sábado, 21 de julho de 2012

O LEGADO

 

JONATHAN EDWARDS e o legado de um pai...

Por Rogério Strazzeri

Jonathan Edwards nasceu em 1703 em Windsor Connecticut. Ele era o único filho homem entre dez filhas, seu pai, Timothy Edwards era pastor, e sua mãe, Esther Stoddard era filha de Solomon Stoddard, um famoso reverendo da época.

Solomon Stoddard, avô de Edwards, era um Puritano em todo significado da palavra, foi o líder espiritual da cidade de Northampton, Massachusetts por 57 anos.

Dois anos antes de sua morte, seu neto Jonathan Edwards subiu de pastor assistente para pastor.

Jonathan Edwards aprendeu muito com o avô principalmente a importância de trabalhar duro e estudar bastante. Ainda bem novo, Edwards aprendeu a escrever. O pai dele lhe ensinou o latim e outros idiomas como grego e hebraico. Aos seis anos de idade ele já conseguia conjugar os verbos em latim.

O domínio destes idiomas lhe ajudaria depois a ser um perito em estudos da Bíblia Sagrada e um mensageiro poderoso da Palavra de Deus.

Aos 13 anos de idade, Jonathan Edwards entrou na Faculdade de Yale, e lá estudou teologia. E como aquele garoto amava estudar. Ele freqüentemente passava 14 horas por dia estudando sobre a Palavra de Deus.

Em 1720, Edwards se formou em Yale, como o primeiro de sua classe. E começou cedo na carreira pastoral. Edwards lutou para resgatar o significado de verdadeira revivificação cristã.

Sua geração foi a segunda geração dos Puritanos. A primeira geração tinha trabalhado duro e sido muito diligente para semear a semente do evangelho e fazer da América um lugar no alto da Colina, onde fossem resgatadas muitas vidas para o Senhor.

Mas agora, a segunda geração tinha perdido muito seu desejo espiritual. Eles tinham perdido a vontade e o zelo necessários para continuar a expansão do reino de Deus.

Assim Edwards começou uma de suas séries de sermões, com muita oração para acordar a congregação sonolenta que tinha se envolvido demais com seus próprios negócios e suas próprias vidas, deixando em segundo lugar a vontade de Deus, se preocupando mais com sua vida cotidiana do que com Cristo e seu reino. Em 1731, Edwards pregou a mensagem: " Deus se glorificou na dependência do homem.'' Nisto, ele atacou o liberal argumento, que pecado somente era uma condição de ignorância. Ele acreditava que o pecado humano
era uma inimizade inerente contra Deus e que a salvação significava uma mudança de coração.

Esta mensagem desafiou os cristãos a procurarem em seus corações seus mais íntimos pecados e se arrepender de cada um deles. Sem dúvida Edwards foi um grande homem de Deus que muito colaborou, direta e indiretamente, para o reavivamento bíblico, e para que hoje eu e você possamos conhecer a Palavras de Deus e seu significado.
Contudo, em nenhuma área Edwards foi mais bem sucedido do que em seu papel como pai. Edwards e sua esposa Sarah tiveram onze filhos. Apesar de um horário de trabalho rigoroso que incluía acordar às 4:30 da manhã ler e escrever em sua biblioteca, viagens extensas, e reuniões administrativas infinitas, ele fazia questão de dedicar muito de seu tempo aos seus filhos.

Apesar de sua vida agitada, Edwards se comprometeu a passar pelo menos uma hora por dia com eles, principalmente lhes ensinando princípios cristãos.

E se ele perdesse um dia porque estava viajando, acumularia essas horas e as passaria com os filhos quando voltasse.

Sem dúvida Edwards deixou um importante legado aos seus filhos, assim como seu avô havia deixado para seu pai, e seu pai deixará para ele.

O dicionário Aurélio nos diz que legado é um valor previamente determinado, ou objetos previamente individuados, que alguém deixa a outrem. E o principal legado que Edwards deixou a seus filhos foram seus princípios cristãos.

