sábado, 25 de junho de 2011

Relacionamento com Deus.

Me pego às vezes pensando me criticando e fazendo uma analise do meu relacionamento com Deus. Creio que na minha caminhada como cristão já experimentei ou presenciei em outras pessoas diversas formas de se relacionar com o Criador, é bem difícil, eu sei descrever com clareza um assunto de natureza tão complexa quanto este não me proponho a tal tarefa, apenas quero dividir com você minhas meditações atuais sobre esse assunto. Gostaria então de dividir, se é que é possível, nosso relacionamento com Deus em três categorias distintas, a primeira um relacionamento por Temor, a segunda por Interesses e a  terceira por Amor.

O relacionamento com Deus apenas por temor e medo é tipo de relacionamento que procura o tempo todo, meios propiciatórios, para aplacar a ira de Deus vingativo, que a qualquer momento poderá vindicar seus direitos sobre o pecador, tenho percebido que muitas pessoas e até ministérios tem vivido e pregado de forma exagerada, este tipo de relacionamento com Deus, esse tipo de visão é aquela que coloca uma “burca espiritual” nas pessoas, que as atormenta, que as escraviza – longe da proposta de libertação que o evangelho da graça nos revela em Cristo Jesus, esse tipo de relacionamento ao invés de nos aproximar de Deus, nos afasta, pois esta baseado em obras de justiça próprias, esta baseado naquilo que o homem deve fazer para ser salvo, e vai se acumulando cada vez mais de mandamentos e obrigações, é o relacionamento do FARISEU, que se da por satisfeito, por cumprir vários mandamentos e exigências e assim aplacar a ira de um Deus Vingativo. Penso comigo quantas pessoas ainda hoje saem dos templos evangélicos mais atormentadas do que entraram? Quantos não conseguem enxergam a bondade de Deus manifesta em Cristo? Alguns têm fobias de diversas formas ou coisas… outros alimentam uma fobia espiritual infelizmente com relação a Deus.

Mas muito pior do que se relacionar com Deus por medo é o se relacionar por interesses, numa espécie de barganha espiritual, alguns pensam que se cumprindo certas regras, podem enfim exigir de Deus o que querem, pois esse Deus, que ao que me parece neste caso deixou de ser Soberano, se vê na obrigação agora de fazer a sua parte do acordo, certo dia, estudando as palavras gregas do novo testamento me deparei com a palavra “aliança”, “pacto” em grego coiné “diateke”,  que se refere a um tipo de acordo, em que uma parte propõe e outra apenas aceita, não se trata de um acordo em que duas partes propõe – essa é a palavra usada com relação aos pactos de Deus com os homens tanto no velho testamento (na sua versão grega da septuaginta), quanto no novo – O tipo de relacionamento com Deus por interesses além de leviano, não suporta a provação de Jó, alias foi essa a sugestão do maligno de que Jó apenas servia a Deus por interesses.

Mas existe um relaciomento por Deus por amor, onde Deus prova o seu amor para conosco, no fato de que Cristo morreu por nós sendo nós ainda pecadores,  e nos convida a um relaciomento de amor. NO amor não há medo, pois no amor existe o perdão, no amor não há interesses, pois o amor não busca seus próprios interesses, no amor existe à vontade, a intenção de agradar, de buscar o bem, de lutar pelo outro. No relaciomento com Deus por amor, amamos a sua obra, sua proposta de vida para nós. Somente no amor que é possível ouvir a voz de Deus com clareza. O pecador como medo de Deus procura simplesmente aplacar a sua ira, o pecador que ama a Deus, chora pelos seus atos e busca o seu perdão. O homem que se relaciona com Deus por interesses pensa apenas em si no seu bem estar, quem se relaciona com Deus por amor, ama a Deus mais do que a si mesmo, o ama acima do seus próprios interesses, mesmo que a figueira não floresça, nem haja fruto na vide.

