas ações cotidianas. 

Empresas, Igrejas, Escolas, Organismo de Governo e Instituições, precisam urgente em suas fileiras de pessoas que tenham experimentado em suas vidas o nascer da água e do espirito. 

Somos a contramão da humanidade, o caminho ao inverso, não vamos com o curso deste mundo, mas vamos contra.

Quanto ao que meu gerente disse, problema de berço não é com ele mesmo, como dizem: nasceu assim, morre assim... mas quem está em Cristo morre e ressuscita para uma nova vida em todos os seus sentidos.  

Quem não nos esqueçamos jamais do nosso chamado e vocação, sabendo que como cristãos nosso alvo é o céu, porém neste mundo somos a cidade edificada sobre uma montanha, uma luz nas trevas, sal para a saúde das nações.


Como diz aquele velho hino:

Minha pequena luz eu vou deixar brilhar....

Rodryguez e Carvalho 

domingo, 17 de julho de 2011

ENTENDES O QUE LÊS?





"E tu, Timóteo, que desde a tua meninice sabes as sagradas letras,
conscientiza-te que elas podem fazer-te sábio para a salvação
pela fé que há em Cristo Jesus,
pois são proveitosas para ensinar, para redarguir, para corrigir e para instruir em justiça
de maneira que todo o homem de Deus
seja perfeito e perfeitamente instruído para toda a boa obra"
(II Timóteo 3:15-17)


Inteligência, é a  capacidade que somente nós humanos temos de ler a si mesmos, de ler aquilo que está dentro de nós, daquilo que nos foi ensinado,  de aprender, e com o nosso aprendizado, ir tomado as decisões em nossas vidas.
Muito embora haja em nosso meio aqueles que acham que o conhecimento de nada vale, a bíblia está cheia de alusões à sabedoria  e ao conhecimento, tanto que dedicou os provérbios e o eclesiastes como livros sapiêncais ( DE SABEDORIA),  ainda na torah encontramos alusões  ao ato de ensinar de repassar aos filhos o conhecimento das escrituras, com minuncias e tradições didáticas.
Algum tempo atrás, ouvi de uma pessoa uma objeção quanto ao conhecimento dizendo que o importante era fazer apenas como Cristo e amar o próximo. Claro que isso é importante, mas só sabemos disso porque isso está escrito,  e nos foi de alguma forma ensinado. No demais seguir a Cristo e amá-lo significa fazer a sua vontade e para fazer a sua vontade, o único manual que dispomos não é nossa consciência e sim as Escrituras sagradas na sua totalidade.
A maior orientação que podemos receber do Espírito Santo, é justamente em persistir em ler, ouvir  e entender as Sagradas Escrituras, para que Ele, quando o aprouver nos faça lembrar daquilo que ali está escrito, ou daquilo que ouvimos de alguém.
Não sei quem espalhou o joio da falta de conhecimento entre muitos cristãos, que radicalizando suas posições colocam seus sentimentos e suas falsas impressões do Espírito Santo, acima do padrão aquilatador das escrituras sagradas.
Alguém pode dizer:  “ A letra mata” – então eu pergunto qual letra ? o conhecimento ? é claro que não! Paulo se referia ao ministério das Letras de Pedras, da Lei de Moises, com suas maldições e advertências para que não cumprisse os mandamentos. Enfim estava falando da relação lei e graça e não do conhecimento em si.
Como o  Eunuco de Candace, muitos não conseguem entender aquilo que estão lendo, e precisando de um Felipe, conhecedor das  escrituras do velho testamento e conhecedor também da revelação da Graça Divina em Cristo Jesus. Assim Felipe procedeu  ensinando e batizando o Eunuco que  voltou alegre para sua terra, se a tradição estiver certa foi ali um continuador das verdades que ouviu ensinando a muitos.
Na distribuição dos dons espirituais o Espírito Santo em sua Soberania tem escolhido uns para doutores e mestres,  que possamos nos deleitar uns com os outros no exercício dos dons e que não nos faltem os mestres em nossos dias, pois não havendo profecia o povo se corrompe. E você entendes o que lês?

Rodryguez & Carvalho.



sexta-feira, 15 de julho de 2011

Volta Filho Meu

Cada vez me surpreendo mais com a quantidade de "desviados" , apesar de não ter certeza quanto a aplicação deste termo se é correta ou não, porque desviado ao meu ver dá uma conotação ruim de um caminho sem volta. Mas termos usuais a parte, cada dia vejo mais e mais  pessoas que um dia trilharam o caminho do evangelho e hoje por motivos diversos estão cada vez mais distantes. Até brinco com alguns amigos e digo que um  "EX CRENTE"  é facilmente identificado, como Pedro ele tem o sotaque de um galileu, ainda se veste como um galileu, tem odos os trejeitos de um galileu , embora muitas vezes também por motivos diversos prefira negar.

Não é fácil mesmo seguir a Cristo, mas seria mais fácil seguir o mundo? - Negar a si mesmo a cada dia, tomar a sua cruz e seguir, não é fácil, ainda penso comigo que uma das palavras mais difíceis em oração é dizer : Faça a Tua Vontade !"  - por outro lado tenho a certeza de que a vontade de Deus é boa, perfeita e agradável.

Mas conversando aqui e ali, vou percebendo que o motivo alegado pela grande maioria dos desviados, para estarem fora de suas congregações ou do convívio em outra  Igreja Cristã, são sempre motivos pessoais, como intrigas, desafetos, decepções humanas, desanimo com a forma de governo eclesiástico etc. Isso sem levar em consideração o evangelho de resultados que fazem com que incautos migrem de uma igreja para outra e no final não fiquem em nenhuma! 

Como somos frágeis em nossa fé, como somos meninos ainda no trato com a nossa vocação. Quem nos chamou foi Deus, como podemos olhar para algo que não seja ELE? Se pecamos Ele nos perdoa, se desanimamos, ELE nos anima! Porque tomamos atitudes tão radicais como largar tudo e deixar de servi-lo? Porque ainda não aprendemos a deixar de colocar a culpa em outros e passar a se queixar pelos nossos próprios pecados? 

Tenho uma lista enorme comigo de decepções humanas, que me causaram e que também causei, não posso olhar para essa lista se olhar cairei... Pedro olhou para as ondas, começou a afundar, mas foi ajudado por Jesus, na sua  intempestividade cortou a orelha de Malco, também foi repreendido para aprender que o Reino de Deus se conquista de outra forma, negou a Cristo, cantou o galo chorou amargamente, assim como muitos que estão fora dos caminhos do Senhor choram em suas almas quando se lembram dos dias na presença do Senhor, das horas de oração, das vigílias enfim do cantar do galo, Resolveu se esconder retornar a sua vida de pacato pescador, mas viu O Ressuscitado, e ouviu dele uma pergunta simples porém com profundidade: Amas-me? então apascenta as minhas ovelhas, retorna ao teu ministério, cumpre o teu chamado!

Que possamos ter a mesma compaixão do Cristo que dizemos seguir para com aqueles que por hora estão fora das bençãos divinas do Corpo de Cristo, que vivamos um evangelho verdadeiro em todos os sentidos, estendo a nossa mão, não as nossas criticas para com aqueles que já trilharam o caminho glorioso conosco. Não sei de fato quem será salvo, mas sei que aquele que confessa e deixa alcança a misericórdia.