Recentemente, o estudante Benjamim B. Warfield de Princeton encontrou, depois de muitas pesquisas, 1.394 descendentes conhecidos de Edwards. E nessa pesquisa podemos constatar o maravilhoso legado que Edwards deixou aos seus descendentes através de sua vida cristã. Dos 1.394 descendentes de Edwards:

3 se tornaram presidentes de universidades,

3 senadores dos Estados Unidos

30 juizes

100 advogados

60 médicos

65 professores de universidades

75 oficiais de exército e marinha

100 pregadores e missionários

60 escritores de destaque

1 vice-presidente dos Estados Unidos

80 altos funcionários públicos,

250 formados em universidades, entre eles governadores de Estados e diplomatas enviados a outros países.

Os descendentes de Jonathan Edwards não custaram ao Estado um dólar.
Por outro lado, Benjamim B. Warfield também pesquisou a vida de Max Jukes, um famoso ateu, contemporâneo a Edwards, o qual freqüentemente atacava os discursos, a ideologia e as pregações de Edwards. Max Jukes, o ateu, viveu uma vida ímpia, casou-se com uma jovem ímpia, e também deixou um legado para seus descendentes, da descendência dessa união entre Jukes e sua esposa, pesquisada por Benjamim, constatou-se que de todos seus descendentes encontrados:
310 morreram como indigentes.

150 foram criminosos, sendo 78 assassinos

100 eram alcoólatras

Mais da metade das mulheres, prostitutas

Os 540 descendentes de Jukes custaram ao Estado 1.250.000 dólares.

A história de Jonathan Edwards é um exemplo do que alguns sociólogos chamam a "regra das cinco gerações." Como um pai cria seus filhos e o amor que eles dão, os valores que ensinam, o ambiente emocional que oferecem, a educação que provêem, não só influencia seus filhos, mas as quatro gerações seguintes. Em outras palavras, o que os pais fazem pelos seus filhos permanecerá pelas próximas cinco gerações.

O exemplo de Jonathan Edwards nos mostra a importância de deixarmos esse legado cristão aos nossos filhos.

Mas a teoria das cinco gerações trabalha de ambos os modos. Se não nos esforçarmos para sermos bons pais e transmitirmos princípios cristãos, nossa negligência pode infestar gerações. Considere o caso de Max Jukes.

Max Jukes teve problemas com a bebida, que o impediu de manter um trabalho fixo. Também o impediu de demonstrar muita preocupação pela esposa e os filhos.

Claro que isto não significa que as pessoas simplesmente são um produto direto de seus pais, ou que seu futuro está determinado pela sua descendência.

Houve muitos que descenderam de homens como Jukes e superaram grandes obstáculos para ter sucesso. Outros só vieram de casas amorosas como Edwards e causaram grandes problemas. Mas estas são as exceções, não a regra.

As histórias de Jonathan Edwards e Max Jukes oferecem lições poderosas sobre o legado que nós deixaremos como pais. Daqui a cinco gerações é bem provável que as nossas realizações profissionais serão esquecidas. Na realidade, nossos descendentes podem pouco saber sobre nós ou nossas vidas.
Mas o modo como somos pais hoje e princípios que transmitimos afetarão diretamente não só nossos filhos, mas também nossos netos, bisnetos e as gerações que se seguem.

Como dizia Edwards: Deus fez todas as coisas com um propósito, e Deus também tem um propósito para todos nós, Nenhum homem vive em vão, todos nós deixaremos um legado. Qual será o seu?

"Bem-aventurado o homem que teme ao Senhor, que em seus mandamentos tem grande prazer... Sua descendência será poderosa na terra; a geração dos justos será abençoada". (Salmos 112.1-2)

Precisamos que governantes que temam a Deus?

Sim, claro que precisamos de governantes que temam a Deus, porém isso não é um fim em si mesmo.

De novo estamos a volta com a eleições nas esferas municipais, e de novo como tem vem se repetindo ao longo dos anos, veremos outra vez, o surgimento de vários candidatos, que professam a fé crista, procurando com isso, e muita vezes infelizmente apenas com isso, destituídos de proposta e projetos políticos concretos, convencer os eleitores,  de que são merecedores do voto de cada cristão. De novo alguns textos bíblicos serão lidos fora do seu contexto, época e proposito, para evocar a responsabilidade de cada cristão em votar em um candidato de sua “fé”.