Rodryguez&Carvalho

http://didaqueteologia.blogspot.com

quarta-feira, 22 de junho de 2011

Câmara de SP tenta criar Dia do Orgulho Hetero e trava a pauta do dia

Por Diego Zanchetta, estadao.com.br, Atualizado: 22/6/2011 11:38

SÃO PAULO - A quatro dias da Parada Gay, um dos maiores eventos de São Paulo, a Câmara de Vereadores aprovou nesta quarta-feira, 22, a inclusão do projeto que cria o Dia do Orgulho Heterossexual para ser votado em segunda discussão. A votação do projeto deve entrar em votação ainda nesta tarde.

O texto é do evangélico Carlos Apolinário (DEM), que há três anos é contra a realização do evento na Avenida Paulista. Projeto tem apoio de lideranças evangélicas e entrou em regime de urgência para ser votado com o apoio de 28 vereadores. Ítalo Cardoso, líder do PT, se posicionou contra o projeto e pediu suspensão da sessão.

Por volta das 12h15, todos os trabalhos estavam paralisados na Câmara por causa da discussão sobre o projeto. O líder do PT diz que nada mais será votado no dia se a proposta de Apolinário não for retirada da pauta - o projeto é o primeiro item da pauta da sessão extraordinária. Um pouco mais tarde, perto das 13h30, numa manobra das bancadas do PT e do PPS, o projeto foi colocado como último item da pauta de votação.

Apolinário, no entanto, promete obstruir qualquer projeto de vereador caso sua proposta não seja colocada para votação. 'Tiraram a Marcha de Jesus da Avenida Paulista e deixaram os gays, isso é um absurdo. Não sou contra os gays, sou contra o lugar do evento', argumentou o evangélico. O ex-tucano Juscelino Gadelha (sem partido) acaba de se posicionar contra o projeto. 'Eu votaria se fosse em outra data, mas perto da Parada é querer criar um clima de animosidade desnecessária para a cidade', disse.

O dia começou mais uma vez tumultuado no Legislativo paulistano, um dia após o vereador Aurélio Miguel (PR) travar a votação do pacote que concede isenção de R$ 420 milhões para o Corinthians. O Dia do Orgulho Hetero deve ser comemorado em todo terceiro domingo de dezembro.

quinta-feira, 16 de junho de 2011

O AMOR DE CRISTO EXCEDE TODO O ENTENDIMENTO

Efésios 3:17-21                                             

     O amor de Deus  é sempre no máximo:

      • Deus amou o mundo de tal maneira...
      • O amor de Cristo excede todo o entendimento...
      • Deus prova o Seu amor por nós, dando Cristo para morrer pelos nossos pecados...
      • Deus é amor..,
      • Deus amou-nos até ao fim...

                   No amor de Deus não há meios termos. Ele é, na Sua essência e na Sua natureza, AMOR no índice máximo, amor perfeito, imaculado, eterno, envolvente, etc.

                   Conta-se que um antigo professor de Alexandre, o "grande", tendo caído na miséria, se teria dirigido ao grande chefe a pedir ajuda. Certamente teria ficado contente se o Imperador lhe desse algum dinheiro para endireitar a sua vida. Contudo, o grande estadista, em vez de lhe dar dinheiro, constituiu-o governador de uma das suas grandes províncias, com todas as regalias, privilégios e responsabilidades inerentes.

                  O  modesto professor quis recusar, pois não se achava digno de tão grande dádiva, mas Alexandre respondeu: - "não se trata do que lhe convém pedir, mas do que eu lhe quero dar, na qualidade de imperador e segundo a minha grandeza".

                   Também a maioria das pessoas se contentaria com as "ninharias" que pede a Deus, como saúde, alimentos, roupas, etc.. Porém, Deus quer dar muito mais na grandeza do Seu infindável amor. Ele quer dar paz ao coração e salvação eterna à alma e vida além da morte!