Rodryguez&Carvalho

 


sexta-feira, 8 de julho de 2011

Livre Arbitrio


Esses dias, não faz muito tempo tive o prazer de ler o livro "Nascido Escravo" de autoria de Martinho Lutero, sendo este o resumo de suas correspondências com Erasmo de Roterdã, em que discutiam teologicamente as doutrinas do livre arbítrio e da predestinação. Assunto polemico, pelo menos em nossa forma tão ocidentalizada de pensar, não estou aqui hoje nem para defender nem um nem outro ponto de vista, mas escrevo como alguém que ficou impactado ao perceber umas verdades bíblicas na visão de Lutero. 

Um ponto crucial nisso tudo é o entendimento do reformador de que o homem, nascido no pecado e escravo deste, não consegue de forma algumas ter boas intenções em relação a Deus, pois sua natureza é pecadora, sendo suas inclinações ao pecado e não a Deus. 

Fazendo uma auto-analise, pois no momento em que vivo estou muito mais preocupado com a praticidade das coisas e a aplicabilidade delas, do que com a filosofia, vou percebendo que sou como homem natural totalmente incapaz de atender ao chamado divino se não houver uma intromissão poderosa em minha vida da graça salvadora de Deus, vejo como disse Paulo uma luta interior entre meus membros e me sinto um miserável, pois nada posso fazer.

Mas dou graças a meu Deus que através de Cristo, arrebentou os meus grilhões, colocou a fé que eu precisa no coração e me deu as condições em Cristo de ter agora minhas inclinações voltadas  para Ele.

Não sei como funciona a equação vontade humana versus a Soberania Divina, não sei explicar porque uns se salvam e outros se perdem, não tenho as respostas que muitos gostariam de ouvir, e sei que nem todas as explicações do mundo poderiam convergir a um único ponto e ter uma resposta padrão para questão tão complexa. 

Mas posso falar de mim... de um pecador, um miserável, que um dia se viu numa tremenda prisão espiritual, acorrentado e sem vontades, com inclinações perversas e alheias ao evangelho, e que um dia ouviu um chamado, assim como tantas outras pessoas, mas em mim esse chamado foi irresistível  como disse Jeremias, converte-nos a ti e verdadeiramente nos converteremos...

Como disse não estou aqui hoje para discutir teologicamente entre Lutero e Armínio. Mas ainda posso falar por mim, pelas minhas impressões, sendo assim quero dizer que se o Livre Arbítrio for o direito de escolher entre uma coisa e outra, sei que no pecado jamais farei a escolha certa, sendo assim Oh! Deus abro mão deste livre arbítrio e me coloco submisso diante da Tua Soberania.

Rodryguez&Carvalho

terça-feira, 5 de julho de 2011

Festas Juninas

Por: GospelCristão

Depois do Carnaval, o evento mais esperado do calendário brasileiro são as festas juninas,que animam todo o mês de junho com muita música caipira, quadrilhas, comidas e bebidas típicas em homenagem a três santos católicos: Santo Antônio, São João e São Pedro. Naturalmente as festas juninas fazem parte das manifestações populares mais praticadas no Brasil.

Diante de tudo isso, perguntamos: “Teria algum problema os evangélicos acompanharem seus filhos em uma dessas festas juninas realizadas nas escolas, quando as crianças, vestidas a caráter (de caipirinha), dançam quadrilha e se fartam dos pratos oferecidos nessas ocasiões: cachorro-quente, pipoca, milho verde etc?”.
Quanto à essa questão, tão polêmica, é oportuno mencionar o comportamento de certas igrejas evangélicas, com a alegação de estarem propagando o evangelho durante o Carnaval, dedicam-se a um tipo duvidoso de evangelização nessa época do ano. Fazem de tudo, inclusive usam blocos carnavalescos com nomes bíblicos. Não devemos nos esquecer, no entanto, de que as estratégias evangelísticas devem ocorrer o ano todo, e não apenas em determinadas ocasiões, O mesmo acaba acontecendo no período das festas juninas.

Ultimamente, surgiram determinadas igrejas evangélicas que, a fim de levantar fundo para os necessitados e distribuir cestas básicas aos pobres, estão armando barracas junto com os católicos em locais em que as festas juninas são promovidas por órgãos públicos. Os produtos que vendem, diga-se de passagem, são característicos das festividades juninas. Os “cristãos” que ficam nas barracas vestem-se a caráter e pensam que, dessa forma, estão procedendo biblicamente.

E o que dizer das igrejas que promovem festas juninas em suas próprias dependências com a alegação de arrecadarem fundos? As festas juninas têm um caráter religioso que desagrada a Deus.
Nestas festas ocorrem rezas, canções e missas; as comidas e doces são oferecidos a estes santos -claro que os que comem não são os santos, mas os que participam dela.
É preciso que os líderes e pastores aprofundem a questão, analisem a realidade cultural do local em que desenvolvem certas ativida­des evangelísticas e ministério e orientem os membros de suas respectivas comunidades para que criem e ensinem os filhos nos preceitos recomendados pela Palavra de Deus. O simples fato de proibirem as crianças de participar dessas comemorações na escola em que estudam não resolve o problema, antes, acaba agravando a situação.

Para muitos cristãos, pode parecer que a participação deles nessas festividades juninas não tenha nenhum mal, e que a Bíblia não se posiciona a respeito. O apóstolo Paulo, no entanto, declara em I Coríntios 10.11 que as coisas que nos foram escritas no passado nos foram escritas para advertência nossa. Vejamos o que ele disse: “Ora, tudo isto lhes sobreveio como figuras, e estão escritas para aviso nosso, para quem já são chegados os fins dos séculos”.
Como crentes, devemos adorar somente a Deus: “Ao Senhor teu Deus adorarás, e só a ele servirás” (Mt 4.10). Assim, nossos lábios devem louvar tão-somente o Senhor Deus: “Portanto, ofereçamos sempre por meio dele a Deus sacrifício de louvor, que o fruto dos lábios que confessam o seu nome” (Hb 13.15).

O texto de Apocalipse 7.9 um bom exemplo do que estamos falando: “Depois destas coisas olhei, e eis aqui uma multidão, a qual ninguém podia contar, de todas as nações, e tribos, e povos, e línguas, que estavam diante do trono, e perante o Cordeiro, trajando vestes brancas com palmas nas suas mãos. E clamavam com grande voz, dizendo: Salvação ao nosso Deus, que está assentado no trono, e ao Cordeiro“. É possível imaginar um cristão cantando louvores a São João Batista?

Motivos para não Participar de Festas Juninas Diante de tudo o que foi dito acima daremos uma recapitulação expondo o “porquê” de não participarmos de festas juninas. Vejamos então:

Plágio do Paganismo – Como vimos, as bases das festas juninas estão fincadas nas práticas das festividades pagãs. Eram as festas pelas colheitas. As festas juninas usurpou isto dos gentios, com apenas o detalhe de transvestir tais festas com roupagem cristã. No entanto, quando Deus introduziu o povo de Israel na terra prometida adverti-os severamente para que não usassem esse tipo de costume, diz Ele: “Quando entrares na terra que o Senhor teu Deus te dá, não aprenderás a fazer conforme as abominações daqueles povos.” [Deut. 18:9]. Independentemente das intenções, fossem elas boas ou não, o plágio fora terminantemente proibido por Deus.

