Programa Adoradores sem Limites

terça-feira, 25 de março de 2014

A Procura

 

Eu procuro…

Uma liturgia de culto que se preocupe mais com a essência do que com forma

Uma liturgia que se preocupe que de mais atenção ao tempo do evento do que ao tempo cronológico.

Um culto onde Deus seja colocado em primeiro lugar, onde o culto não seja um culto a personalidade.

Um louvor onde propósitos narcisistas e egocêntricos, dos “levitas” sejam abandonados

Um louvor que ao invés de triunfalismos humanos volte a falar sobre sobre Cristo e sua obra

Procuro por pregadores que não sejam profissionais comprometidos com um resultado “duvido$$o”, antes sejam profetas capazes de descortinar o erro e apontar o caminho.

Procuro por  uma Igreja não por um clube social, com eventos, reuniões e atividades quem em nada podem trazer a metanoia tão apregoada nos evangelhos.

Quero um culto, onde se possam e sejam prestadas homenagens a Divindade, onde se leva a sério que toda a Glória e honra pertencem não aos homens, e onde não sobre glória para mais ninguém a não ser para Deus.

Procuro uma Igreja que em  nada imite esse mundo, pois não tem por padrão o mundo, antes tem seu padrão na cidade de firmes fundamentos do qual o artífice e construtor é Deus.

Procuro por crentes que não sejam alienados da sua responsabilidade social para com os necessitados, e saibam que a igreja não é um “clube Santo”.

Procuro ansiosamente uma palavra, que  não seja identificada como palavra de auto ajuda, mas uma palavra que me choque, me machuque e me faça ver a minha real situação diante de Deus

 

Procuro alguém que de fato se coloque na brecha.

 

Rodryguez&Carvalho

sábado, 15 de março de 2014

Os cristãos e as pirâmides de lucro fácil

 

 

Tenho visto de uns tempos para cá muitos cristãos que vão se enrolando com empresas que prometem lucro facil e rapido, identificadas muitas vezes como piramides. No começo uma empolgação com o sistema, logo depois o sistema das piramides ou outro nome que se lhes dê passa a ser quase uma confissão religiosa, e vários versículos da biblia são citadas, na mesma modalidade que o faz a “teologia da prosperidade”, e por fim pessoas que perdem o que tem, enganan os outros pois “os meios justificam os fins”, trazem confusão para dentro de suas igrejas, haja vista que acabam por captar outras pessoas na mesma loucura.

Bom , faço questão de postar aqui esse artigo extraido do blog http://reavivamentoereforma.com/  leia com atenção:

 

Os cristãos e as pirâmides de lucro fácil

dinheiro fácilOntem, recebi e-mail de um leitor preocupado com um assunto que tem incomodado. Eu mesmo já recebi alguns e-mails inconvenientes que prometem ganho fácil. Por isso, resolvi publicar este texto, com informações do leitor e algumas “garimpagens” minhas.

Ultimamente, tem-se visto em várias igrejas pessoas que convidam outras a aderir a esquemas de alta e rápida lucratividade e planos que têm o potencial de virar verdadeiras “febres” por algum tempo. Apesar de a propaganda denominá-los de empresas de “marketing multinível” e de envolverem pequenas atividades que disfarçam sua real natureza, negócios como esses configuram verdadeiros esquemas ponzi ou pirâmides financeiras.

Em pirâmides financeiras, o investimento de adesão dos novos associados, geralmente alto, gera renda para seus recrutadores, bem como para os que estão acima na pirâmide, até certo nível. E, o principal, para também obter lucro, o associado precisa, ele também, recrutar outras pessoas. Nesses esquemas, os associados precisam periodicamente fazer novos investimentos.

A Economia e a História já provaram que pirâmides financeiras tendem a saturar, colapsar e, por fim, quebrar, provocando graves prejuízos aos participantes, especialmente aos que entraram por último e estão na base da pirâmide.

A legislação brasileira considera ilegais atividades desse gênero. Conforme preceitua a Lei 1521/51, que dispõe os crimes contra a economia popular: “Art. 2º. São crimes desta natureza: IX – obter ou tentar obter ganhos ilícitos em detrimento do povo ou de número indeterminado de pessoas mediante especulações ou processos fraudulentos (‘bola de neve’, ‘cadeias’, ‘pichardismo’ e quaisquer outros equivalentes).”

Cristãos deveriam se preocupar com essa prática notadamente exploratória e gananciosa, impedindo que ela seja disseminada nos templos, inclusive sob a alegação de ser “uma bênção de Deus para os participantes”.

É preocupante também a forma como os participantes buscam recrutar novos membros para seu esquema, com muito mais interesse e afinco do que tentam atrair ovelhas para o caminho de Deus. De igual modo, também causa incômodo ver o quanto as pessoas estão agindo inconsequentemente em busca de dinheiro, aplicando recursos (muitos até fazendo empréstimos) em negócios obscuros e ilícitos, mas que proporcionam alto lucro em pouquíssimo tempo.

Evidentemente que para que as “pirâmides” possam ser caracterizadas como crimes contra a economia popular, toda a questão girará em torno da existência ou não de dolo por parte daqueles que promovem essas atividades, isto é, se existe ou não vontade consciente de ludibriar, fraudar e/ou ganhar dinheiro fácil às custas da coletividade (algo que dificilmente se pode saber, de início). Como geralmente esses tipos de “correntes” ou “pirâmides” funcionam à margem da lei, tornam-se  instrumento fácil de sonegação de impostos e demais práticas irregulares, dentre as quais o próprio financiamento do tráfico de drogas, já que são atividades que por sua própria natureza informal não sofrem a fiscalização do poder público. Justamente a falta de fiscalização é que torna essas atividades extremamente perigosas.

A propósito, segue abaixo ementa de uma decisão do Tribunal de Justiça de SP, que analisando um caso concreto, concluiu pela ilegalidade da situação:

“Ementa: …conhecida por corrente ou pirâmide fraudulenta (obrigar o contratante a arregimentar novos subscritores para receber bonificações compensatórias do valor pago para ingresso na cadeia que favorece exclusivamente quem vende a ilusão do lucro fácil) – Prática condenada (art. 2º, IX, da Lei 1521/51) e [...] Ementa: Negócio realizado com a falsa aparência de marketing multinível e que encerra verdadeira ilicitude conhecida por corrente ou pirâmide fraudulenta (obrigar o contratante a arregimentar novos subscritores para receber bonificações compensatórias do valor pago para ingresso na cadeia que favorece exclusivamente quem vende a ilusão do lucro fácil) – Prática condenada (art. 2º, IX, da Lei 1521/51) e que não sobrevive com a cumplicidade da internet, por falta de boa-fé objetiva quanto ao dever post factum finitum – Provimento, em parte, rescindindo o contrato (art. 166, II, do CC), obrigando a devolução da quantia paga atualizada, excluído o dano moral (9088484-23.2009.8.26.0000. Apelação / Perdas e Danos. Data do julgamento: 07/10/2010; TJSP).”