                   Deus é amor e o amor de Cristo, que excede todo o entendimento, está disponível para todos os que abram o coração para O aceitarem.

domingo, 12 de junho de 2011

Vivendo e Aprendendo

 

Não sei se meus amigos leitores sabem, mas no meu dia a dia de trabalho convivo com diversas pessoas de diferentes formações, religiões e preferencias sexuais, é o grupo mas heterogeneo com que já convivi. Como cristão fico observando dia a dia as pessoas a minha volta, refletindo na minha vida e na deles, muitos que ali trabalham so o fazem isso porque a empresa tem como politica a não discriminação de qualquer especie. Embora vivamos em “estado democratico de direto” não posso fechar os meus olhos e dizer a discriminação não existe. Infelizmente ela existe debaixo de diversas formas.

Não estou aqui para discorrer sobre a discriminação em si, quero apenas relatar um fato que ocorreu em nosso trabalho: estes dias um colega de trabalho por assim dizer, comeu o chocolate de outra colega, que irada e sem saber quem foi, entendeu o caso não apenas como uma molecagem, mas também como um roubo, e claro que dentro da politica da empresa, tal fato também seria entendido como roubo. – Dado o problema houve uma estressante reunião onde foi dito que era melhor que quem cometeu essa infelicidade se manifestasse, caso contrário seriam acionados os arquivos em video e uma vez verificado o “comedor de chocolate alheio” o mesmo seria demitido com a perca dos seus direitos!

Bom, um dia depois, a tal pessoa se manifestou, a dona do chocolate de bom grado resolveu perdoa-lo dizendo ser isso apenas uma molecagem e a direção da empresa resolveu esquecer o ocorrido.

Vendo o episodio de longe pude perceber a força da confissão e a força do perdão, bem como uma manifestação voluntaria de graça por parte do ofendido, claro que não deixei de fazer comparações entre a minha vida em relação a Deus. A manifestação de perdão foi gratuita, sem merecimento, e minha amiga de trabalho ao saber quem foi, se acalmou, e disse não ter nada contra o meu outro amigo de trabalho.

Mas em todo o lugar tem a turma do tumulto, que gosta de reviver episodios ruins e não se dá, por satisfeita em sua falsa sede por “justiça”, mas essa turma nada pode fazer a não ser falar ,pois os maiores interessados no caso que eram a minha colega e a empresa deram o caso por encerrado, claro que não sem antes darem uma séria advertencia verbal.

A minha amiga que esqueceu o episodio percebeu que o nosso colega “comedor de chocolate” era discriminado pelos demais assim como ela que era discriminada no seu dizer por ser homossexual e negra.

Vou convivendo com essa turma mista a cada dia e percebendo como eles carregam de forma dura e pesada seus fardos, não estou aqui hoje para bradar e dizer que é pecado isso ou aquilo, até mesmo porque não sei se quando assim faço estou  tendo um desejo sincero de que essas pessoas sejam salvas ou se faço apenas para satisfazer a minha propria falsa sede de justiça.

Esses episodios acasionais me fazem pensar que esquecemos o valor da Graça de Deus, manifesta em Cristo, me faz pensar que as vezes as pessoas não precisam de criticas, mas como a mulher adultera precisam apenas de uma mão amiga que se estenda para ela.

Não sei quem foi que introduziu o engano silencioso na Igreja de que somos melhores do que os outros, que o nosso pecado não é tal grave quanto o do proximo, como também não sei quem de igual modo consegiu distorcer o evangelho da graça de Deus em um evangelho que muitas vezes se isola em si mesmo, que elabora pregações bonitas para “crentes”,  que vive de programas para salvos, e não se preocupa mais com o ser humano afastado de Deus.

Tenho minha convicções biblicas que as praticas contrarias as escrituras levarão indubitavelmente o homem ao inferno, mas tenho tambem a certeza de que por mais pecadores que os homens e mulheres de sua epoca eram, Jesus não os evitou nem os tratou como religiosamente impuros. Pelo contrario interagiu com eles, comeu com eles, muitas vezes foi visto junto deles, não se corrompeu, mas ensinou a eles o caminho da verdade e muitos por isso foram salvos.

Que possamos seguir o exemplo do mestre.