Os Santos não Intercedem – É notório que estas festividades são para homenagear os três santos. Nestas datas as pessoas invocam sua proteção através de missas e fazem promessas e pedidos confiando em sua suposta intercessão. Não obstante, temos razões bíblicos em abundancia para rejeitarmos estas mediações que os devotos tanto acreditam. A Bíblia nos diz que existe um só mediador entre Deus e os homens: “Porque há um só Deus, e um só Mediador entre Deus e os homens, Cristo Jesus, homem,” [I Tm. 2:5]. Este verso exclui todos os demais mediadores forjados pela mente humana. Se temos que pedir alguma coisa a alguém, esse alguém tem de ser Jesus Cristo, veja o que Ele mesmo diz: “…e tudo quanto pedirdes em meu nome, eu o farei, para que o Pai seja glorificado no Filho.Se me pedirdes alguma coisa em meu nome, eu a farei. [João 14:13,14]. Em toda a Bíblia não se encontra nenhum incentivo para fazermos nossos pedidos, promessas e votos a terceiros.

Os Santos não Escutam – Um devoto junino acredita piamente que seus “santos” ouvem suas petições por ocasião destas festividades natalícias ou fora delas, mesmo sabendo que estas personagens já morreram há séculos! Mais uma vez a Bíblia rejeita este conceito por declarar a posição correta dos mortos em relação aos vivos: “Pois os vivos sabem que morrerão, mas os mortos não sabem coisa nenhuma, nem tampouco têm eles daí em diante recompensa; porque a sua memória ficou entregue ao esquecimento. Tanto o seu amor como o seu ódio e a sua inveja já pereceram; nem têm eles daí em diante parte para sempre em coisa alguma do que se faz debaixo do sol.” [Eclesiastes 9:5,6]. Veja que o verso nos diz que os que já morreram não sabem coisa nenhuma do que acontece aqui em nosso mundo, na terra (debaixo do sol). é claro que há consciência onde eles estão, mas aqui em nosso mundo eles não podem ajudar ou atrapalhar ninguém.

Invocação de Espíritos dos Mortos – Como já vimos, há uma crença em que o espírito de São João possa ser despertado por ocasião da soltura de foguetes, afim de vir participar daquela festividade em sua homenagem. Folclore ou não, isto reflete de modo perfeito a crença católica da invocação dos santos. é claro que se o santo já morreu, o que é invocado é o espírito dele, e isto bate de frente com a advertencia bíblica a respeito da consulta aos mortos. Vejamos: “Quando vos disserem: Consultai os que têm espíritos familiares e os feiticeiros, que chilreiam e murmuram, respondei: Acaso não consultará um povo a seu Deus? acaso a favor dos vivos consultará os mortos?” [Isaías 8:19]. E mais: “Não se achará no meio de ti nem encantador, nem quem consulte um espírito adivinhador, nem mágico, nem quem consulte os mortos; pois todo aquele que faz estas coisas é abominável ao Senhor, e é por causa destas abominações que o Senhor teu Deus os lança fora de diante de ti.” [Deut. 18:9,-12]. No fundo a prática de invocar o espírito dos santos nada mais é do que uma prática espírita e como tal, é reprovada por Deus.

Outro Espírito Recebe em Lugar do Santo – Como ficou demonstrado biblicamente os espíritos dos santos não sabem de nada do que acontece em nosso mundo, portanto não podem interceder por ninguém. Já que eles são neutros nisso tudo, para quem vai então às honras e os louvores destas festividades afinal? O apostolo Paulo estava ensinando quase a mesma coisa aos cristãos de Corinto quando disse: “Antes digo que as coisas que eles sacrificam, sacrificam-nas a demônios, e não a Deus. E não quero que sejais participantes com os demônios.” Um pouco antes, ele acabara de dizer que o ídolo nada é ( 8:4 ), ou seja, quando os gentios sacrificavam suas oferendas e suas festividades a tais deuses, eles na verdade estavam sacrificando aos demônios (que eram os únicos a receberem tais oferendas), pois o ídolo nada é. Não estaria acontecendo algo similar nas festas juninas? Quando um devoto oferece sua colheita, suas oferendas e festividades a tais santos que segundo a Bíblia, não pode interceder e saber o que está acontecendo, quem então as recebe? Ou então, quando o pedido é atendido, quem concede estas “graças” às pessoas nas festas juninas? De uma coisa temos certeza: dos santos é que não são!

Comidas e Imagens – Por último temos duas práticas rejeitadas pela Palavra de Deus. As comidas que são oferecidas nas festas juninas por vezes são benzidas e oferecidas ao santo que nada mais é do que um ídolo, pois a ele se fazem orações, carregam sua imagem em procissões, beijam-na, prostram-se diante dela etc. Como exemplo, temos o famoso pãozinho de Santo Antonio! Entretanto, a Bíblia diz: “Que vos abstenhais das coisas sacrificadas aos ídolos…não podeis participar da mesa do Senhor e da mesa de demônios.” [Atos 15:29 ; I Co. 10:21]. Quanto às imagens dedicadas aos santos, elas são proibidas pela Bíblia nos seguintes termos: “Não farás para ti imagem esculpida, nem figura alguma do que há em cima no céu, nem embaixo na terra, nem nas águas debaixo da terra; não te encurvarás diante delas, nem as servirás;” [Deut. 5:8,9]. Estes são resumidamente alguns poucos motivos, para todo cristão genuíno não participar de tais festividades.

Conclusão

Pare e pense: como vimos, todas as práticas encontradas nas festas juninas são rejeitadas pela Palavra de Deus. Será que Deus se agradaria de tais festividades, quando sabemos que elas desobedecem explicitamente o que Ele ordenou em sua santa Palavra? Será que os católicos realmente estão honrando a Deus com isso? Pense novamente: Se Deus rejeitou as festas de Israel que eram dedicadas somente a Ele [Amós 5:21-23] , mas que haviam sido mescladas com elementos dos cultos pagãos dos países vizinhos, não rejeitaria com mais veemência ainda as ditas festas “cristã”dedicada aos santos ?