Além do crime contra a economia popular, esse tipo de “esquema” pode também, dependendo do caso, configurar estelionato, tipificado no art. 171 do CP:

“Art. 171 – Obter, para si ou para outrem, vantagem ilícita, em prejuízo alheio, induzindo ou mantendo alguém em erro, mediante artifício, ardil, ou qualquer outro meio fraudulento: Pena – reclusão, de um a cinco anos, e multa, de quinhentos mil réis a dez contos de réis.”

E é bom lembrar que sonegação de impostos também é crime.

Um dos e-mails que recebi me convidando para uma dessas “correntes” chegou ao extremo de citar o Salmo 112:3: “Prosperidade e riquezas haverá na sua casa, e a sua justiça permanece para sempre.” Sim, prosperidade e riquezas (que nem sempre têm que ver apenas com dinheiro) haverá na casa do justo (se Deus assim o quiser). Mas e o que dizer dajustiça, também mencionada no verso? Será que esquemas obscuros de lucro fácil passam no crivo da justiça?

À luz da Bíblia e do Espírito de Profecia, não há dúvidas de que tudo que represente aparência do mal deve ser evitado pelo cristão. Devemos, por precaução, ficar longe desse tipo de “investimento”. Dinheiro nunca é ganho de maneira fácil, senão com o “suor do rosto”. Toda e qualquer atividade que desvie o foco do cristão dos “tesouros do Céu” e o faça focalizar apenas o ganho fácil, torna-se perigosa e deve ser vista com cautela.

Michelson Borges é jornalista e mantenedor do blog Criacionismo

sexta-feira, 21 de fevereiro de 2014

O dinheiro que Deus não aceita!

Vivemos a época do Capitalismo Gospel, com toda sua teologia da prosperidade , onde uma barganha é proposta aos fieis, uma forma simples de prosperar exemplificado pela máxima “ Dê e Deus te devolverá”.

Antes de qualquer coisa gostaria de expor a minha opinião sobre o assunto, ao meu ver a oferta é um fruto de um coração temente a Deus em todos os seus aspectos que se exterioriza em diversas formas e também na forma de uma oferta financeira.

Creio embora alguns não vejam assim na atualidade e validade do dizimo para os Cristãos, mas é necessário notar que no contexto do livro do Profeta Malaquias, o dizimo foi a ultima coisa a ser questionada por Deus, em todo o livro temos as respostas de Deus aos questionamentos frios e desprovidos de fé da sociedade israelita de então, questionamentos que vão desde o amor de Deus, ( cap.1) passando pela crise ética no sacerdócio e enfim atingindo todo o povo, e o dizimo faz parte deste contexto, sendo assim vejo nesse contexto que o não pagamento do dizimo tinha uma origem e a origem era a uma descrença total em Deus e no seu cuidado com Israel. Enfim não adianta dar o dizimo e não cumprir os outros requisitos revelados no Livro do Profeta Malaquias.

Digo isso porque vejo uma crise em nossos dias, muito é falado sobre o dizimo mas muito pouco sobre a vida cristã em si, a vida cristã é um todo, lembremos que gálatas fala do FRUTO DO ESPIRITO e não dos FRUTOS ( plural ) .

Agora vou me atrever ir um pouco mais longe, digo atrever pois sei que alguns posicionamentos  podem não parecer populares, mas nem sempre as medidas populares são bíblicas. Tenho visto os desafios que algumas igrejas fazem aqui e ali, dizendo que com isso desafiam a fé das pessoas, desafiam as situações enfim tem gente desafiando o próprio Deus, ( será que vão ganhar?)  Não encontrei na bíblia em parte alguma algo parecido. NA construção do Tabernáculo os hebreus foram contribuindo de acordo com o seu coração, e a oferta foi tamanha que Moises disse que bastava, não precisava mais! Esses desafios de hoje nunca acabam e dificilmente vemos alguém dizendo que basta!   Enfim a  sanguessuga tem duas filhas…

Devemos semear é verdade mas quem pode estipular a semente? Paulo fala para que cada um contribua segundo propôs no seu coração ate porque Deus ama quem dá com alegria!  II Cor 9.7

Para encerrar tem ofertas que Deus não aceita e que as dá é tolo!

  • Não aceitou a oferta de Caim porque havia maldade no seu coração! ( Gn 4.3)
  • Não aceita oferta de dinheiro sujo! Dt 23.18
  • Não Aceita oferta de quem está brigado com seu irmão! ( Xi…. ) Mateus 5.23 – Alias que não se reconcilia com seu irmão corre o risco de ao invés de ter sua oferta aceita e ser abençoado fica na qualidade de devedor e ter que pagar até o ultimo centavo!

Que a nossa oferta seja o fruto da eterna gratidão, expressão de uma vida que anda consoante a revelação da novidade de vida do Evangelho!

Dai, e ser-vos-á dado; boa medida, recalcada, sacudida e transbordando, vos deitarão no vosso regaço; porque com a mesma medida com que medirdes também vos medirão de novo. Lucas 6.38

 

Resumindo: Honremos ao Senhor com nossas ofertas e dizimos, mas tenhamos o nosso coração bem proximo dele!

Rodryguez & Carvalho

segunda-feira, 10 de fevereiro de 2014

Um forasteiro com uma Mensagem Real.

Amados, peço-vos, como a peregrinos e forasteiros, que vos abstenhais das concupiscências carnais que combatem contra a alma; I Pedro 2.11

 

De repente relembro de alguns hinos antigos, hinos que marcaram a minha vida, e junto com a doutrina que aprendi trabalharam em conjunto para formar quem sou hoje. Tem um hino que já era antigo quando era criança lá pelos idos dos anos 70, alias nesta data o hino “ Sou forasteiro aqui” de autoria conjunta do poeta Elijah Taylor Cassel e sua esposa a musicista Flora Hamilton Cassel, já esta contava com seus 63 anos desde que sua letra foi feita em 1907, e hoje já conta 107 anos! Os modismo costumam passar, mas as letras inspiradas com as verdades bíblicas ainda continuam a tocar alma de quem os escuta e a provocar em nós reações que no fazem pensar diretamente em nossa vida espiritual, o que dizer então do hino “ Castelo Forte” de Martinho Lutero, com seus mais de 500 anos ainda transmite aos seus ouvintes as mesmas verdades.