Rodryguez e Carvalho

sábado, 4 de junho de 2011

Religião e Religiosidade

 

Demorei certo tempo para entender que religiosidade muitas vezes está distante da real adoração que deve ser prestada a Deus, é complicado mas as vezes somos acometidos por certas dissonâncias cognitivas que nos impedem de quebrar paradigmas e ver, de forma mais clara e objetiva, aquilo que temos por certo e estabelecido.

Engraçado como criamos regras e manuais e vagueamos entre o isso pode e isso não pode, em relação as coisas espirituais, engraçado também como a tudo damos o nome de doutrina e confundimos com a doutrina bíblica propriamente dita. Todo o estudante das escrituras sabe que há três fontes  doutrinária: a doutrina humana, a diabólica e a Divina. A primeira é feita de usos e costumes visto que o homem ainda não consegue entender o significado da graça divina e sempre acha que falta algo. que é preciso fazer alguma coisa, quando Deus somente pede dele que acredite, que tenha fé. Claro que temos a necessidade de exteriorizar a nossa fé, de escrevê-la as vezes em símbolos e ritos e liturgias, mas ao mesmo tempo devemos saber que símbolo, a forma,  liturgia ou o costume, não pode ser maior do que aquilo que se propõe a representar.

O problema da religiosidade dentro deste contexto que me proponho a falar é  que, escraviza o homem, fazendo acreditar no rito, no costume, na liturgia, mas do que no próprio Deus, além de fazê-lo se sentir mais piedoso com relação aos outros que não seguem ou não partilham dos seus pormenores doutrinários.

O fariseu ao longe se achava capaz, pelo simples fato se seguir ritos e doutrinas, o pecador ao longe nem ousava levantar a sua cabeça. Foi o pecador que desceu justificado e não o Fariseu! Foi na Casa de Zaqueu, publicano que Jesus passou a noite, e não na casa dos escribas. Prostitutas, Publicanos e Pecadores, entrarão no reino enquanto muitos “filhos do reino” ficarão fora dele.

A religiosidade é assim, exalta as formas externas em detrimento da fé.

A vida com Deus é mais simples do que parece, Deus nos propõe uma relação multidimensional, como servos, como amigos e como filhos, servos não apenas como um escravo, mas numa relação de honra em que nos colocamos como o escravo de orelha furada,  debaixo desta servidão para honrar nosso Senhor, amigos porque podemos partilhar com ele nossos segredos e Ele os seus, filhos porque agora em Cristo somos herdeiros.

A religiosidade não consegue ver estas dimensões, mas nos coloca sempre diante de um Deus irado, pronto para nos consumir com fogo, que deve ser aplacado através de práticas propiciatórias constantes, tal religiosidade não consegue entender a dispensação atual que vivemos, não vê graça, apenas temor e vingança.

Deus não mudou, não se enganem e nem pensem que digo o contrário disso, continua zeloso, continua a exercer  juízo na humanidade, porém em Cristo temos a novidade de vida e relacionamento, em Cristo as exigências de sua justiça são plenamente cumpridas, em Cristo o seu amor por outro lado é plenamente manifesto. Estar em Cristo, é viver a intensidade do juízo de Deus sobre o pecado, através de sua morte na cruz, mas também o viver a intensidade do seu amor através de sua ressurreição. 

Prostitutas, publicanos, pecadores, gentios e até mesmo os considerados como cães pela sociedade israelita antiga, enxergaram essa maravilha na pessoa de Cristo, até mesmo oficiais romanos e um ladrão condenado de forma justa por seus atos viu esse ministério quando disse: “Senhor lembra-te de mim quando entrares no teu reino”

Fariseus, Sacerdotes e até mesmo o incauto Herodes que queria ver pelo menos algum sinal ficaram de fora – Ao olhar deles Jesus zombava dos ritos da lei vetero-testamentária, não seguia os ritos, e se unia a pessoas religiosamente impuras.