sábado, 2 de julho de 2011

Tempo na Presença de Deus

Vivemos a ditadura do “tempo”, praticamente, nós não temos tempo para quase nada nessa vida, tudo passa rapidamente e nós voamos, diz Moisés no Salmo 90 versículo 10. Vivemos uma complicada relação com tempo, aquilo que está a nossa frente parece que ainda vai demorar muito, aquilo que já se passou parece que, passou de forma muita rápida.
Sempre de olho na hora, assim vamos vivendo os nossos dias. A impressão que tenho, é que, temos muito pouco tempo, para realizar um monte de tarefas, e, é claro, que, perdemos muito tempo em coisas sem muita importância, (dependendo do ponto de vista de cada um).
Mesmo em relação as nossas reuniões para louvor e adoração, ( culto) ficamos presos a “ditadura do tempo” – Muitos não conseguem mais apreciar o momento, a doçura, a suavidade, da presença de Deus. Cultuam apenas como se estivessem cumprindo mais um compromisso no seu tempo, tão bem preparado, e não suportam nem um minuto a mais, nem um atraso e nem um prolongamento desse período tão precioso.
Temos claro que muitas obrigações, não sou adepto de delongas, mas sei que estar em um culto deve ser um momento especial, que vale mais que mil dias, sei que é no ajuntamento da Igreja que posso me expressar de forma ativa ou não como membro do corpo de Cristo.
Mas por outro lado percebo que essa “ditadura do tempo”, também está relacionada com as prioridades, que estabelecemos em nossas vidas, é fácil perceber que muitos quando estão em eventos sociais, nem ao menos se importam com o tempo, é como se quisessem viver em eterno mundo de entretenimento e fantasias .
Já vivi experiências diversas no meu ministério pessoal, com relação à preparação por assim dizer litúrgica dos cultos, cultos bem elaborados com o tempo rigidamente cronometrado e cultos sem nenhuma organização, com as coisas simplesmente acontecendo. Seja como for tanto em modelo quanto no outros vi pessoas que aproveitavam, sorviam cada momento, e outros que simplesmente estavam ali cumprindo mais um compromisso temporal.
Presenciei debates internos nos locais onde servi, sobre a “chatice” dos cultos promovendo algumas inovações, temi por saber que, o tempo que deveria ser reservado para Deus estava sendo reservado para o homem, para seu bem estar, apenas para agrado do homem, temi por saber que alguns não conseguiam mais contemplar a beleza da santidade do Salvador do Mundo, do Rei dos Rei e do Senhor dos Senhores, pois estavam apenas querendo verem a si mesmos e não a Deus.
Não tenho idéia de como será a eternidade, sei que a noção de tempo que temos hoje, divididos entre dia e noite, horas e minutos acabarão. Mas sei que será um tempo de Deus, para Deus e em Deus, pois Ele é a fonte da Eternidade. Quero porém neste tempo em que vivo, vislumbrar a eternidade em meus momentos de adoração, quero entender a partir daqui o significado de não se cansar nem de dia e nem de noite, adorando ao que Vive para Sempre.
Quero cultuar a Deus, não me preocupando com os demais afazeres, entre Marta e Maria, quero ficar com o exemplo de Maria, e se saber que quando escolho a melhor parte esta não me será tirada. ( Lucas 10.38-42)


Rodryguez&Carvalho

sexta-feira, 1 de julho de 2011

A FIDELIDADE DE DEUS

"Saberás, pois, que o Senhor teu Deus, ele é Deus, o Deus fiel". Deuteronômio 7:9.

A fidelidade é um dos atributos de maior conforto e doçura. A fidelidade pertence a Deus; a inconstância caracteriza o homem pecador. A fidelidade de Deus é uma verdade prática ao crente. É travesseiro para a cabeça cansada, estímulo ao coração que desfalece e apoio para os joelhos fracos. Em todas as exigências da vida, podemos contar asseguradamente com Ele. Ele nunca decepcionará a alma que confia. Sua fidelidade nunca falhará. A fidelidade de Deus, juntamente com Seu imenso poder é nossa esperança eterna. Os homens nos decepcionam por falta de fidelidade ou poder. Mas podemos olhar além das ruínas causadas pela infidelidade dos homens, e avistarmos Um que é grande em fidelidade. Podemos ficar certos que "Porque fiel é o que prometeu". Hebreus 10:23.

Infidelidade é uma das características que se sobressai nestes dias maus. Quem nunca sofreu nas mãos de homens infiéis? E, onde está o homem que de uma maneira ou outra, não seja culpado deste pecado? No mundo econômico quase todas as falhas são resultado de devedores ou empregados infiéis. No setor social, a infidelidade conjugal tem se tornado um terrível mal. Os sagrados laços do matrimônio são rompidos com a facilidade de quem joga fora roupas velhas. No mundo político, as promessas antes das eleições são quebradas com a mesma facilidade com que foram feitas. Nas negociações internacionais, os acordos são considerados como simples folhas de papel. E no setor religioso, a infidelidade é tão notável quanto em qualquer outro setor. Multidões que professam crer na Bíblia ignoram grandes porções dela, pronunciando outras partes como antiquadas, e com explicações tentam desfazer o que está escrito.

ENOJADO COM A HUMANIDADE

Um repórter de um dos grandes noticiários americano, que havia testemunhado a batalha de Alcazar numa Espanha regada pela guerra e ensopada com sangue, ainda hospitalizado, falou com o chefe no outro lado do oceano e disse: "Estou enojado com a humanidade". A raça humana começou a se degradar no Jardim do Éden pela sua infidelidade ao Criador, e pelo mesmo pecado, destrói a si mesma. Aqui está uma pergunta com que podemos sondar o nosso coração: Temos sido motivo de tristeza a outros por motivo de nossa infidelidade? Será que esposa, marido, filhos, pais, vizinho, pastor, irmão, ou outra pessoa qualquer já se entristeceu por nossa infidelidade? Lembre-se que as lágrimas causadas por nosso maltratar são guardadas no odre de Deus para serem evidência no dia de julgamento. Salmo 56:8.

O DEUS FIEL

Há alguém que é grande em Sua fidelidade. A fidelidade é uma perfeição em Deus pela qual Ele é fiel à sua Palavra e a todos os Seus concertos. Ele nunca quebra um contrato consigo mesmo nem com Suas criaturas. O que Ele propôs, isto fará, e o que prometeu, isto executará. A mentira é um dos pecados que mais prevaleceu em todos os tempos. Foi o acreditar numa mentira que arruinou toda a raça humana. Adão e Eva deixaram a Palavra de Deus e seguiram o pai das mentiras. E todos os seus filhos seguiram no mesmo caminho. Os filhos de Israel, literalmente rogavam, no passado distante, aos profetas a pregarem mentiras a eles. Eles clamavam: "Não profetizeis para nós o que é reto; dizei-nos coisas aprazíveis, e vede para nós enganos". Isaías 30:10. Em nossos dias, a palavra mentira se camuflou com o termo "propaganda".

Conta-se que em Sião quem fosse pego contando mentira teria a boca costurada por três dias. O Irmão R. G. Lee diz, que se esta fosse a lei aqui em nosso país, muitos homens de negócios não poderiam atender ao telefone, e que muitas senhoras andariam com lindos bordados na boca.

A inclinação de contar e acreditar numa mentira é um dos fatos mais surpreendentes na história da humanidade. Da boca de um só Homem, nunca saiu nenhuma mentira. E este foi o Deus-Homem, Jesus Cristo, a verdade encarnada. Isaías 53:9.

DEUS É FIEL A SI MESMO

A respeito de Deus lemos que "Se formos infiéis, ele permanece fiel; não pode negar-se a si mesmo". 2 Timóteo 2:13. Isto significa que Ele efetuará tudo o que propôs. Romanos 8:28 diz que tudo opera para o bem dos que amam a Deus e são chamados segundo seu propósito. Lá na eternidade anterior, havia um povo que dantes conheceu e predestinou a quem Deus propôs chamar e justificar e glorificar. Esta era uma proposta secreta, conhecida somente por Deus. Não havia promessa dada ao homem, pois este nem sequer existia ainda. Portanto, se Deus não chamasse, justificasse e glorificasse os dantes conhecidos e predestinados, Ele não seria fiel nem verdadeiro a Si mesmo. Seria como o homem que se propôs a fazer uma coisa, e depois falhou por inconsistência ou por incapacidade. Deus é fiel ao Seu próprio propósito, e tem amplo poder para a execução de Seus planos. "E segundo a sua vontade ele opera com o exército do céu e os moradores da terra; não há quem possa estorvar a sua mão, e lhe diga: Que fazes"? Daniel 4:35.