Voltando ao cântico “Sou forasteiro aqui”  o autor de baseou  em II Coríntios 5:19-20, onde Paulo fala sobre o ministério da reconciliação do ele e todo o Cristão foi feito por Deus um embaixador!

Sempre que canto ou escuto esse hino fico a pensar na nossa real missão e posição em relação a este mundo, estamos vivendo tempos em que muitos já de longe perderam a visão do céu, e foram se conformando com este mundo, tomando a sua forma e agindo de acordo com seus padrões ( Rm 12.2) A Igreja essa embaixadora de Cristo na Terra muitas vezes esquece a sua real missão sua Mensagem Real, e vai cedendo aqui e ali, procurando se estabelecer cada vez mais com uma instituição deste mundo, ligada as questões destes mundo interagindo com este mundo, preocupada com demais com as causas terrenas e esquecendo-se da sua verdadeira missão, não que não devemos procurar o bem deste mundo em que vivemos, mas não podemos nos esquecer da nossa missão.

Os patriarcas, ( Abraão, Isaque e Jacó) embora profetas de Deus para seu tempo, confessaram que eram peregrinos e forasteiros ( Heb. 11.13)  . Ora um forasteiro entre nós sempre será passível de ser identificado com alguém de costumes estranhos, de outra forma de pensar, de outra forma de agi, alguém muitas vezes não compreendido corretamente.

Uma questão de nosso tempo é que vivemos a época do politicamente correto ao extremo onde ser diferente, e pensar diferente não é visto com bons olhos, parece que o tempo todo temos estar nos policiando e também de certa forma somos policiados, e nessa falsa concepção da verdade, na verdade é o pecado que tem nivelado a a raça humana, onde todos estão sendo convidados a serem “iguais” em seus erros e suas imaginações e onde o diferente tem sido advertido a continuar de boca fechada, pensando apenas consigo mesmo, pois estamos caminhando para um ditadura intelectual onde pensar pode, mas falar não!  Assim muitos forasteiros ( Cristãos) tem sido tentados a trocar a sua cidadania celeste pela terrena e abrir mão da sua investidura como Embaixador pelo mera posição de um cidadão comum neste mundo!

O Cristão não pode ser alguém que despreza o mundo mas deve saber que o mundo não é sua morada permanente é antes de tudo uma fase, uma etapa nesse caminho.

Enquanto existir esse mundo e enquanto nos estivermos nele devemos manter nossa posição, rejeitando a cidadania deste mundo, denunciando o pecado, anunciando a reconciliação. Vivendo a nobreza de nosso chamado com embaixadores e sempre tendo em mente que a nossa verdadeira cidade está nos céus! Fl. 3.20

Somos forasteiros, estranhos a este mundo, com costumes e praticas muitas vezes mal entendidas, assim o seremos até a manifestação do que ainda haveremos de ser. Embora forasteiros smos embaixadores com uma Mensagem Real, a todos os que tem ouvido para ouvir!

Rodryguez e Carvalho

quinta-feira, 23 de janeiro de 2014

Seitas e Heresias um sinal dos Tempos!

Desde que me entendo por gente estou na Igreja Evangélica e em especial nas Assembleias de Deus, já até fiz umas incursões em outras Igrejas mas não me adaptei as liturgias e sistemas estabelecidos, Bom esse não é caso. O que quero dizer é que sempre nesses estive em estudos ( como palestrante e como aluno) relativos a religiões, seitas e heresias. Percebi que durante um certo tempo ao invés de discorremos sobre a doutrina em si e sua contraposição em relação as Escrituras, acabamos focamos toda a nossa atenção na pessoa que por fazer parte de outra religião ou doutrina acaba sendo injustamente identificado como uma pessoa má. Assim vamos criando uma Xenofobia, nociva e até Anti Cristã.

Desta forma nossa evangelização fica sufocada, e nossa proposta de amor ao próximo prejudicada. Assim a primeira analise que faço deste muitos estudos que tive é que de um lado me deixou informado sobre as praticas e posições contrárias as ensinadas nas Escrituras Sagradas e isso foi positivo, mas do outro lado acabou por criar ao invés de um intenso amor as almas sem Cristo, uma aversão e um total sentimento de isolacionismo é isso prejudica o serviço de evangelização e o testemunho Cristão.

Por outro lado percebi que quando olhamos demais para fora nos esquecemos de olhar para dentro e de analisar as nossas próprias praticas as luz das escrituras sagradas. Existe um algo de errado em nossos louvores, pois em lugar do TU és, existe o Eu sou. Existe algo de errado em nossas orações pois ao invés do Faça a Tua Vontade, existe um Faça a MINHA vontade. Existe ainda um caminho perigoso em nossas pregações, algumas ao invés de conter uma doutrina, uma exortação e um apelo a santidade, estão repletas de conceitos de auto ajuda, assim não sabemos mais se estamos diante de um PREGAGOR, ou se estamos diante de um Lair Ribeiro, ou Roberto Shinyashiki.

Estes dias conversando com uma pessoa, precisei corrigir o seu pensamento e lhe dizer que a fé não é pensamento positivo, muito o embora o pensamento positivo seja necessário em várias ocasiões, a Fé é confiança em Deus e não uma atitude mental positiva, uma auto confiança em si mesmo.

Ainda sobre o assunto religiões seitas e heresias, tenho visto da parte de alguns o constante e desgastante debate, quando na verdade deveriam evitar questões loucas e seguir a orientação de Paulo a Tito quando diz: Ao homem Herege, admoesta-o uma ou duas vezes e depois disto desvia-te dele. TITO 3.10 – Enfim Deus não precisa de pessoas que o defendam com unhas e dentes, antes ele procura pregadores do Evangelho.

Existe algo de errado em nós e muito errado quando usamos as Escrituras para mostrar uma falsa erudição e sabedoria, ou melhor quando usamos a gloria de Deus para buscarmos a própria Glória.

Este trimestre de novo em nossa Igreja estudaremos esse importante assunto de seitas e heresias, mas que efeito isso causará? Nos auxiliará a explicar com amor aqueles que nos pedirem razão da nossa fé. Ou criará em nos um sentimento perverso de superioridade? Conseguiremos nesse estudo trazer as pessoas a Cristo ou a afastaremos ainda mais dado a nossa arrogância?