Penso como deveriam ser simples as primeiras comunidades cristãs, se reuniam, compartilhavam o mistério da morte e vida de Cristo através da Ceia – parece que não tinham um sistema rígido do ponto de vista do costume, muito embora fossem firmes em sua conduta moral. Eram salvos pela graça e atraídos pelo amor de Cristo, pela mensagem da salvação, uma mensagem simples e eficiente que apenas mostra ao homem que Cristo morreu em seu lugar e o convida agora a viver a novidade de Vida.

“Por que Deus estava em Cristo reconciliando com Ele o mundo” II Cor. 5.19

  Rodryguez&Carvalho

quinta-feira, 2 de junho de 2011

Site da ABGLT convoca Homossexuais para Queimarem a Bíblia

Foi publicado no site oficial da ABGLT (Associação Brasileira de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transexuais), uma convocação para um evento em Brasília no dia 01/06, onde queimariam um exemplar da Bíblia Sagrada que é considerado por eles um livro homofóbico.
Veja o que diz o texto:
"Em frente a Catederal, nós ativistas LGBTT iremos queimar um exemplar da Bíblia 'Sagrada'. Um livro homofóbico como este não deve existir em um mundo onde a diversidade é respeitada. Amanhã iremos queimar a homofobia. COMPAREÇA"

site ABGLT
Após a repercussão no twitter, o texto foi imediatamente mudado para: "Queimando a homofobia" - Aglomeração as 14:00 na porta da catedral. Tragem livros religiosos, por uma sociedade em prol da diversidade". No final da tarde o texto foi retirado totalmente como você pode ver no site:http://www.abglt.org.br/port/eventos.php?tipo=Nacionais.
O UOL Notícias, com “extrema rapidez”, tratou de divulgar a nota do presidente da associação, Toni Reis, dizendo que “tudo não passou de um ataque de hackers.”
Qualquer pessoa consegue ver diante das notícias, que a intolerância, o ódio e o preconceito, partem principalmente dos homossexuais contra qualquer um que se opõe à sua prática.
O crime de Ultraje a culto está no Art. 208 do Código Penal.
Se coisas desse tipo já estão acontecendo antes da PLC/122 ser aprovada, imagine o que farão no caso da aprovação dessa lei.
http://www.libertar.info/news/aten%C3%A7%C3%A3o%3A%20site%20da%20ab...
http://www.revelacaofinal.com/2011/05/site-da-abglt-convoca-homosse...
http://acordecristovem.blogspot.com/2011/06/site-da-abglt-convoca-h...

quarta-feira, 1 de junho de 2011

Aos Assembleianos o que é dos Assembleianos

 

Por Josep Rossello

Na quarta feira, estive em um Café com Pastores e Líderes em Pindamonhangaba. Na verdade, sempre me pergunto se devo ir ou não, mas o desejo de ter comunhão com outros líderes Cristãos faz com que acabe indo.

Nestas reuniões, sou um peixe fora da água. Temos diferentes costumes e tradições; divergências teológicas importantes; diferentes histórias e governos eclesiásticos que não tem nada a ver um com o outro.

De fato, usamos, inclusive, palavras semelhantes para descrever coisas diferentes.

Uma vez dito isso, quero lhe trazer um fato que aconteceu e que me motivou a escrever este artigo.

No final do encontro, quando estava quase entrando no meu carro, um pastor assembleiano de Taubaté me chamou. Ele queria conversar comigo.

Ele me perguntou se eu tinha alguma coisa a ver com os católicos. Tentei explicar que não. Explanei calmamente que nós Anglicanos somos evangélicos, protestantes e reformados. Somos uma igreja histórica, com muitos séculos de existência. Não obstante, ele não pareceu convencido com minha explicação, mesmo me esforçando para fazê-lo compreender o porquê de estar usando camisa clerical. Mas ele seguiu irredutível em sua posição...

A situação manteve-se por alguns minutos. Eu penso que, possivelmente, o meu sotaque e o “portunhol” que falo não ajudou muito o nosso difícil diálogo. Quando estava para ir embora, o irmão me abordou novamente e me deu um folheto evangelístico da Interlink (folheto que foi desenhado por um bom amigo meu, Aramis, de SJC), e me convidou a ler o tratado evangelístico.