DEUS É FIEL A SEU FILHO

Existem certas promessas feitas a Cristo, que é simbolizado por Davi espiritualmente, com a condição de que executasse Seus deveres como Mediador do novo concerto. E Deus jurara não mentir a Davi, isto é a Cristo, o Davi espiritual. Ele veria Sua semente e o labor de Sua alma e ficaria satisfeito. Em relação ao concerto da graça, do qual as três pessoas da Trindade fizeram parte, não podemos fazer melhor que citar B. H. Carroll: "Antes de haver o mundo, um concerto de graça e misericórdia foi feito pelo Pai, Filho e Espírito Santo, cujas evidências são plenas no N. T., e a parte a ser executada por cada um são claramente definidas, a saber: A graça do Pai em concordar que seu o Filho viesse, suas obrigações para com o concerto de dar uma semente ao Filho, Sua presciência desta semente, Sua predestinação da semente, e a justificação e adoção destes em bom tempo. O concerto do Filho inclui a obrigação de assumir a natureza humana em Sua encarnação, voluntariamente renunciando à glória que tinha com o Pai antes do mundo? para tornar-Se obediente até a morte e morte de cruz. A consideração como esperança à Sua frente, induzindo-O a suportar a desgraça da cruz, e o galardão dado pela obediência, foi Sua ressurreição, Sua glorificação, Sua exaltação ao trono real de sacerdote e Seu investimento com direito a julgar. E as obrigações do Espírito Santo eram de aplicar Sua obra de redenção em chamar, convencer, regenerar, santificar e levantar dos mortos a semente prometida ao Filho. Tudo isto mostra que o plano de salvação não foi um pensamento secundário; que as raízes dele na eleição e predestinação estão tanto na eternidade quanto da existência do mundo, e os frutos dele estão na eternidade após o julgamento. O crente deve considerar esta corrente, testar cada elo, sacudi-la e ouvir seu som, ligado de eternidade à eternidade. Cada um que Deus escolheu é atraído pelo Espírito a Cristo. Cada um predestinado é chamado pelo Espírito em tempo, justificado em tempo e será glorificado quando o Senhor vier".

A MORTE DE CRISTO NÃO FOI UMA EXPERIÊNCIA

A morte de Cristo não foi uma experiência, incerta nos resultados. A obra do Espírito Santo não é mera tentativa para ver o quanto Ele pode efetuar. Jamais poderíamos aprovar a doutrina dum Pai infiel, um Espírito Santo derrotado e um Filho decepcionado. Cremos num Deus fiel, num Espírito Santo invencível e num Cristo vitorioso. Spurgeon diz: "Creio firmemente que toda alma pela qual Cristo verteu Seu sangue como substituto, Ele reivindicará como Sua, e terá como Sua por direito. Amo esta verdade e deleito-me em proclamá-la. Nem todos os poderes da terra ou inferno, nem a obstinação da vontade humana, nem a profunda depravação da mente humana, podem impedir Cristo de ver o labor de Sua alma e de ficar satisfeito. João 6:13-40.

Mas, melhor ainda são as palavras proferidas pelos lábios da Verdade em carne... ouçam-na: "Todo que o Pai me dá virá a mim; e o que vem a mim de maneira nenhuma o lançarei fora. Porque eu desci do céu, não para fazer a minha vontade, mas a vontade daquele que me enviou. E a vontade do Pai que me enviou é esta: que nenhum de todos aqueles que me deu se perca, mas que o ressuscite no último dia". João 6:37-40.

A BASE DE NOSSA SEGURANÇA

A base da nossa segurança é a fidelidade de Deus a seu Filho. "Fiel é Deus, pelo qual fostes chamados para a comunhão de seu Filho Jesus Cristo nosso Senhor". 1 Coríntios 1:9. De acordo com o concerto, Jesus Cristo teria companheiros. Pelo chamado de Deus (o chamado eficaz do Espírito pela Palavra) fomos primeiramente admitidos na comunhão com Cristo, e o objetivo final é nossa presença com Ele na glória. E isto é garantido pela fidelidade de Deus, que nos confirmará no fim (1 Coríntios 1:8), pois os chamados serão justificados e glorificados. Os que Ele chamou e justificou estão seguros enquanto Deus for fiel à Sua Palavra para com o Filho. Livrar-se da correção depende da boa conduta do crente, mas a certeza da glória se baseia na fidelidade de Deus para com Seu Filho.

"Se os seus filhos deixarem a minha lei, e não andarem nos meus juízos, se profanarem os meus preceitos, e não guardarem os meus mandamentos, então visitarei com vara, e a sua iniqüidade com açoites. Mas não retirarei totalmente dele a minha benignidade, nem faltarei à minha fidelidade. Não quebrarei a minha aliança, não alterarei o que saiu dos meus lábios. Uma vez jurei por minha santidade que não mentirei a Davi. A sua descendência durará para sempre, e o seu trono será como o sol diante de mim". Salmo 89:30-36.

Que firme fundamento para nossa fé! Nossa segurança não jaz em nossa fidelidade a Deus, mas na fidelidade de Deus ao Seu Filho. ALELUIA!

DEUS É FIEL A SEUS SANTOS

Deus fez promessas aos crentes pobres, fracos e entristecidos que creram no Senhor Jesus Cristo e Ele, fielmente, cumprirá cada promessa que fez. "Porque os dons e a vocação de Deus são sem arrependimento". Romanos 11:29. Isto significa que Deus é fiel às Suas promessas do concerto, e não falhará na glorificação dos que chamou. Todas as promessas de Deus em Cristo são "sim" (certas) para que cada crente possa dizer "amém" à glória de Deus. 2 Coríntios 1:20.

PRESERVAÇÃO

Deus é fiel na preservação de Seu povo. "Porque o Senhor ama o juízo e não desampara os seus santos, eles são preservados para sempre". Salmo 37:28. "As minhas ovelhas ouvem a minha voz, e eu conheço-as, e elas me seguem; e dou-lhes a vida eterna, e nunca hão de perecer, e ninguém as arrebatará da minha mão. Meu Pai, que, mas deu, é maior do que todos; e ninguém pode arrebatá-las da mão de meu Pai". João 10:27-29. Aquele que é preservado não tem o poder para guardar-se a si mesmo. Os santos são fracos, mas são guardados pelo poder de Deus. 1 Pedro 1:5. A promessa de Deus ao crente é a vida eterna. E isto não significa existência eterna, mas favor ou justificação eterno para que ele nunca mais fique debaixo da condenação. João 5:24.

