terça-feira, 16 de julho de 2013

Diferente

Sou de uma época em que o cristão evangélico pentecostal  era de longe percebido, vivia a sua vida em separado das coisas do “mundo” vestia-se com pudor e procura ser o mais exemplar possível na sociedade que o cercava.

Era um povo que tinha identidade, costumes e um modo de ser que expressa o seu modo de pensar, se identificando como peregrinos e forasteiros neste mundo e aguardando com paciência e perseverança a volta de Cristo.

Claro que tínhamos os exageros em relação as nossas posições sobre usos e costumes, porém um ponto positivo dessa época na minha opinião e que éramos diferentes, gostávamos de ser diferentes, tínhamos prazer em ser diferentes e saber que o mundo nos olhava e percebia essa diferença.

A diferença não estava apenas nos usos e costumes, estes eram apenas um espelho do que realmente somos. Não estou aqui ser saudosista e nem defender qualquer uso e costume, porém não posso deixar de considerar as lições que aprendi durante esse tempo, lições que até hoje norteiam a minha vida.

Também na minha humilde opinião, creio que hoje vivemos o momento da conformação e da acomodação, ninguém mais quer ser diferente, até porque ser diferente e defender seu ponto de vista parece estar fora de moda, e falando em moda, todos querem andar de acordo com a última moda, com aquilo que todo mundo faz e gosta, para enfim parecer um alienado neste mundo?

As vezes me pego pensando no voto do nazireu, que loucura! Cabelos compridos, não tomava vinho e evita cerimonias fúnebres, de longe as pessoas em Israel sabiam identificar um nazireu, e sabiam que o nazireu vivia uma vida de exclusividade para com Deus, uma consagração absoluta!

As vezes penso nos profetas em suas vestes e jeito de ser, quem não reconheceria um? Penso nos cristãos com sua postura de fé diante do império de Roma, nem a morte nas arenas foi capaz de frear aqueles que alvoraçaram o mundo de sua época. Penso em Cristo um judeu comum que passava até desapercebido pelas multidões mas quando abria a sua boca falava com uma autoridade nunca vista antes.

Diferença, essa é a palavra chave!

Mas sei que essa diferença não pode ser regulada de forma normativa para todos os cristãos, porque para cada um Deus tem uma medida, e nos sabemos a nossa medida!  Porém na sua medida, na vocação na qual Deus te chamou, você tem feito a diferença?

Para terminar gostaria de dizer que, tenho visto que os cristãos mais liberais, que fazem quase tudo o que o mundo faz, que sentem prazer por este mundo como se não houvesse outro, quando passam por algum aperto ou tribulação sempre procuram aquele irmão ou irmã que julgam diferente, que de longe não querem imita-lo, mas que sabem que por algum motivo, neles o Espirito Santo ´[e mais operante! Já parou para pensar nisso? Não? então pense…

Rodrygues&Carvalho

A todos os diferentes que levam a sério a obra de Cristo e sabem que um verdadeiro Cristão é considerado um louco nesse mundo!

segunda-feira, 1 de julho de 2013

Voltando ao primeiro amor

Domingo para mim sempre é um dia especial, apesar da rotina religiosa que envolve, escola bíblica pela manha, reunião na sede ( as vezes ) a tarde e culto a noite, domingo também é o meu dia particular de reflexões. Como cristão minha reflexão sempre se dá com relação as atividades religiosas, sempre me preocupo se serei apenas mais um cumprindo um papel metódico, ou se serei um adorador, indo para casa de Deus com a alegria que descreveu o salmista no salmo 122.

Este domingo após a escola bíblica fomos a a um almoço na casa de nossos pastores e a\amigos e na volta busquei no youtube e no google hinos bem antigos da década de 70 e 80 e outros mais antigos que faziam parte da memoria de meus pais e avós e claro automaticamente também fazem parte da minha memoria.

Ouvindo esses louvores sempre acontece que choro, ora por lembrança da minha forte herança evangélica, ora o motivo é a lembrança dos meus entes queridos que já se foram, no culto cantando e pregando. Em outras ocasiões me lembro de momentos específicos e gloriosos em que esses hinos estiveram presentes e na ocasião foram como uma luva para minha realidade de então.

Mas desta vez a nostalgia e o saudosismo foi mais longe, me lembrei dos dias gloriosos da doutrina que aprendi. Dos cultos em que o poder e a presença de Deus eram visíveis até para o mais incrédulo que estivesse presente, das respostas de Deus tão rápidas as nossas orações, e essa lembrança me deu um gosto amargo, uma tristeza. Sentado na mesa, falei com minha esposa que eu achava que nunca mais a Igreja seria o que um dia (na minha visão) ela havia sido.

Mas foi ai que eu tive uma “iluminação”. Ouvi uma voz profunda no meu intimo que me dizia: E você será algum dia aquele crente de outrora? Animado, contagiante, evangelizador, sempre constantes nas orações e vigílias?

Entendi que não foi apenas as pessoas e instituições que mudaram, mas eu também havia mudado! Entendi nessa hora que Deus não precisa de números, mas de apenas alguém que se disponha que se “coloque na brecha” _ Chorei de novo! Agora não pelo saudosismo e a falta de esperança no futuro glorioso da Igreja, mas chorei porque entendi que eu havia deixado o meu primeiro amor!

Assim como a Igreja de Éfeso com seus constantes trabalhos e perseverança, com sua firmeza doutrinaria colocando à  prova os hereges que se diziam apóstolos em o serem, assim me encontrava eu, atarefado nos labores da vida eclesiástica, atento as questões apologéticas, porém sem o fogo ardente do primeiro amor! Fazendo mas por consciência da minha obrigação para com Cristo do que pelo prazer de servi-ló!

A noite em nossa congregação foi o culto de missões, cheguei diferente aproveitei cada hino, cada saudação, cada momento e disse para mim mesmo: Aquela Igreja vida e espiritual ainda existe! Sim ela existe eu é que não estava enxergando-a. Tive a oportunidade de ministrar a palavra nesse dia e enfatizei que apenas uma Igreja envolvida de coração coma causa do mestre, pode levar uma mensagem de via ao coração daqueles que se encontram em trevas e claro usei como nunca havia usado antes Apocalipse Cap. 2.4

Minha mensagem agora é essa: Voltemos todos ao primeiro amor!

Deus em Cristo te abençoe.

Rodryguez & Carvalho

Campanha de Santificação!

Ontem dia 16/11/2017, afim de cumprir uma antiga promessa, feita a um amigo, foi fazer uma visita na Igreja Pentecostal Deus é amor. ...