Eu não fiquei ofendido, mas achei muito engraçado. Pensei, “o bispo foi evangelizado!

Tenho convicção que não somente ele, mas muitos pensam de forma igual, ou seja, “será que realmente que os anglicanos são cristãos?”. Deixarei para responder esta pergunta em outro momento.

O que este acontecimento revela e me leva a refletir é sobre o principal motivo pelo qual as Assembléias de Deus, com todos seus problemas, brigas e conflitos, são a igreja mais forte no Brasil.

Você pode ir até no meio do mato, mas eu posso assegurar-lhe que lá vai encontrar uma Assembléia de Deus. Portanto, temos que dar aos assembleianos o que é dos assembleianos. Eles são verdadeiros evangelistas! Acreditam no poder de Deus para converter as pessoas e vivem conforme esta crença.

Podemos seguir mostrando os erros, que são muitos, desta denominação, porém é também tempo de reconhecer que as igrejas históricas, e a igreja anglicana, em particular, precisam aprender através do testemunho das Assembléias de Deus. Esta é uma motivação a mais para nos tornarmos proclamadores da graça e amor de Deus por este mundo caído.

Por isso, quero agradecer a este irmão que foi usado por Deus para lembrar que precisamos ser mais ativos na obediência do mandato Divino de ir a todas as nações, fazer discípulos, batizar em nome da Trindade e ensinar a obedecer tudo o que Jesus ordenou. 

Josep Rossello

Bispo Coadjutor da Igreja Anglicana Reformada

Para o Genizah

 

Comentário Didaque: “ Nada a comentar e muito a considerar, sempre aprendendo. Sábias palavras do Bispo.”

HISTÓRIA DA MUSICA GOSPEL

Este artigo apresenta e ilustra o surgimento do Gospel. Hoje a musica Gospel engloba varias influências. Mesmo com diferenças entre estilos de Gospel, a essência e a intenção devem permanecer a mesma.

Apesar da Origem Norte Americana, há diversos aspectos na historia da música Gospel semelhantes com a musica do Brasil. A Cultura Brasileira teve diferentes rumos, porém constam de mesma origem e formas. A religião empregada desde a colonização do Brasil. A Predominância da Igreja Católica era maior devido aos colonos Portugueses e Espanhóis.

Foi eficaz na disseminação da cultura escrava e nativa, talvez pela experiência mais antiga na conquista de outros territórios. Interessante observar que outras religiões européias, como a Católica, acabaram ajustando seus ritos e formas de pregação – principalmente na musica e na participação da congregação – com base na revolução que a Igreja Gospel Americana conquistou, com muita luta, na primeira metade do século XX.

Boas Notícias

A palavra Gospel em resumo significa: “Boas Noticias”. O Gospel é mencionado no Novo e Velho Testamento. Apesar de simples, tem significado profundo; são os anúncios que Deus nos proporciona para seguirmos nosso caminho através da fé e sabedoria divina. “O remédio de Deus” entre outros significados. Muitas outras interpretações podem ser formuladas dentro do conceito de “Boa Notícia”. Fato de discussão entre os pastores até hoje. Em exemplo da complexidade da palavra esta a afirmação do Diácono Whrite a respeito: “Jesus era uma boa noticia ao mesmo tempo em que ela a trazia para os que necessitavam”.

A Música Gospel que conhecemos hoje é uma forma de música com profundas raízes na tradição dos escravos Afro-Americanos assim como nas musicas Africanas tradicionais. Suas fundações vieram dentro de um enorme choque cultural que, de uma maneira sofrida porem criativa, agregou a cultura Africana com as tradições Européias.

O intenso tráfico de escravos que povoou o continente Americano, não trouxe apenas mão-de-obra; também trouxe uma nova e rica cultura, que veio moldar a sociedade e a historia da América, resultando, dentre outros aspectos, diversas formas de musica como o jazz, Blues e o Gospel.