"E o mesmo Deus de paz vos santifique em tudo; e todo vosso espírito, e alma, e corpo, sejam plenamente conservados irrepreensíveis para a vinda de nosso Senhor Jesus Cristo. Fiel é o que vos chama, o qual também o fará". 1 Tessalonicenses 5:23-24. Aqui jaz a completa santificação e livramento do pecado e isto pela dependência do crente na fidelidade de Deus. Os chamados não são apenas justificados, mas também glorificados, pois Deus é fiel. Deus nunca chamaria os pecadores com o chamado eficaz de vida eterna para depois deixá-los pelo meio do caminho que leva à glória. A obra de Deus para com Seus santos é perfeita. Aqueles que fugiram da tempestade da ira divina, têm a Palavra de Deus, e Seu juramento como base de esperança, estas duas coisas sendo imutáveis, nas quais Deus não pode mentir.

DISCIPLINA

Deus é fiel ao disciplinar Seus filhos. "Bem sei eu, ó Senhor, que os teus juízos são justos, e que segundo a tua fidelidade me afligiste". Salmo 119:75. Aqui Davi submete-se à disciplina de Deus e a aceita como justa e boa. Na teologia de Davi não havia lugar para sorte nem chance. Ele cria que tudo o que acontecia, era ordenado por Deus. Suas aflições foram grandes, mas ele via a mão de Deus em todas elas, e acreditava serem para o seu próprio bem. Ele ainda acrescenta que Deus era fiel em mandá-las. Deus estava operando para o bem de Davi, e sabia o que ele necessitava. Deus é tão fiel aos Seus em discipliná-los quanto em preservá-las. Deus não é um Eli indulgente e infiel. Ele não permitirá que Seus filhos pequem sem serem disciplinados. "O que faz uso da vara odeia seu filho; mas o que o ama, desde cedo o castiga". Provérbios 13:24.

Devemos louvar a Deus por Sua fidelidade em nos açoitar, a fim de levar-nos de volta a Si mesmo e às veredas da obediência. Os santos têm certas tendências das ovelhas e são propensos a se desviarem. Deus é o fiel pastor que sabe usar a vara para levar-nos de volta ao rebanho. Ouça a Davi, novamente: "Antes de ser afligido andava errado; mas agora tenho guardado a tua palavra". Salmo 119:67. E a doutrina permanece a mesma, seja no Velho ou no Novo Testamento. Em Hebreus 12:11, lemos: "E, na verdade, toda correção, ao presente, não parece ser de gozo, senão de tristeza, mas depois produz um fruto pacífico de justiça nos exercitados por ela". Temos esta gloriosa verdade escrita por um dos puritanos, Thomas Washburn (1606-1687):

À medida que o santo cresce na sabedoria da verdade quanto a Deus e ao homem, ele repudiará a si mesmo e admirará mais e mais a Deus. Quando a verdade a respeito de Deus e do indivíduo se interiorizarem, então faremos o que é justo, amaremos misericórdia, e andaremos em humildade diante de Deus. Miquéias 6:8.

Ó, quanto nós, Seus filhos comprados com sangue, devemos ser fiéis Àquele que jamais faltará em fidelidade para conosco! Isto é o que Ele requer de nós como mordomos de Seus bens. Pouco importará quando morrermos, se tivemos riquezas e honras neste mundo, mas importará grandemente se fomos fiéis ao nosso Redentor. Que a fidelidade de Deus produza em nós, fontes donde corram águas de fidelidade em Seu serviço glorioso.


Autor: C. D. Cole
Revisão 2004: David A Zuhars Jr
Fonte: www.PalavraPrudente.com.br

sábado, 25 de junho de 2011

Relacionamento com Deus.

Me pego às vezes pensando me criticando e fazendo uma analise do meu relacionamento com Deus. Creio que na minha caminhada como cristão já experimentei ou presenciei em outras pessoas diversas formas de se relacionar com o Criador, é bem difícil, eu sei descrever com clareza um assunto de natureza tão complexa quanto este não me proponho a tal tarefa, apenas quero dividir com você minhas meditações atuais sobre esse assunto. Gostaria então de dividir, se é que é possível, nosso relacionamento com Deus em três categorias distintas, a primeira um relacionamento por Temor, a segunda por Interesses e a  terceira por Amor.

O relacionamento com Deus apenas por temor e medo é tipo de relacionamento que procura o tempo todo, meios propiciatórios, para aplacar a ira de Deus vingativo, que a qualquer momento poderá vindicar seus direitos sobre o pecador, tenho percebido que muitas pessoas e até ministérios tem vivido e pregado de forma exagerada, este tipo de relacionamento com Deus, esse tipo de visão é aquela que coloca uma “burca espiritual” nas pessoas, que as atormenta, que as escraviza – longe da proposta de libertação que o evangelho da graça nos revela em Cristo Jesus, esse tipo de relacionamento ao invés de nos aproximar de Deus, nos afasta, pois esta baseado em obras de justiça próprias, esta baseado naquilo que o homem deve fazer para ser salvo, e vai se acumulando cada vez mais de mandamentos e obrigações, é o relacionamento do FARISEU, que se da por satisfeito, por cumprir vários mandamentos e exigências e assim aplacar a ira de um Deus Vingativo. Penso comigo quantas pessoas ainda hoje saem dos templos evangélicos mais atormentadas do que entraram? Quantos não conseguem enxergam a bondade de Deus manifesta em Cristo? Alguns têm fobias de diversas formas ou coisas… outros alimentam uma fobia espiritual infelizmente com relação a Deus.

Mas muito pior do que se relacionar com Deus por medo é o se relacionar por interesses, numa espécie de barganha espiritual, alguns pensam que se cumprindo certas regras, podem enfim exigir de Deus o que querem, pois esse Deus, que ao que me parece neste caso deixou de ser Soberano, se vê na obrigação agora de fazer a sua parte do acordo, certo dia, estudando as palavras gregas do novo testamento me deparei com a palavra “aliança”, “pacto” em grego coiné “diateke”,  que se refere a um tipo de acordo, em que uma parte propõe e outra apenas aceita, não se trata de um acordo em que duas partes propõe – essa é a palavra usada com relação aos pactos de Deus com os homens tanto no velho testamento (na sua versão grega da septuaginta), quanto no novo – O tipo de relacionamento com Deus por interesses além de leviano, não suporta a provação de Jó, alias foi essa a sugestão do maligno de que Jó apenas servia a Deus por interesses.

Mas existe um relaciomento por Deus por amor, onde Deus prova o seu amor para conosco, no fato de que Cristo morreu por nós sendo nós ainda pecadores,  e nos convida a um relaciomento de amor. NO amor não há medo, pois no amor existe o perdão, no amor não há interesses, pois o amor não busca seus próprios interesses, no amor existe à vontade, a intenção de agradar, de buscar o bem, de lutar pelo outro. No relaciomento com Deus por amor, amamos a sua obra, sua proposta de vida para nós. Somente no amor que é possível ouvir a voz de Deus com clareza. O pecador como medo de Deus procura simplesmente aplacar a sua ira, o pecador que ama a Deus, chora pelos seus atos e busca o seu perdão. O homem que se relaciona com Deus por interesses pensa apenas em si no seu bem estar, quem se relaciona com Deus por amor, ama a Deus mais do que a si mesmo, o ama acima do seus próprios interesses, mesmo que a figueira não floresça, nem haja fruto na vide.

