terça-feira, 19 de novembro de 2013

Identidade! Quem é você?

 

Que ocupação é a tua? Donde vens? Qual é a tua terra? E de que povo és tu? Jn 1.8

Identidade é uma característica interessante, em primeiro lugar podemos dizer que identidade é a qualidade do que é idêntico, idêntico por sua vez é aquilo que pode ser comparado a outra coisa em relação a sua semelhança. Identidade também significa um conjunto de traços que podem distinguir um individuo dos demais.

O cristão é convidado pelas escrituras a ser idêntico a Cristo, ser imitador de Cristo assim como Paulo o era, e em contra posição é exortado a ser completamente diferente do mundo.

Nos tornamos iguais e semelhantes aquilo que amamos, se alguém ama o mundo será semelhante ao mundo e amor do pai não estará nele. Se alguém por sua vez ama a Cristo será semelhante a Cristo.

Mas o amor não apenas uma coisa interiorizada, escondida e oculta, o amor possui uma força que rompe com as barreiras da interiorização e sempre acaba por se manifestar. Assim quem ama sempre terá ações e atitudes que demostrarão o seu amor.

Quem ama a Cristo guarda as suas palavras e procura sempre agrada-lo, é importante lembrar que o amor não é medo, mas o amor para ser amor precisa ser voluntário.

Existem duas classes de cristãos que serão identificados de acordo com suas atitudes, suas preferencias musicais, seu modo de vestir, de falar enfim toda a sua conduta, uma vez que norteamos nossa condutas de acordo com o que nos identificamos. Esses dois grupos são os cristãos identificados com Cristo e os cristão infelizmente identificados com o mundo!

Andando aqui e ali, ouvi um “Cristão” falando com um ímpio sobre as “virtudes” de sua igreja, um local agradável, familiar, um local para jovens com danças, baladas, etc. Bom não julgo o costume isso estará longe de mim. Porém o que me intrigou foi o mesmo cristão dizendo para seu amigo ímpio que sua igreja era liberal, não era como algumas no seu dizer radicais e cheias de costumes e por ai foi o rumo da prosa, falando de sua igreja e seu modo de vida de sua identidade em detrimento dos demais.

Me desculpe se você pensa ao contrário, alias é direito seu pensar o que quiser. Porém eu prefiro mil vez ser identificado com um Cristão sincero por mais exagerado que ele possa ser do que ter como base da minha identificação o mundo.

Prefiro ser identificado com aqueles que eram pelo excesso de zelo, com aqueles que acham que tudo pode ser pecado, do que ser identificados com aqueles que eram pela completa falta de zelo e santificação.

Entendo que toda a identificação produz um “modus vivendi” uma cultura própria. A igreja não precisa parecer “legal” aos olhos mundo para atrair pessoas. Ser fazer tolo ou de sábio não significa ser igual, antes significa explicar exatamente aquilo que a pessoa está apta ou condição de ouvir. O cristão é um peregrino, um estranho que não quer nem mesmo que lhe seja dada de graça a cidadania mundana, pois sabe que a sua verdadeira pátria esta nos céus.

Ha alguns milhares de anos nas terras da babilônia três jovens, foram levados cativos e tiveram todos os convites, oportunidades e até mesmo imposição pela força para que eles esquecem ou negassem a identidade e se paganizassem de acordo com as tradições babilônicas. Porém esses três jovens, resolveram firmemente não se contaminar e mantiveram de forma honrosa e corajosa a sua identidade.

 

Sejamos Imitadores de Cristo!

 

Rodrygues&Carvalho

segunda-feira, 18 de novembro de 2013

Tempo

Salomão na sua sabedoria disse que a um tempo determinado para todo o proposito debaixo do céu. Mas o tempo sempre aparece de surpresa, como um elemento inesperado e põe a prova as estruturas, as sociedades, indivíduos e coisas.

Saber os tempos é algo que não mora com os homens, não somos eternos e por mais que planejemos um acontecimentos mesmo assim são muitas as variáveis desconhecidas que podem acabar com o empreendimento e mais bem elaborado, ou mesmo ajudar a construir um empreendimento que não foi planejado.