Os escravos vinham de diversas partes da África, especialmente de três áreas: A primeira era a Costa do Marfim, ocupados hoje pelo Senegal, Guiné e etc. Esta área era fortemente influenciada pela região islâmica. Musicalmente caracterizada pela presença de longas linhas melódicas, cantos ornamentados e instrumentos de corda. A segunda área era a floresta tropical; região hoje dos países Ganza e Nigéria. Esta trouxe ritmos complexos e instrumentos grandes de percussão. A terceira é o Congo, região da Angola, que é caracterizada pela música vocal polifônica separada em solista e grupo vocal.

Cada um destes componentes trazia mais do que música. Dança, canto e dramatização eram parte na cultura e crenças Africanas. Lá havia uma música apropriada para cada momento das atividades tanto em sociedade quanto individual. Uma das formas mais importantes eram os Ritmos. O uso da percussão era também uma forma de comunicação entre diferentes vilarejos e usada em performances ritualísticas de celebração junto da dança e do canto. A música Africana é caracterizada por complexos póli-rítmos (dois ou mais ritmos diferentes, quando sobrepostos criam uma única batida musical) com uma batida forte. Diferente da música ocidental que é dividida em compassos rítmicos, esta segue um sistema aonde os ritmos vão sendo improvisados e alterados.

O conjunto destas características musicais provia bases para a criação de Coro e acompanhamento, conceito de cantor Solista e o estilo cativante, dançante e empolgante incorporadas na música Gospel. Um forte exemplo esta numas das principais características da musica africana onde se encontrava um improviso melódico e textual entre o coro e o solista. O solista canta uma frase que é repetida ou respondida pelo grupo; freqüentemente o grupo era apoiado por comentários em voz alta vindos da audiência.

A Religião Ocidental e os Spirituals

Houve muitas tentativas de destruir a cultura dos escravos, misturando tribos e introduzindo os escravos a uma nova cultura. As maiorias dos escravos foram levados para todo centro e sul dos Estados Unidos para trabalharem, entre outras atividades, nas plantações. O escravo não trazia nada para o novo continente exceto suas lembranças. Uma das únicas coisas que todos os escravos tinha em comum eram a música. A principio, os escravos eram proibidos de praticar suas músicas ou tocar instrumentos de percussão. Eles o faziam em segredo, escondidos durante a noite, após trabalhar na plantação, ou longe dos ouvidos dos seus donos.

Com o tempo muitos donos de escravos perceberam que eles trabalhavam melhor se os deixassem cantar durante suas atividades, e acabaram permitindo sua música.

Estas canções-chamadas de “canções de trabalho” serviam inicialmente para aliviar o sofrimento causado pelo árduo trabalho sob o sol castigante, abusos, discriminação e toda a forma de opressão da sociedade. Conforme o tempo foi passando os escravos foram sendo cada vez mais integrados ao novo mundo.

Como resultado do choque cultural, eles começaram a mesclar suas heranças musicais africanas com suas novas influências Européias. Esta mistura mudaria mais tarde o cenário musical no mundo. A religião Cristã, a Língua inglesa e a tradição da igreja Anglo-Saxônica formaram um novo tipo de crença e esperança.

Quanto mais catequizados eles eram, mais religiosa eram suas musicas. As “canções de trabalho” originaram os Spirituals. Tinham o mesmo aspecto, porém com conteúdo bíblico. As mensagens Cristãs assim como passagens da Bíblia mostravam grande semelhança com a vida dos escravos. Eles se identificavam com passagens como a de Moisés e o povo de Israel. Assim como outros ensinamentos da Bíblia, a libertação do Povo para a terra prometida por Deus inspirava os escravos e suas canções. Em exemplo esta a canção Deep River, que mostra como os escravos oprimidos sonhavam com uma vida melhor:

“Deep river, my home is over Jordan, Deep river, Lord, I want to cross over into campground, Oh, don’t you want to go to that gospel feast, That promised land where all is peace? O don’t you want to go to that Promised Land where all is peace?”

“Rio profundo, minha casa esta alem do Jordão. Rio profundo, Senhor, Quer atravessar os campos, Oh, você não quer ir para aquele paraíso? Aquela terra prometida onde tudo é paz?”