Rodryguez&Carvalho

http://didaqueteologia.blogspot.com

quarta-feira, 22 de junho de 2011

Câmara de SP tenta criar Dia do Orgulho Hetero e trava a pauta do dia

Por Diego Zanchetta, estadao.com.br, Atualizado: 22/6/2011 11:38

SÃO PAULO - A quatro dias da Parada Gay, um dos maiores eventos de São Paulo, a Câmara de Vereadores aprovou nesta quarta-feira, 22, a inclusão do projeto que cria o Dia do Orgulho Heterossexual para ser votado em segunda discussão. A votação do projeto deve entrar em votação ainda nesta tarde.

O texto é do evangélico Carlos Apolinário (DEM), que há três anos é contra a realização do evento na Avenida Paulista. Projeto tem apoio de lideranças evangélicas e entrou em regime de urgência para ser votado com o apoio de 28 vereadores. Ítalo Cardoso, líder do PT, se posicionou contra o projeto e pediu suspensão da sessão.

Por volta das 12h15, todos os trabalhos estavam paralisados na Câmara por causa da discussão sobre o projeto. O líder do PT diz que nada mais será votado no dia se a proposta de Apolinário não for retirada da pauta - o projeto é o primeiro item da pauta da sessão extraordinária. Um pouco mais tarde, perto das 13h30, numa manobra das bancadas do PT e do PPS, o projeto foi colocado como último item da pauta de votação.

Apolinário, no entanto, promete obstruir qualquer projeto de vereador caso sua proposta não seja colocada para votação. 'Tiraram a Marcha de Jesus da Avenida Paulista e deixaram os gays, isso é um absurdo. Não sou contra os gays, sou contra o lugar do evento', argumentou o evangélico. O ex-tucano Juscelino Gadelha (sem partido) acaba de se posicionar contra o projeto. 'Eu votaria se fosse em outra data, mas perto da Parada é querer criar um clima de animosidade desnecessária para a cidade', disse.

O dia começou mais uma vez tumultuado no Legislativo paulistano, um dia após o vereador Aurélio Miguel (PR) travar a votação do pacote que concede isenção de R$ 420 milhões para o Corinthians. O Dia do Orgulho Hetero deve ser comemorado em todo terceiro domingo de dezembro.

quinta-feira, 16 de junho de 2011

O AMOR DE CRISTO EXCEDE TODO O ENTENDIMENTO

Efésios 3:17-21                                             

     O amor de Deus  é sempre no máximo:

      • Deus amou o mundo de tal maneira...
      • O amor de Cristo excede todo o entendimento...
      • Deus prova o Seu amor por nós, dando Cristo para morrer pelos nossos pecados...
      • Deus é amor..,
      • Deus amou-nos até ao fim...

                   No amor de Deus não há meios termos. Ele é, na Sua essência e na Sua natureza, AMOR no índice máximo, amor perfeito, imaculado, eterno, envolvente, etc.

                   Conta-se que um antigo professor de Alexandre, o "grande", tendo caído na miséria, se teria dirigido ao grande chefe a pedir ajuda. Certamente teria ficado contente se o Imperador lhe desse algum dinheiro para endireitar a sua vida. Contudo, o grande estadista, em vez de lhe dar dinheiro, constituiu-o governador de uma das suas grandes províncias, com todas as regalias, privilégios e responsabilidades inerentes.

                  O  modesto professor quis recusar, pois não se achava digno de tão grande dádiva, mas Alexandre respondeu: - "não se trata do que lhe convém pedir, mas do que eu lhe quero dar, na qualidade de imperador e segundo a minha grandeza".

                   Também a maioria das pessoas se contentaria com as "ninharias" que pede a Deus, como saúde, alimentos, roupas, etc.. Porém, Deus quer dar muito mais na grandeza do Seu infindável amor. Ele quer dar paz ao coração e salvação eterna à alma e vida além da morte!

                   Deus é amor e o amor de Cristo, que excede todo o entendimento, está disponível para todos os que abram o coração para O aceitarem.

domingo, 12 de junho de 2011

Vivendo e Aprendendo

 

Não sei se meus amigos leitores sabem, mas no meu dia a dia de trabalho convivo com diversas pessoas de diferentes formações, religiões e preferencias sexuais, é o grupo mas heterogeneo com que já convivi. Como cristão fico observando dia a dia as pessoas a minha volta, refletindo na minha vida e na deles, muitos que ali trabalham so o fazem isso porque a empresa tem como politica a não discriminação de qualquer especie. Embora vivamos em “estado democratico de direto” não posso fechar os meus olhos e dizer a discriminação não existe. Infelizmente ela existe debaixo de diversas formas.

Não estou aqui para discorrer sobre a discriminação em si, quero apenas relatar um fato que ocorreu em nosso trabalho: estes dias um colega de trabalho por assim dizer, comeu o chocolate de outra colega, que irada e sem saber quem foi, entendeu o caso não apenas como uma molecagem, mas também como um roubo, e claro que dentro da politica da empresa, tal fato também seria entendido como roubo. – Dado o problema houve uma estressante reunião onde foi dito que era melhor que quem cometeu essa infelicidade se manifestasse, caso contrário seriam acionados os arquivos em video e uma vez verificado o “comedor de chocolate alheio” o mesmo seria demitido com a perca dos seus direitos!

Bom, um dia depois, a tal pessoa se manifestou, a dona do chocolate de bom grado resolveu perdoa-lo dizendo ser isso apenas uma molecagem e a direção da empresa resolveu esquecer o ocorrido.

Vendo o episodio de longe pude perceber a força da confissão e a força do perdão, bem como uma manifestação voluntaria de graça por parte do ofendido, claro que não deixei de fazer comparações entre a minha vida em relação a Deus. A manifestação de perdão foi gratuita, sem merecimento, e minha amiga de trabalho ao saber quem foi, se acalmou, e disse não ter nada contra o meu outro amigo de trabalho.

Mas em todo o lugar tem a turma do tumulto, que gosta de reviver episodios ruins e não se dá, por satisfeita em sua falsa sede por “justiça”, mas essa turma nada pode fazer a não ser falar ,pois os maiores interessados no caso que eram a minha colega e a empresa deram o caso por encerrado, claro que não sem antes darem uma séria advertencia verbal.

A minha amiga que esqueceu o episodio percebeu que o nosso colega “comedor de chocolate” era discriminado pelos demais assim como ela que era discriminada no seu dizer por ser homossexual e negra.

Vou convivendo com essa turma mista a cada dia e percebendo como eles carregam de forma dura e pesada seus fardos, não estou aqui hoje para bradar e dizer que é pecado isso ou aquilo, até mesmo porque não sei se quando assim faço estou  tendo um desejo sincero de que essas pessoas sejam salvas ou se faço apenas para satisfazer a minha propria falsa sede de justiça.

Esses episodios acasionais me fazem pensar que esquecemos o valor da Graça de Deus, manifesta em Cristo, me faz pensar que as vezes as pessoas não precisam de criticas, mas como a mulher adultera precisam apenas de uma mão amiga que se estenda para ela.