Devemos planejar, porém devemos saber que a respostas certa não é nossa mais de Deus.

O tempo passa rapidamente e nós voamos nele, o que parecia haver muito tempo ontem para ser feito e foi protelado se mostrar no dia posterior uma necessidade urgente e percebemos que ficamos sem tempo.

Pensar em Deus como mestre do tempo, nos coloca em uma situação um pouco desconfortável em relação a nossa própria autonomia, vamos vivendo uma vida dizendo que temos fé quando na verdade estamos agindo como ateus, vamos planejando, criando, projetando e não considerando a Deus em nossos caminhos, eis o motivo porque grandes projetos pessoais ao longo do tempo se mostram frustrados.

Ezequias o bom rei foi surpreendido por uma palavra acerca do seu tempo de vida, a mensagem foi dura e lhe foi dito que o seu tempo estava acabado, logo partiria para  a eternidade. A palavra veio de Deus o dono o mestre do tempo. O que fazer? Se conformar, chorar, lamentar? Não sei o que eu faria, mas me conhecendo  como me conheço muito provavelmente eu me conformaria com a situação agradeceria pelos anos de vida e partiria para a eternidade convicto que meu tempo terminara! Ezequias não fez isso, orou se humilhou, abriu um audiência no tribunal celeste, pediu uma reconsideração e o tempo que lhe era findo lhe foi acrescentado em 15 anos!

Josué estava em guerra, a noite chegara e era tempo de cessar a guerra e continuar no dia seguinte, me vejo em seu lugar e me conhecendo como penso que me conheço, também eu iria me conformar e esperar o dia seguinte. Josué não fez isso, antes orou a Deus e ordenou que o sol a lua parassem em suas moradas e assim se foi, teve o seu dia prolongado e obteve a sua vitória no mesmo dia!

Até mesmo os tempo estabelecidos no tempo do fim serão abreviados por causa dos escolhidos!

O que Salomão viu e relatou em suas considerações, não foi a realidade final! Antes ele viu a realidade natural e circunstancial, como ele mesmo diz a vida debaixo do céu! Mas existe uma outra realidade acima dessa que a eternidade o tempo de Deus, podemos definir a eternidade como algo sem começo e sem fim sem marcações cronológicas, as coisas eternas simplesmente sempre foram sempre estiveram lá. Assim Jesus é o cordeiro morto antes da fundação do mundo!

Ezequias  e Josué sabiam algo de Deus que eu com minha vida devocional não sei, ou melhor não quero saber, temo em saber, excede a minha “teologia” Ezequias sabia Apenas Deus e só ele muda o rumo dos acontecimentos, cria novos tempos, faz retroceder, parar ou acrescentar. Nós também sabemos disso, mas não cremos nisso! Pensamos que nem Deus vai contra a sua Palavra, e na verdade ele não vai! Mas enfim não entendemos bem a sua palavra e vivemos uma vida muitas vezes como se um vaticínio dado não pudesse ser revogado! Deus é o mestre e se ele quiser ele revoga! E mesmo fazendo assim ele não deixa de ser Deus em nada é diminuído a sua palavra ou seu poder, aliás é justamente por isso por esse poder que ele tem de “brincar” com os elementos, de transformar agua em vinho, passado em futuro, vida em morte,  isso tudo revela mais ainda o seu poder!

O cristão é convidado a remir o tempo, resgatar, fazer uso correto, se assim o é, é porque Deus nos da o segredo do tempo, para não nos faltar tempo. Acontece que muitas vezes em relação ao tempo Deus não nos da a sentença antes de tudo muito embora pareça uma sentença é numa verdade uma opção de ver as coisas debaixo do céu e se conformar ou vê-las da perspectiva daquele que se assenta no trono e é chamado de o Deus Eterno.

Que novos tempos venham sobre nós.

 

Rodryguez&Carvalho

Questões Loucas!

"Não ir alem do que está escrito" I Corintios 4.6... De uns tempos para cá tenho notado nas pregações dos púlpitos...