Um verdadeiro peso é colocado sobre os irmãos, alguns chegarão ao absurdo de dizer que se não colocarmos esses candidatos nos seus respectivos lugares, somos os culpados se depois um candidato movido pelo Diabo, nos impor suas leis, regras, etc.…

É importante dizer aqui, que não sou contra o direito legitimo de cada um de se candidatar, ganhar as eleições e exercer seu mandato, de acordo coma legislação vigente no país. Também não sou contra que as agremiações religiosas, se preocupem com isso, e queiram colocar alguém, que as representem. Muito embora fico receoso quando um politico ou grupo de politico está para defender os interesses de um certo grupo e não da população em geral.

 

Alguns entendimentos se fazem  necessários nessa época para que abusos não sejam cometidos em nome da fé.

 

Muitos apelam para o velho testamento, com os exemplos da Nação de Israel e posteriormente o reino de Judá, esquecem-se todavia que hoje nós cristãos não constituímos um reino físico terreno, mas antes na atual dispensação, somos como que peregrinos e forasteiros, vivendo em mundo realmente alheio á nossa fé e costumes, e o que espera um forasteiro? Alguns fixar residência e ser como um natural da terra. Outros esperam a  oportunidade de voltar para sua verdadeira pátria, cultivam seus costumes, suas bandeiras e seu modo de ser. Fica uma pergunta que tipo de forasteiros somos nós?

 

Outros ainda apelando, para o velho testamento citam com frequência, as biografias bíblicas, de Moises, José, Daniel, Mardoqueu, Neemias… que atuaram de forma politica em sua época. O único detalhe que se esquecem é que nenhum deles foi colocada nas suas posições através do sufrágio universal, e sim por uma Soberana Vontade de Deus, esquecem-se também que estes foram levantados em momentos de Crise, momentos de destruição da Nação Israelita como o povo da promessa, momentos em que essa nação por causa do pecado estava preste a aniquilação e que o proposito das suas atuações era para Israel pudesse ser constituído e uma vez assim voltasse como nação a ser o povo da promessa. Mesmo no caso de José o proposito foi Israel. Muito embora podemos perceber que nesses processos bençoas eram geradas para outras nações.

Alguém vai me dizer acerca de José de Arrematei-a que reclamou o corpo de Cristo, ao governador romano, mas não se esqueça quem assim pensa que José de Ar matéria agiu no tempo da profecia, sendo um instrumento de Deus, separado na eternidade para essa ocasião, pois a profecia dizia que Cristo seria sepultado com os ricos…

 

Mas e quanto ao governantes que não são cristão? As teorias da conspiração chegaram até a Igreja e a tem influenciado infelizmente.

O TODO PODEROSO, ri, desses governantes, são reputados como nada, como gota em um balde de água, como pó úmido das balanças! Nenhum poder teriam se do alto não fosse concedido! Deus é quem na sua sabedoria de agir, estabelece reis e remove reis, não sou e nem você, como toda a nossa força e voto quem fazemos isso!

 

A igreja foi se esquecendo da sua missão enigmática,  de proclamar as verdades de Cristo, esqueceu-se de que é a embaixadora de Cristo na terra, esqueceu-se de que somos uma PAROKIA, composta por paroikos ( estrangeiros em gr.) e que estamos aqui com uma missão que é anunciar as verdades daquele que nos chamou das trevas para a sua maravilhosa LUZ!

A igreja esqueceu-se que as grandes batalhas deste mundo se vencem não com as armas naturais, matérias e humanas , mas antes de tudo com as armas espirituais, e que o uso destas armas requer regras no combate, e que na transformação dos poderes políticos, a maior de todas as armas é oração pelas autoridades constituídas.