Gostaria de terminar, dizendo que nossa maior atenção não deve ser com a religião alheia, aos de outra fé e crenças nos dirigiremos com amor e a paciência tão essencial a vida Cristã. Nossa maior atenção deve ser com os perigos e heresias dentro da própria Igreja como esta Escrito:

Sabe, porém, isto: que nos últimos dias sobrevirão tempos trabalhosos.
Porque haverá homens amantes de si mesmos, avarentos, presunçosos, soberbos, blasfemos, desobedientes a pais e mães, ingratos, profanos,
Sem afeto natural, irreconciliáveis, caluniadores, incontinentes, cruéis, sem amor para com os bons,
Traidores, obstinados, orgulhosos, mais amigos dos deleites do que amigos de Deus,
Tendo aparência de piedade, mas negando a eficácia dela. Destes afasta-te.
2 Timóteo 3:1-5

 

Notemos que este risco previsto é dentro da Igreja, misturado com ela.

Que cada um de nos tenha cuidado de si mesmo e da doutrina!

 

Rodriguez & Carvalho

segunda-feira, 20 de janeiro de 2014

A casa do Oleiro

Sempre podemos tirar lições praticas da coisas materiais e aplica-las a vida espiritual.

Passei alguns dias no estado da Bahia, lá em uma localidade conhecida como Itanagé, fiz uma visita a uma indústria cerâmica que fabrica  tijolos e lajotas. O processo é interessante e vale a pena descreve-lo:

Primeiro a escolha do barro, que deve ter as características próprias, mais ai tem um segredo existem barros melhores que outros e quando o barro é muito bom, ele é usado para ser misturado com outro que não seja assim tão bom e os dois juntos chegam a perfeição do tijolo ou da lajota pretendidos, penso ser assim também na Igreja, onde cristãos muitos mais maduros são posto a lado de outros não tão maduros assim e nessa troca de características que chegamos a uma espécie de perfeição, pois depois de pronto só vemos mesmo é a perfeição! Assim na Igreja não há lugar para grupos particulares, antes Deus faz o milagre e a tudo mistura unindo as características e fazendo chegar a um ótimo resultado final, meditando nesse processo com o barro entendi que devemos auxiliar os mais imaturos, assim como somos auxiliados pelos mais sábios!

Em segundo é necessários tirar algumas pedras ou substancias que não pertencem ao barro e que prejudicam o resultado final. Nem preciso dizer que fiquei pensando como Deus nos peneira e retira os excessos da nossa vida, e ai reside um mistério, pois quando pensamos que estamos perdendo na verdade estamos ganhando!

Em Terceiro lugar, é feita a  mistura molhando a “massa”, que e a esta altura deixou de ser o barro duro e seco e passou a ser uma massa capaz de ser modelada, da forma pretendida. Pensei comigo…será que eu aguento ser misturado, molhado e modelado? Como sair de uma forma e se transformar em outra? Deus tem seus caminhos, ele é quem modela, então o meu dever é apenas confiar e saber que o processo é doloroso mas o resultado final é honroso!

Em Quarto lugar nessa minha simples observação, vi os tijolos ( aqui em São Paulo chamamos de tijolo baiano o pequeno e o grande de Baianão) já modelados, com toda uma beleza simétrica, digna de ser observada, mas enfim faltava ir para os fornos. Afim de que secassem e endurecessem, mais tem um segredo interessante que é a temperatura exata do forno, que não pode exceder, o segredo ai não esta no fogo em si, mas na exata temperatura se não me engano algo em torno dos 900 graus centigrados. Se a temperatura for maior que essa a obra se avaria, trinca, racha e fica inapropriada para o uso. Me veio a mente a passagem bíblica de ICor 10.13 que nos diz que não sofremos prova maior do que podemos suportar. Isso mostra a habilidade daquele que nos prova pois a intenção do oleiro não é quebrar a sua obra a expondo ao fogo antes é apenas fazer com ela se solidifique, alías você ja parou para pensar quanto peso esses tijolos aguentam depois de prontos? assim também é o Cristão nessa terra, se ´[e forte hoje é porque passou pelo fogo ontem!

Por fim vi vários tijolos, que ao saírem do forno eram reprovados e jogados fora, alias indaguei o gerente da cerâmica que por sinal é meu cunhado Aercio Carvalho se haveria uma possibilidade aproveitar os tijolos avariados, ele me disse que antes do fogo era só jogar para remodelagem, mas depois do processo do fogo se saírem errados não há mais concerto, prestam apenas para entulho.

Nesse momento fiquei feliz, e lá no meu intimo dei um glória a Deus, afinal estamos nas mãos de um sábio oleiro que não deixará de forma alguma que ao final do processo sua obra saia avariada!

Vou ficando na mão desse Oleiro Jesus Cristo, que ao final de todo o processo me apresentará ao como Igreja de forma santa e irrepreensível, sem mancha , ruga ou macula! Efésios 5.27

Rodryguez & Carvalho

quarta-feira, 1 de janeiro de 2014

FELIZ 2014

2014 amigos chegou  e agora o que fazer?

As decisões de ano novo e suas promessas ja foram feita, mas você se esforçara para as cumprir? Ou é daqueles que já no primeiro dia quebraram as suas promessas ou a protelaram para o dia seguinte?

Do muitos planos e projetos que você fez, pensou ou projetou algum empreendimento espiritual?

Uma certa feita estive palestrando em uma determinada igreja, e em um simples exercício pedi para os que as pessoas uma a uma compartilhassem seus sonhos e projetos. Saiu de tudo de pequenos a grandes projetos, Mas não saiu nada, relativo ao tema que foi anunciado após este exercício: "Buscai primeiro o Reino de Deus"

Nem mesmo o corpo de oficiais da Igreja indo do diaconato ao Pastorado, tinham algum projeto para o Reino de Deus. É muito falado hoje em sonhos, projetos, metas, mas tudo gira em torno de coisas materiais!

Nesses seus planos para este ano de 2014, sobrou algum espaço para os projetos do Reino de Deus? 

Não quero escrever muito sobre isso, o assunto em si creio já auto reflexivo, mas quero apenas deixar essa porção da palavra de Deus que se encontra no Profeta Ageu 1:2-6 deixe essa palavra nortear seus sonhos e projetos e tenha como Cristão um FELIZ 2014.

Este povo diz: Não veio ainda o tempo, o tempo em que a casa do Senhor deve ser edificada. Veio, pois, a palavra do Senhor, pelo ministério do profeta Ageu, dizendo: É para vós tempo de habitardes nas vossas casas estucadas, e esta casa há de ficar deserta? Ora pois, assim diz o Senhor dos Exércitos: Aplicai os vossos corações aos vossos caminhos. Semeais muito, e recolheis pouco; comeis, mas não vos fartais; bebeis, mas não vos saciais; vestis-vos, mas ninguém se aquece; e o que recebe salário, recebe salário num saco furado"
(Ageu 1:2-6).




