domingo, 12 de junho de 2011

Vivendo e Aprendendo

 

Não sei se meus amigos leitores sabem, mas no meu dia a dia de trabalho convivo com diversas pessoas de diferentes formações, religiões e preferencias sexuais, é o grupo mas heterogeneo com que já convivi. Como cristão fico observando dia a dia as pessoas a minha volta, refletindo na minha vida e na deles, muitos que ali trabalham so o fazem isso porque a empresa tem como politica a não discriminação de qualquer especie. Embora vivamos em “estado democratico de direto” não posso fechar os meus olhos e dizer a discriminação não existe. Infelizmente ela existe debaixo de diversas formas.

Não estou aqui para discorrer sobre a discriminação em si, quero apenas relatar um fato que ocorreu em nosso trabalho: estes dias um colega de trabalho por assim dizer, comeu o chocolate de outra colega, que irada e sem saber quem foi, entendeu o caso não apenas como uma molecagem, mas também como um roubo, e claro que dentro da politica da empresa, tal fato também seria entendido como roubo. – Dado o problema houve uma estressante reunião onde foi dito que era melhor que quem cometeu essa infelicidade se manifestasse, caso contrário seriam acionados os arquivos em video e uma vez verificado o “comedor de chocolate alheio” o mesmo seria demitido com a perca dos seus direitos!

Bom, um dia depois, a tal pessoa se manifestou, a dona do chocolate de bom grado resolveu perdoa-lo dizendo ser isso apenas uma molecagem e a direção da empresa resolveu esquecer o ocorrido.

Vendo o episodio de longe pude perceber a força da confissão e a força do perdão, bem como uma manifestação voluntaria de graça por parte do ofendido, claro que não deixei de fazer comparações entre a minha vida em relação a Deus. A manifestação de perdão foi gratuita, sem merecimento, e minha amiga de trabalho ao saber quem foi, se acalmou, e disse não ter nada contra o meu outro amigo de trabalho.

Mas em todo o lugar tem a turma do tumulto, que gosta de reviver episodios ruins e não se dá, por satisfeita em sua falsa sede por “justiça”, mas essa turma nada pode fazer a não ser falar ,pois os maiores interessados no caso que eram a minha colega e a empresa deram o caso por encerrado, claro que não sem antes darem uma séria advertencia verbal.

A minha amiga que esqueceu o episodio percebeu que o nosso colega “comedor de chocolate” era discriminado pelos demais assim como ela que era discriminada no seu dizer por ser homossexual e negra.

Vou convivendo com essa turma mista a cada dia e percebendo como eles carregam de forma dura e pesada seus fardos, não estou aqui hoje para bradar e dizer que é pecado isso ou aquilo, até mesmo porque não sei se quando assim faço estou  tendo um desejo sincero de que essas pessoas sejam salvas ou se faço apenas para satisfazer a minha propria falsa sede de justiça.

Esses episodios acasionais me fazem pensar que esquecemos o valor da Graça de Deus, manifesta em Cristo, me faz pensar que as vezes as pessoas não precisam de criticas, mas como a mulher adultera precisam apenas de uma mão amiga que se estenda para ela.

Não sei quem foi que introduziu o engano silencioso na Igreja de que somos melhores do que os outros, que o nosso pecado não é tal grave quanto o do proximo, como também não sei quem de igual modo consegiu distorcer o evangelho da graça de Deus em um evangelho que muitas vezes se isola em si mesmo, que elabora pregações bonitas para “crentes”,  que vive de programas para salvos, e não se preocupa mais com o ser humano afastado de Deus.

Tenho minha convicções biblicas que as praticas contrarias as escrituras levarão indubitavelmente o homem ao inferno, mas tenho tambem a certeza de que por mais pecadores que os homens e mulheres de sua epoca eram, Jesus não os evitou nem os tratou como religiosamente impuros. Pelo contrario interagiu com eles, comeu com eles, muitas vezes foi visto junto deles, não se corrompeu, mas ensinou a eles o caminho da verdade e muitos por isso foram salvos.

Que possamos seguir o exemplo do mestre.

Rodryguez e Carvalho

Um comentário:

Anônimo disse...

A paz do Senhor Jesus! Lendo esta postagem fico muito feliz em relembrar quão grande é a misericórdia de nosso Pai em nos perdoar e que possamos seguir o exemplo, perdoar sempre !! Deus abençoa grandemente e que continue vos dando sabedoria. Jeane

Chega!

São dois mil anos de história da Igreja, uma historia que começou por volta do ano 33, uma historia gloriosa, de lutas, perseguições, da...