Não sei quem foi que introduziu o engano silencioso na Igreja de que somos melhores do que os outros, que o nosso pecado não é tal grave quanto o do proximo, como também não sei quem de igual modo consegiu distorcer o evangelho da graça de Deus em um evangelho que muitas vezes se isola em si mesmo, que elabora pregações bonitas para “crentes”,  que vive de programas para salvos, e não se preocupa mais com o ser humano afastado de Deus.

Tenho minha convicções biblicas que as praticas contrarias as escrituras levarão indubitavelmente o homem ao inferno, mas tenho tambem a certeza de que por mais pecadores que os homens e mulheres de sua epoca eram, Jesus não os evitou nem os tratou como religiosamente impuros. Pelo contrario interagiu com eles, comeu com eles, muitas vezes foi visto junto deles, não se corrompeu, mas ensinou a eles o caminho da verdade e muitos por isso foram salvos.

Que possamos seguir o exemplo do mestre.

Rodryguez e Carvalho

sábado, 4 de junho de 2011

Religião e Religiosidade

 

Demorei certo tempo para entender que religiosidade muitas vezes está distante da real adoração que deve ser prestada a Deus, é complicado mas as vezes somos acometidos por certas dissonâncias cognitivas que nos impedem de quebrar paradigmas e ver, de forma mais clara e objetiva, aquilo que temos por certo e estabelecido.

Engraçado como criamos regras e manuais e vagueamos entre o isso pode e isso não pode, em relação as coisas espirituais, engraçado também como a tudo damos o nome de doutrina e confundimos com a doutrina bíblica propriamente dita. Todo o estudante das escrituras sabe que há três fontes  doutrinária: a doutrina humana, a diabólica e a Divina. A primeira é feita de usos e costumes visto que o homem ainda não consegue entender o significado da graça divina e sempre acha que falta algo. que é preciso fazer alguma coisa, quando Deus somente pede dele que acredite, que tenha fé. Claro que temos a necessidade de exteriorizar a nossa fé, de escrevê-la as vezes em símbolos e ritos e liturgias, mas ao mesmo tempo devemos saber que símbolo, a forma,  liturgia ou o costume, não pode ser maior do que aquilo que se propõe a representar.

O problema da religiosidade dentro deste contexto que me proponho a falar é  que, escraviza o homem, fazendo acreditar no rito, no costume, na liturgia, mas do que no próprio Deus, além de fazê-lo se sentir mais piedoso com relação aos outros que não seguem ou não partilham dos seus pormenores doutrinários.

O fariseu ao longe se achava capaz, pelo simples fato se seguir ritos e doutrinas, o pecador ao longe nem ousava levantar a sua cabeça. Foi o pecador que desceu justificado e não o Fariseu! Foi na Casa de Zaqueu, publicano que Jesus passou a noite, e não na casa dos escribas. Prostitutas, Publicanos e Pecadores, entrarão no reino enquanto muitos “filhos do reino” ficarão fora dele.

A religiosidade é assim, exalta as formas externas em detrimento da fé.

A vida com Deus é mais simples do que parece, Deus nos propõe uma relação multidimensional, como servos, como amigos e como filhos, servos não apenas como um escravo, mas numa relação de honra em que nos colocamos como o escravo de orelha furada,  debaixo desta servidão para honrar nosso Senhor, amigos porque podemos partilhar com ele nossos segredos e Ele os seus, filhos porque agora em Cristo somos herdeiros.

A religiosidade não consegue ver estas dimensões, mas nos coloca sempre diante de um Deus irado, pronto para nos consumir com fogo, que deve ser aplacado através de práticas propiciatórias constantes, tal religiosidade não consegue entender a dispensação atual que vivemos, não vê graça, apenas temor e vingança.

Deus não mudou, não se enganem e nem pensem que digo o contrário disso, continua zeloso, continua a exercer  juízo na humanidade, porém em Cristo temos a novidade de vida e relacionamento, em Cristo as exigências de sua justiça são plenamente cumpridas, em Cristo o seu amor por outro lado é plenamente manifesto. Estar em Cristo, é viver a intensidade do juízo de Deus sobre o pecado, através de sua morte na cruz, mas também o viver a intensidade do seu amor através de sua ressurreição. 

Prostitutas, publicanos, pecadores, gentios e até mesmo os considerados como cães pela sociedade israelita antiga, enxergaram essa maravilha na pessoa de Cristo, até mesmo oficiais romanos e um ladrão condenado de forma justa por seus atos viu esse ministério quando disse: “Senhor lembra-te de mim quando entrares no teu reino”

Fariseus, Sacerdotes e até mesmo o incauto Herodes que queria ver pelo menos algum sinal ficaram de fora – Ao olhar deles Jesus zombava dos ritos da lei vetero-testamentária, não seguia os ritos, e se unia a pessoas religiosamente impuras.

Penso como deveriam ser simples as primeiras comunidades cristãs, se reuniam, compartilhavam o mistério da morte e vida de Cristo através da Ceia – parece que não tinham um sistema rígido do ponto de vista do costume, muito embora fossem firmes em sua conduta moral. Eram salvos pela graça e atraídos pelo amor de Cristo, pela mensagem da salvação, uma mensagem simples e eficiente que apenas mostra ao homem que Cristo morreu em seu lugar e o convida agora a viver a novidade de Vida.

“Por que Deus estava em Cristo reconciliando com Ele o mundo” II Cor. 5.19

  Rodryguez&Carvalho

quinta-feira, 2 de junho de 2011

Site da ABGLT convoca Homossexuais para Queimarem a Bíblia

Foi publicado no site oficial da ABGLT (Associação Brasileira de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transexuais), uma convocação para um evento em Brasília no dia 01/06, onde queimariam um exemplar da Bíblia Sagrada que é considerado por eles um livro homofóbico.
Veja o que diz o texto:
"Em frente a Catederal, nós ativistas LGBTT iremos queimar um exemplar da Bíblia 'Sagrada'. Um livro homofóbico como este não deve existir em um mundo onde a diversidade é respeitada. Amanhã iremos queimar a homofobia. COMPAREÇA"

site ABGLT
Após a repercussão no twitter, o texto foi imediatamente mudado para: "Queimando a homofobia" - Aglomeração as 14:00 na porta da catedral. Tragem livros religiosos, por uma sociedade em prol da diversidade". No final da tarde o texto foi retirado totalmente como você pode ver no site:http://www.abglt.org.br/port/eventos.php?tipo=Nacionais.
O UOL Notícias, com “extrema rapidez”, tratou de divulgar a nota do presidente da associação, Toni Reis, dizendo que “tudo não passou de um ataque de hackers.”
Qualquer pessoa consegue ver diante das notícias, que a intolerância, o ódio e o preconceito, partem principalmente dos homossexuais contra qualquer um que se opõe à sua prática.
O crime de Ultraje a culto está no Art. 208 do Código Penal.
Se coisas desse tipo já estão acontecendo antes da PLC/122 ser aprovada, imagine o que farão no caso da aprovação dessa lei.
http://www.libertar.info/news/aten%C3%A7%C3%A3o%3A%20site%20da%20ab...
http://www.revelacaofinal.com/2011/05/site-da-abglt-convoca-homosse...
http://acordecristovem.blogspot.com/2011/06/site-da-abglt-convoca-h...

A Provação e o Jejum "Meus irmãos, tende por motivo de toda alegria o passardes por várias provações, sabendo que a prov...