Rodryguez & Carvalho

terça-feira, 31 de dezembro de 2013

PREGADORES, CUIDADO COM A ABREVIAÇÃO VOCABULAR!

Abreviação Vocabular

Há um fenômeno que ocorre em todos os idiomas, denominado por alguns gramáticos como abreviação vocabular. É uma tendência que as pessoas, na dinâmica da linguagem e buscando uma elocução sempre mais rápida, tem de abreviar vocábulos e expressões sem prejudicar a sua compreensão. Depois que o uso se torna comum na forma coloquial, os escritores e gramáticos passam a adotá-las em seus trabalhos como formas aceitas de se comunicar a ideia. Desta forma temos casos como a substituição de José por Zé, cinematografia por cinema e este por cine. Antigamente o pronome reto usado para a terceira pessoa do singular era vossa mercê, que passou para vosmecê, que depois passou para você que hoje é usado como ocê e que já, numa economia radical de elocução, tem sido pronunciado o nosso conhecido cê. “Cê vai à igreja hoje?” Até aí tudo bem. É uma tendência em todos os idiomas e procura-se observar se não há prejuízo na compreensão antes que o termo seja definitivamente aceito. No entanto, como toda tendência do ser humano, a tendência da tendência é alastrar-se para outros ramos da atividade humana e, nesse caso, chegamos ao campo bíblico teológico. Seguindo esse curso, é comum reduzirmos os textos bíblico que normalmente repetimos a pedaços que acabam confundindo o sentido verdadeiramente bíblico que o mesmo possuía. Um dos textos que mais sofrem com essa economia idiomática é o de Romanos 8:28 que diz que todas as cousas cooperam para o bem daqueles que amam a Deus, daqueles que são chamados segundo o seu propósito”. Numa primeira redução desse texto, é comum ouvi-lo pronunciado apenas “todas as cousas cooperam para o bem daqueles que amam a Deus”. Neste ponto já nos esquecemos de que existe um chamado e um propósito divino sobre aqueles para os quais todas as cousas cooperam. Mas não paramos aí. Em nossa ânsia pela elocução rápida, logo estamos pronunciando apenas “todas as cousas cooperam para o bem”. Nesse ponto já não se faz necessário nem amar a Deus. Tudo vai ficar bem. Mas não paramos por aí. O próximo passo é “todas as cousas cooperam” ou “tudo coopera”, para ficar ainda mais simplificado. Ora, a essa altura Deus já saiu de cena, pois não chama ninguém, não estabelece propósito e nem é amado. A religião continua, mas Deus já era. Não é incomum encontrarmos pessoas envolvidas em situações complicadas, muitas das vezes em pecado e franca rebelião contra Deus, afirmarem numa atitude de “tomara que dê certo”: “Tudo coopera, irmão.” Cada coisa em seu lugar. A teologia bíblica não permite a abreviação vocabular sem o ônus da perda de seu sentido completo e contextualizado. Uma exegese sadia não se faz com pedaços de textos, mas cada texto deve ser considerado no seu todo, para que se tenha o seu sentido completo. Assim nos achegamos mais à verdade de Deus, afastando-nos da sedução dos conceitos e doutrinas humanas e até diabólicos.


FONTE:REVISTA ATOS.


 Pois é amigos chegamos a ultima postagem de 2013 amanhã e ano novo! Obrigado a todos que tem acompanhado o Didaque. Um prospero ano novo e vivamos sempre na expectativa da volta de Cristo. 


Rodryguez & Carvalho

terça-feira, 24 de dezembro de 2013

Apostolo Paulo e o Natal.

 

Chegou o Natal! Um filme baseado em Charles Dickens aqui, um arvore ali, um Papai Noel Acolá. Luzes que  brilham, estrelas presentes, famílias que se reúnem, confraternizações… `

E Jesus? Ficou em algum filme acerca do seu nascimento, em alguma cantata e .. vejamos… acho que só isso mesmo! O natal é um caso raro em que o aniversariante deixa de ser a pessoa principal, pelos menos tem sido assim desde o aparecimento de um tal de “ bom velhinho”

O natal também é o resultado de 2000 anos de historia em que arquetipias religiosas diferentes e antagônicas acabaram se sincretizando e resultando em um conjunto de tradições que hoje nos parecem comuns.

Como cristãos sabemos que arvores, São Nicolau, e o próprio dia 25 de Dezembro, não dizem respeito a Cristo, e nessa época sempre se levantam apologistas de plantão  que condenam veemente a comemoração e de modo parecido se levantam outros que a apoiam.

Eu prefiro não ficar de lado nenhum. Me desculpem os apologistas de plantão mas o verdadeiro Deus não precisa de quem o defenda com unhas e dentes, agressividades e falta de respeito, alias isso é preciso com relação a falsos deuses,porque de outra forma suas doutrinas não se sustentam, quanto verdadeiro Deus, nada o fará deixar de ser quem ele É. Então muita calma nessa hora. Me desculpem também os que acham que vou aderir aos ritos simbologias já há muito estabelecidos, não vou estou consciente da minha fé e nela não existe lugar para arvores de Natal e Papai Noel.

Mas fico imaginando Paulo na sua sabedoria dada por Deus, andando pelo areópago, imagino o mesmo Paulo andando em nossas dias, entre Arvores de Natal, Papai Noel, Enfeites, guirlandas… Tenho certeza de que apos uma seria reflexão ele diria em tom respeitoso: “ em tudo vos vejo um tanto religiosos” e a partir dai sem se importar com a data ou com as simbologias presentes, Ele iria anunciar aquele é honrado mas de fato não se conhece.

A verdade do Logos, mesmo que tenham sido obscurecida pelas tradições, tem a força espiritual de se manifestar quando focamos nossos esforços nessa verdade. E uma vez manifesta é essa luz que alumia todo o mundo que vai debelando as trevas das tradições existentes.

Jesus nasceu, é não importa se foi dia 25 de Dezembro ou Não. Ele é o Verdadeiro Sol da Justiça.

Passando o ano todo anunciando a seus nascimento, vida, morte e ressureição e vamos deixar de faze-lo porque a data não nos é correta?

Anunciemos pois o Rei de toda a terra que nasceu em Belém, aproveitemos a ocasião. Se o nosso anuncio for verdadeiro e desprovido de falsa e tendenciosa apologia que só serve para envaidecer a si mesmo, a Luz deste Sol da Justiça, acabará por triunfar onde existe as trevas da falta de conhecimento correto acerca de sua Pessoa.