Exorto, pois, antes de tudo que se façam súplicas, orações, intercessões, e ações de graças por todos os homens, pelos reis, e por todos os que exercem autoridade, para que tenhamos uma vida tranquila e sossegada, em toda a piedade e honestidade. Pois isto é bom e agradável diante de Deus nosso Salvador, o qual deseja que todos os homens sejam salvos e cheguem ao pleno conhecimento da verdade

I Timóteo 2:1-4

 

Seja cidadão, exerça seus direitos, se candidate, vote,seja votado, exerça o mandato… faça para glória de Deus. Se tiver uma proposta de Governo condizente, meu voto será seu. Mas não me venha com essas falácia de dizer que se for ao contrário ao estarei contribuindo para o império do mal em minha nação, estado ou município. É Deus quem amolece o coração do Rei … e são as nossas orações que movem o coração de Deus! Se meu candidato evangélico não ganhar ficarei triste sim, gostaria de vê-ló atuando colocando suas propostas em pratica ( pronto já disse que meu candidato é evangélico) Mas se ele não ganhar, não vou ficar culpando os irmãos que não votaram, Antes vou continuar tramando em segredo usando o maior poder que Deus nos tem dado que é o dá oração!

A cortina de ferro caiu, muitos sociólogos, e cientistas políticos, falam e teorizam sobre esse assunto. Do outro lado eu sei que muitos cristãos sinceros ao redor do Mundo, estavam orando por este acontecimento, sendo que eu mesmo fazia parte deste Grupo. A cortina de areia também cairá…

O mundo com seu sistema de coisas esta morto no maligno. Mas este mesmo mundo ainda continua sendo possessão de Deus, a Igreja existe para mudar esse mundo, através de diversas ações anunciando o REINO.

Será que que nossas candidatos podem deixar as agitações da politicas por 1 hora e ir pro getsemani? – por apenas 1 hora!

 

Rodryguez&Carvalho

sexta-feira, 6 de julho de 2012

A loucura da nossa pregação!

O cristianismo estava apenas começando e o evangelho com sua verdades que não eram relativas, já causava um certo incomodo em muitos que o ouviam.

Uma loucura para os gregos, um escândalo para os Judeus!  -

Os gregos tidos por sábios em sua época, achavam um tanto controvertida a doutrina da ressureição.

Os judeus religiosos como eram, tinham por escândalo o ministério do Deus que se fez carne e habitou entre os homens.

 

Existe uma tendência em nossa época de colocar como relativa as verdades bíblicas, uma forma perniciosa de tentar explicar o inexplicável, afim de atenua-lo, de deixar a loucura do evangelho com aparência de sabedoria. – 

Não estou com vontade neste momento de discorrer sobre essas vãs tentativas, mas quero fazer uma confissão da minha loucura, nos seguintes termos:

 

Creio que a Divindade na pessoa de Cristo se fez homem e habitou entre nós…

Creio que mesmo sendo Deus, foi crucificado pelos homens.

Creio que depois de três dias morto, foi ressuscitado!

Creio que depois disso, passado algum tempo foi elevado aos céus na presença dos seus discípulos, que após terem recebido o Espirito Santo, e parecem loucos e embriagados, saíram pelo mundo conhecido deles, anunciando a loucura da pregação….

Trono, céus, anjos, Deus, Trindade…

Eternidade…

O evangelho só vale a pena se for levado a sério, por mais loucura que isso pareça, existe sim um Deus, que se importa com os homens, se importa tanto que fez a loucura de entregar o seu único filho!

O evangelho só vale a pena se for para ser vivido na sua integralidade, sem reservas, mesmo que para isso tenhamos que fazer a escolha de deixar pai e mãe, caso eles nos impeçam de Servir a Jesus.

O evangelho só vale a pena, para quem tem a louca esperança de um dia Reinar com Cristo no seu Reino.

É loucura, eu sei… mas o evangelho salva o pior e mais pecador de todos os homens!

É loucura, eu sei … mas quem negar a mensagem do evangelho, mesmo que seja um bom homem, certamente perecerá!

 

É loucura dizer, que um sábio poderá errar o caminho…

Mais louco ainda é dizer : “ Existe um caminho que nem os loucos errarão”! ( Isaias 35.8)

 

Rodriguez&Carvalho.

Esporte Cristão!

Descobri recentemente que muitos cristãos são fanáticos por um tipo especial de esporte, um esporte muito popular, porém muito especifi...