Alguns Spirituals eram criados durante o trabalho nos campos, outros durante os trabalhos serviçais ou à noite após o árduo dia de trabalho quando os escravos se encontravam. Centenas de escravos se juntavam à noite durante estes encontros para ouvir as pregações da palavra de Deus. Algumas vezes um pastor negro viajava espalhando a palavra entre os escravos.

Os cultos eram diferentes dos tradicionais cultos dos brancos naquela época. A congregação era barulhenta, ativa, e ficava todo tempo respondendo aos comentários do pastor com “Amem, Sim Isso Mesmo, Certamente, Rezai-vos, Sim Senhor!” Etc. O pastor dava o sermão de uma forma rítmica e exaltada. Quanto mais empolgados eram os comentários, mais inspirado ficava o sermão. Eventualmente o pastor ou algum membro da congregação começava a cantar palavras do sermão ou versos da Bíblia. Instantaneamente outros membros da congregação se emocionavam e se envolviam. Logo todos estavam cantando e dançando.

Alguns Spirituals eram criados durante o trabalho nos campos, outros durante os trabalhos serviçais ou à noite após o árduo dia de trabalho quando os escravos se encontravam. Centenas de escravos se juntavam à noite durante estes encontros para ouvir as pregações da palavra de Deus. Algumas vezes um pastor negro viajava espalhando a palavra entre os escravos.

Qualquer instrumento que estivesse à mão era usado na música. Assim nascia um Spirituals. Algumas canções eram esquecidas no dia seguinte e outras eram passadas de geração para geração. Como exemplo estão as canções Go Down Moses, Down by the Riverside, Go Tell it on the Mountain, Swing Low Sweet Chariot, Joshua Fit the Battle of Jericho. Etc.

O Surgimento da Musica Gospel

A base do tradicional Gospel Americano veio dos Spirituals, que descendia diretamente do formato Africano de pergunta e resposta entre o solista e a congregação.

Musicalmente, os Spirituals misturaram os hinos ocidentais e as raízes musicais da África.  Estas influências se transformaram em um rico pote de possibilidades musicais. Basicamente, os escravos improvisavam entre os antigos hinos mudando as canções de acordo com suas necessidades e propósitos. Criavam novas e diferentes canções sobre os antigos hinos clássicos.

A tradição da adoração da musica continuava, os significados do contexto bíblicos iam cada vez mais além da musica. Conforme as palavras de um pastor negro da igreja pentecostal: “As palavras podem ser relevantes. A congregação quer ouvir coisas relacionadas com as situações da vida real. Eles querem adorar o que é vibrante e entusiasmaste. Se uma igreja conseguir dar sua mensagem, sua música, seus princípios; as pessoas responderão”. Por um longo período os Spirituals foram considerados pelos brancos como “Inúteis canções de Negros”. A cultura Afro-Americana tinha pouca atenção. Com a abolição da escravatura em 1865, os negros tiveram melhores condições para praticar suas religiões e conseqüentemente sua música.

Sermões eram pregados em grandes encontros nas imediações das novas cidades da América do Norte. As comunidades negras pentecostais das Igrejas se multiplicavam. No começo do século XX, com o aumento do numero de igrejas negras no sul da América do Norte, os escravos levaram suas músicas e Spirituals enchendo-as com inspiradas Ritos. Ao lado das instituições nacionais organizadas, os guetos de negros tinham igrejas independentes como Atlanta’s Highway e Hedges Fire Baptized ou Chicago’s Widow’s Mite Holiness. A igreja negra se tornou escola de musica, formando talentosos músicos e levado o desenvolvimento da musica Americana um passo adiante. O que conhecemos hoje como MÚSICA GOSPEL surgiu com os Spirituals praticados dentro da igreja negra.

 

Fonte:http://www.averdadeliberta.com

Campanha de Santificação!

Ontem dia 16/11/2017, afim de cumprir uma antiga promessa, feita a um amigo, foi fazer uma visita na Igreja Pentecostal Deus é amor. ...