Feliz Nata e um Prospero Ano Novo.

terça-feira, 17 de dezembro de 2013

Saudosa Lembrança

 

Aos meus amigos que sempre estão comigo nas minhas “blogagens”, quero aqui abrir meu coração e externar minha tristeza. Mais uma vez sou alvejado por um inimigo cruel, que não escolhe, classe, sexo, religião, etnia, grandes ou pequenos, ricos ou pobres. Perdi minha sobrinha querida e uma dor sem explicação tomou conta da minha alma.

Esse meu inimigo quem vem para roubar minha alegria, destruir meus planos e tirar minha apreciação pelas coisas criadas, esse meu inimigo me pegou outra vez desprevenido.

Desprevenido sim , porque para a hora incerta não há quem diga que prevenido esteja, mas não desprotegido, mantenho minha fé Naquele Infante que nasceu na cidade de Belém que embora sendo Deus se igualou a humanidade com seu nascimento, mantenho a minha fé Nele, que em seus dias, e foram poucos os seus dias, anunciou o evangelho, aos pobres, contristados e enlutados iguais a mim, confio Nele que morreu no mais infames dos suplícios, porém ao terceiro dia ressuscitou, subiu aos céus e fez uma promessa, dizendo que todos os que nele cressem seriam participantes com  ele na sua ressureição.

Cristo viveu a nossa vida, morreu a nossa morte e nos  fez participantes da sua ressureição.

Meu inimigo chamado Morte, já esta vencido, pois Cristo o fez por mim. Em algum momento na Eternidade sei que como salvo em Cristo, verei novamente meus entes queridos salvos em Cristo, Sei também que na consumação da presente era nos veremos na ressureição.

Fico aqui com a dor e a saudade, mas fico também com a certeza, e atento pois sei que a trombeta de Deus soará e os que morreram em cristo ressuscitarão.

Esse momento meu de dor é também meu momento de reafirmar a minha fé.

Não pude chegar em tempo ao velório, estou a mais de 1400 km mas irei rever meus parentes e amigos, consola-los e comunicar a eles algo do Senhor. No meu costume nessas horas tristes cantamos, sim cantamos porque nem mesmo essa tristeza imensa tira de nós a visão do céu. Já chorei e choro enquanto escrevo, chorarei outras vezes até que Deus venha mitigar a minha dor, mas também canto porque tenho a esperança acerca daqueles que dormem no Senhor.

Fico eu com a saudosa lembrança da minha sobrinha Ellen Menezes e a certeza que a verei de novo, sim a verei porque muito embora ela não esteja mas presente no corpo, continua fazendo parte de um corpo do qual eu também o faço, O Corpo de Cristo, a Igreja triunfante de Jesus.

E nesse momento de dor eu canto o hino 139 do nossa hinario a Harpa Cristã.

 

Já o Filho de Deus é descido do céu;
A obra perfeita na cruz consumou;
E ali Sua carne, rasgada qual véu,
Vivo caminho para o céu nos consagrou.

Jesus é meu eterno Redentor!
Por Seu sangue já remido estou;
Deu-me paz, poder consolador;
Vivo contente, pois Ele me amou.

Por Adão, o pecado no mundo entrou;
Ninguém dessa lei se podia libertar;
Mas o Filho do homem por nós triunfou,
Nele podemos do mal ressuscitar.

Do inferno, que paga aos maus, há de dar,
Do medo da morte, esse dardo cruel,
Do abismo eterno te pode salvar,
Só Jesus Cristo, o bom Emanuel.

Bem alegres buscamos a pátria de amor,
A qual Deus no céu para nós preparou,
Onde sempre veremos o nosso Senhor,
Cristo Jesus, que do mal nos libertou.

 

Rodryguez & Carvalho

quinta-feira, 5 de dezembro de 2013

Perdoai as ofensas

 

 

“A PIOR PRISÃO QUE UM CRISTÃO PODE TER É ESTAR SUJEITO AO INFERNO DE FOGO E ACHAR QUE ESTARÁ SUJEITO AO PARAÍSO E TUDO ISSO PELA FALTA DE PERDÃO E JUSTIÇA PRÓPRIA.

O cristianismo tem sido, conhecido pelo menos tecnicamente como a “religião” , que prega o amor e o perdão de Deus, porém não foram raras as vezes aolongo da história Cristã, que o sentimento de juízo imediato, vingança e punição se fez presente nas fileiras ditas Cristãs.

O Cisma entre o oriente e ocidente ocorrido por volta do século IX, O tribunal da “santa inquisição”  na idade média, as cruzadas contra os sarracenos, morte de protestantes pelo próprios protestantes com o aval de Calvino e Zwinglio, por causa de questões doutrinárias referentes ao batismo!

Em pequena escala, porém.  nem tão menos perigosa, existe a falta de perdão nos relacionamentos diários, familiares, e eclesiásticos na vida comum da igreja.

Há pouco tempo atrás ouvi um Cristão dizer; “Que Deus o perdoe, porque eu jamais o farei” – Não sou Deus para perdoar!

Triste inversão de pensamento e realidade, José do Egito diante de seus irmãos quando estes, se prostraram pedindo seu perdão, apenas lhes disse; “ estou eu no lugar de Deus? – e lhes falou amorosamente ao coração.

Jesus ensinando os seus discípulos a orar, ensinou-os uma grande doutrina acerca da resposta na oração, sim , digo resposta na oração porque, todo o que ora e busca a Deus, procura ser ouvido, ter seus pedidos atendidos. Jesus então ensina o que fazer para ter seu pedido atendido dizendo:

“e perdoa-nos as nossas dívidas, assim como nós também temos perdoado aos nossos devedores;e não nos deixes entrar em tentação; mas livra-nos do mal. Porque teu é o reino e o poder, e a glória, para sempre, Amém . Porque, se perdoardes aos homens as suas ofensas, também vosso Pai celestial vos perdoará a vós; se, porém, não perdoardes aos homens, tampouco vosso Pai perdoará vossas ofensas”. Mateus 6: 12-15

Simples e não precisamos “teologizar” para entender essas palavras. Ao perdoado, Deus espera que ele perdoe, quem não perdoa, não terá perdão!

Em outra passagem Jesus também ensina o perdão dizendo:

“Por isso o reino dos céus é semelhante a um rei, que resolveu ajustar contas com os seus servos.E passando a fazê-lo, trouxeram-lhe um que devia dez mil talentos.Não tendo ele, porém, com que pagar, ordenou o seu senhor que fosse vendido ele, a mulher, os filhos e tudo quanto possuía, e que a dívida fosse paga.Então o servo, prostrando-se reverente, rogou: Sê paciente comigo e tudo te pagarei.E o senhor daquele servo, compadecendo-se, mandou-o embora, e perdoou-lhe a dívida.Saindo, porém, aquele servo, encontrou um dos seus conservos que lhe devia cem denários; e, agarrando-o, o sufocava, dizendo: paga-me o que me deves.Então o seu conservo, caindo-lhe aos pés, lhe implorava: Sê paciente comigo e te pagarei.Ele, entretanto, não quis; antes, indo-se, o lançou na prisão, até que saldasse a dívida.Vendo os seus companheiros o que havia se passado, entristeceram-se muito, e foram relatar ao seu senhor tudo o que acontecera.Então seu senhor, chamando-o, lhe disse: Servo malvado, perdoei-te aquela dívida toda porque me suplicaste; não devias tu, igualmente, compadecer-te do teu conservo, como também eu me compadeci de ti?E, indignando-se, o seu senhor o entregou aos verdugos, até que pagasse toda a dívida.Assim também o meu Pai celeste vos fará, se do íntimo não perdoardes cada um a seu irmão”. - Mateus 18:23-35

Sem demora podemos dizer que a falta de perdão tem sido o meio pelo qual Satanás tem alcançado vantagem no seio da Igreja, da Família e da Sociedade, a falta de perdão tem sido o elemento desagregador, ferramenta de destruição tem causado divisões. Paulo na sua sabedoria e autoridade apostólica disse:

A quem perdoais alguma cousa, também eu perdôo; porque de fato o que tenho perdoado, se alguma cousa tenho perdoado, por causa de vós o fiz na presença de Cristo, para que Satanás não alcance vantagem sobre nós, pois não lhe ignoramos os desígnios”. - II Coríntios 2:10,11”

O perdão não deve conhecer limites, dai a famosa afirmação de Cristo ao dizer   setenta vezes sete!

Perdão é um ato de fé, fé é uma questão de decisão onde se decide fazer e acreditar que Deus é verdadeiro em suas Palavras!

Acautelai-vos. Se teu irmão pecar contra ti, repreende-o; se ele se arrepender, perdoa-lhe.Se por sete vezes no dia pecar contra ti, e sete vezes vier ter contigo, dizendo: Estou arrependido, perdoa-lhe. Então disseram os apóstolos ao Senhor: Aumenta-nos a fé”. - Lucas 17:3-5

Mas, talvez você se pergunte: onde fica o juízo, a justiça e o direito? Os homens do antigo testamento, não pediam a justiça sobre os seus inimigos, e o que dizer de Davi nos Salmos imprecatórios?, onde é pedido a Deus a vingança sobre seus inimigos?

Minha resposta, é que vivemos, um  novo tipo de relacionamento em Cristo, uma nova dispensação, e a atual dispensação é chamada dispensação da Graça, do favor imerecido, dispensação iniciada  com A morte de Cristão em favor dos nossos pecados para que pudéssemos ter o perdão de Deus, todo o mistério e ministério dessa dispensação baseia-se nisso: “Deus em Cristo reconciliando consigo o mundo”  Mistério este que esteve oculto pelos século mas agora nos foi revelado, ministério o qual nós somos convidados a sermos seus ministros.

Um fato se faz interessante para que possamos compreender a atual dispensação, com já falei.:

Jesus ao chegar em uma sinagoga leu um trecho do profeta Isaias e se identificou de imediato como o agente nela descrito, o trecho completo seria este.: 

O espírito do Senhor DEUS está sobre mim; porque o SENHOR me ungiu, para pregar boas novas aos mansos; enviou-me a restaurar os contritos de coração, a proclamar liberdade aos cativos, e a abertura de prisão aos presos;A apregoar o ano aceitável do SENHOR e o dia da vingança do nosso Deus; a consolar todos os tristes;
Isaías 61:1-2

Mas se você ler o texto com atenção perceberá que Jesus omitiu, uma pequena parte da sentença:

O Espírito do Senhor é sobre mim, Pois que me ungiu para evangelizar os pobres. Enviou-me a curar os quebrantados do coração, pregar liberdade aos cativos, E restauração da vista aos cegos, A pôr em liberdade os oprimidos, A anunciar o ano aceitável do Senhor.E, cerrando o livro, e tornando-o a dar ao ministro, assentou-se; e os olhos de todos na sinagoga estavam fitos nele. Lucas 4:18-20

Jesus em sua leitura simplesmente, encerrou na parte do texto que diz: “O ano aceitável do Senhor”  - deixou de ler propositalmente a frase “O dia da Vingança” , Sabe porque? Porque este não era o proposito do seu ministério! E claro não é também o nosso! O dia da vingança, justiça e juízo virá, mas não nesta dispensação.

Finalmente usando as palavras que ouvimos domingo na Igreja, quem libera o perdão tem em si uma fonte de bênçãos, em duas vias, tanto para  para quem libera o perdão, como para quem é perdoado ! E  uma fonte não pode ser detida, sem a entulham em um lugar ela aparecerá em outro, jorrando sempre.

Temos uma facilidade de esquecer daquilo que Deus vez por nós, uma vez que estavamos mortos em nossos delitos e pecados e éramos por natureza filhos da ira . Mas lembremos que ELE nos deu VIDA.

Perdoe.

Lançai a Rede

 

Lançai a rede…

Jesus chega junto ao lago de Genesaré, e uma multidão de pessoas vem ao seu encontro para ouvi-lo, para ouvir a palavra de Deus, mas tamanha era a euforia do povo, que Jesus pede a uns pescadores que estavam lavando as suas redes para Ele entrar no barco deles e palestrar (ensinar as pessoas o caminho de Deus). Estes pescadores estavam muito cansados, pois haviam trabalhado a noite inteira mas não conseguiram pescar nenhum peixe se quer. Porém tiverampaciência e deixaram Jesus entrar em seu barco.

Após Jesus ministrar ao povo, ele disse a Simão Pedro para jogar as redes em um lugar fundo, e Pedro lhe disse o que havia acontecido, mas “sobre a tua palavra lançarei as redes”. Pedro pegou tantos peixes que teve que pedir para seus sócios Tiago e João lhe ajudarem com o outro barco, pois no barco onde Pedro estava com Jesus não havia mais lugar para colocar os peixes. Diante disto, deste milagre, desta vitória, Pedroreconhece que Jesus é o Filho de Deus, sehumilha diante de Jesus. O Mestre lhe fala que ele, Pedro se tornará pescador de homens, e eledeixa tudo e segue Jesus imediatamente. Agora:

Que lições podemos aprender com este texto bíblico?

1 – Ouvir a Palavra de Deus
*Devemos ler a Bíblia, a palavra de Deus, escutá-la, memorizá-la…pois através dela iremos vencer o diabo, as adversidades da vida, o pecado.

2 – Trabalho
*Deus chama quem está ocupado;
*Os pescadores estavam ocupados lavando as suas redes;
*Deus não chama desocupados, que não querem saber de trabalhar;
*Temos que nos mecher, fazer algo, pois “a seara é grande e poucos são os trabalhadores dispostos a trabalhar na seara…”

3 – Deixar Jesus entrar no barco de nossas vidas
*Pedro deixou Jesus entrar em seu barco, e seu problema foi resolvido;
*Devemos deixar Jesus entrar em nossas vidas e nos orientar, nos mostrar o caminho que devemos seguir;
*Muitas vezes deixamos lixo entrar em nossas vidas, através da televisão,através da internet;
*”…enchei-vos do Espírito e não satisfareis os desejos da carne…”
*Filipenses 4:8 “Finalmente irmãos, tudo o que é verdadeiro, respeitável, justo, puro…seja isso que ocupe o vosso pensamento…”

4 – Paciência
*Os pescadores tiveram paciência, e Pedro em especial deixou Jesus entrar em seu barco depois de ter passado uma noite inteira sem pegar um peixe se quer; Pedro tinha motivos suficientes para ir para casa, pois estava cansado, mas esperou Jesus ensinar a multidão e então pode ver o que ele não conseguiu ver a noite inteira;
*Muitas vezes somos impacientes, queremos que as coisas aconteçam imediatamente, mas “tudo tem seu tempo determinado…”conforme Eclesiastes 3.

5 –
*”….sob a tua palavra lançarei as redes…”
*Pedro ficou contrariado com o que Jesus lhe disse, mas se fundamentou na palavra e agiu por fé, creu que algo poderia acontecer;
*”Sem fé é impossível agradar a Deus”.

6 – Vitória
*O milagre aconteceu, a vitória chegou, os peixes vieram;
*O problema foi solucionado.

7 – Reconhecer
*Relembrar de onde saímos;
*Pedro reconheceu o poder de Deus em Jesus;
*Se humilhou diante do Mestre;
*Quando recebemos uma cura, um milagre, uma vitória, muitas vezes nos esquecemos de agradecer ao Senhor, nos esquecemos facilmente de onde Deus nos tirou;
*”…tirou-me de um tremendal de lama…”

8 – Evangelizar
*Pescadores de homens;
*Dar bom testemunho no trabalho, na escola, em casa;
*Testemunhar os feitos do Senhor em nossas vidas;
*Pregar em tempo e em fora de tempo.

9 - Deixar tudo
*Devemos deixar tudo para seguir a Jesus;
*Nosso comodismo;
*Nossa zona de conforto;
*Nossa preguiça.
*Renunciar nosso sono, tempo, dinheiro.

A pesca maravilhosa ocorreu com Pedro, Tiago e João, mas pode acontecer conosco nos dias de hoje, basta querermos e pagarmos o preço de uma vida de busca ao Senhor, uma vida de renúncia aos pecados da carne, uma vida de entrega e confiança em Jesus.

domingo, 1 de dezembro de 2013

Restituição

 

Algumas palavras adquiriram uma importância maior do que outras no vocabulário evangélico, entre essas palavras uma que esta muito na moda é a palavra RESTITUIÇÃO. Campanhas, cultos específicos, pregações direcionadas e até louvores, realmente esse tema atrai muito a atenção geral do público evangélico.

Sempre que escuto falar em restituição invariavelmente percebo que este tema se encontra intimamente ligado com a teologia da prosperidade associado também a busca incansável por realizações pessoais e materiais.

Já faz um, certo tempo em que o sentido da fé cristã teve sua direção mudada. Fala-se muito em conquista e se imagina a fé cristã como uma caminhada de alvos a serem conquistados. Muito embora não posso negar que existe um carreira proposta e um único alvo a ser desejado, este porém é Jesus o autor e consumador da nossa fé.

Engraçado como as coisas são distorcidas com o tempo e como o próprio sentido da fé é deturpado de forma quase invisível.  Em Mateus cap. 6 verso 25, Jesus no seu famoso sermão da montanha orientou seus discípulos a não andarem ansiosos quanto a própria vida no tocando a b]nossa subsistência, no verso 32 do mesmo capitulo diz ainda que são os gentios que procuram tais coisas, E em uma revelação poderosa acerca da pessoa do Deus Paim, nos diz que Deus já sabe o que precisamos, dando a entender que ele sabe cuidar das nossas vidas em sua sabedoria infinita, e no verso 33 nos exorta a buscar em primeiro lugar o Reino dos Céus, sabendo que se agimos assim as outras coisas serão acrescentadas em nossas vidas.

È triste a constatação porém é verdadeira, muitos cristãos evangélicos estão vivendo suas vidas como gentios, pagãos, procurando primeiro as coisas terrenas. O evangelho pragmático de resultado resumido pela formula um pouco sofista, que diz: se funciona é bom! Um evangelho que não abre espaço para as verdades bíblicas acerca da soberania de Deus, seu cuidado com nossas vidas e seu modo peculiar de agir.

Eu creio no poder de Deus, no poder transformador, na regeneração do homem como um todo, creio na restituição, porém o principio será sempre o de Mateus 6.33 – O problema do ser humano não são os outros, nem as circunstancias, ouso dizer que nosso problema principal também não está nas regiões espirituais da maldade. O nosso maior problema é o pecado, pois a  bíblia diz que cada um deve se queixar do seus próprios pecados! Sendo assim a solução sempre estará em se levar um vida tendo como alvo o reino de Deus, a santificação e separação do mundo e suas coisas pecaminosas, este sim é o primeiro passo a ser dado em busca da restituição.

Lendo o Livro de Joel, que eu particularmente considero o livro bíblico da restituição, pois nele encontramos uma nação falida, atacada por ondas de pragas que estavam acabando com a plantação, a terra estéril, e ainda por cima o profeta diz que a nação deveria se preparar pois a invasão dos gafanhotos´era apenas um sinal da invasão de povos inimigos ou seja a situação iria ficar ainda pior. È meio a tudo isso que Deus faz uma promessa de RESTITUIÇÃO! Joel 2.25 – Lendo livro com atenção veremos que o problema todo de Israel era o pecado, o  coração endurecido, o distanciamento do Senhor, e sendo assim em Joel 1.12 – 17 Deus manda o povo se converter, rasgar o coração, apregoar um jejum e chorar, para Deus se mostre zeloso para com seu povo e sua terra!

Os que querem ter suas vidas restituídas devem restituir a Deus o seu lugar que lhe é devido.

Rodryguez & Carvalho