terça-feira, 31 de dezembro de 2013

PREGADORES, CUIDADO COM A ABREVIAÇÃO VOCABULAR!

Abreviação Vocabular

Há um fenômeno que ocorre em todos os idiomas, denominado por alguns gramáticos como abreviação vocabular. É uma tendência que as pessoas, na dinâmica da linguagem e buscando uma elocução sempre mais rápida, tem de abreviar vocábulos e expressões sem prejudicar a sua compreensão. Depois que o uso se torna comum na forma coloquial, os escritores e gramáticos passam a adotá-las em seus trabalhos como formas aceitas de se comunicar a ideia. Desta forma temos casos como a substituição de José por Zé, cinematografia por cinema e este por cine. Antigamente o pronome reto usado para a terceira pessoa do singular era vossa mercê, que passou para vosmecê, que depois passou para você que hoje é usado como ocê e que já, numa economia radical de elocução, tem sido pronunciado o nosso conhecido cê. “Cê vai à igreja hoje?” Até aí tudo bem. É uma tendência em todos os idiomas e procura-se observar se não há prejuízo na compreensão antes que o termo seja definitivamente aceito. No entanto, como toda tendência do ser humano, a tendência da tendência é alastrar-se para outros ramos da atividade humana e, nesse caso, chegamos ao campo bíblico teológico. Seguindo esse curso, é comum reduzirmos os textos bíblico que normalmente repetimos a pedaços que acabam confundindo o sentido verdadeiramente bíblico que o mesmo possuía. Um dos textos que mais sofrem com essa economia idiomática é o de Romanos 8:28 que diz que todas as cousas cooperam para o bem daqueles que amam a Deus, daqueles que são chamados segundo o seu propósito”. Numa primeira redução desse texto, é comum ouvi-lo pronunciado apenas “todas as cousas cooperam para o bem daqueles que amam a Deus”. Neste ponto já nos esquecemos de que existe um chamado e um propósito divino sobre aqueles para os quais todas as cousas cooperam. Mas não paramos aí. Em nossa ânsia pela elocução rápida, logo estamos pronunciando apenas “todas as cousas cooperam para o bem”. Nesse ponto já não se faz necessário nem amar a Deus. Tudo vai ficar bem. Mas não paramos por aí. O próximo passo é “todas as cousas cooperam” ou “tudo coopera”, para ficar ainda mais simplificado. Ora, a essa altura Deus já saiu de cena, pois não chama ninguém, não estabelece propósito e nem é amado. A religião continua, mas Deus já era. Não é incomum encontrarmos pessoas envolvidas em situações complicadas, muitas das vezes em pecado e franca rebelião contra Deus, afirmarem numa atitude de “tomara que dê certo”: “Tudo coopera, irmão.” Cada coisa em seu lugar. A teologia bíblica não permite a abreviação vocabular sem o ônus da perda de seu sentido completo e contextualizado. Uma exegese sadia não se faz com pedaços de textos, mas cada texto deve ser considerado no seu todo, para que se tenha o seu sentido completo. Assim nos achegamos mais à verdade de Deus, afastando-nos da sedução dos conceitos e doutrinas humanas e até diabólicos.


FONTE:REVISTA ATOS.


 Pois é amigos chegamos a ultima postagem de 2013 amanhã e ano novo! Obrigado a todos que tem acompanhado o Didaque. Um prospero ano novo e vivamos sempre na expectativa da volta de Cristo. 


Rodryguez & Carvalho

terça-feira, 24 de dezembro de 2013

Apostolo Paulo e o Natal.

 

Chegou o Natal! Um filme baseado em Charles Dickens aqui, um arvore ali, um Papai Noel Acolá. Luzes que  brilham, estrelas presentes, famílias que se reúnem, confraternizações… `

E Jesus? Ficou em algum filme acerca do seu nascimento, em alguma cantata e .. vejamos… acho que só isso mesmo! O natal é um caso raro em que o aniversariante deixa de ser a pessoa principal, pelos menos tem sido assim desde o aparecimento de um tal de “ bom velhinho”

O natal também é o resultado de 2000 anos de historia em que arquetipias religiosas diferentes e antagônicas acabaram se sincretizando e resultando em um conjunto de tradições que hoje nos parecem comuns.

Como cristãos sabemos que arvores, São Nicolau, e o próprio dia 25 de Dezembro, não dizem respeito a Cristo, e nessa época sempre se levantam apologistas de plantão  que condenam veemente a comemoração e de modo parecido se levantam outros que a apoiam.

Eu prefiro não ficar de lado nenhum. Me desculpem os apologistas de plantão mas o verdadeiro Deus não precisa de quem o defenda com unhas e dentes, agressividades e falta de respeito, alias isso é preciso com relação a falsos deuses,porque de outra forma suas doutrinas não se sustentam, quanto verdadeiro Deus, nada o fará deixar de ser quem ele É. Então muita calma nessa hora. Me desculpem também os que acham que vou aderir aos ritos simbologias já há muito estabelecidos, não vou estou consciente da minha fé e nela não existe lugar para arvores de Natal e Papai Noel.

Mas fico imaginando Paulo na sua sabedoria dada por Deus, andando pelo areópago, imagino o mesmo Paulo andando em nossas dias, entre Arvores de Natal, Papai Noel, Enfeites, guirlandas… Tenho certeza de que apos uma seria reflexão ele diria em tom respeitoso: “ em tudo vos vejo um tanto religiosos” e a partir dai sem se importar com a data ou com as simbologias presentes, Ele iria anunciar aquele é honrado mas de fato não se conhece.

A verdade do Logos, mesmo que tenham sido obscurecida pelas tradições, tem a força espiritual de se manifestar quando focamos nossos esforços nessa verdade. E uma vez manifesta é essa luz que alumia todo o mundo que vai debelando as trevas das tradições existentes.

Jesus nasceu, é não importa se foi dia 25 de Dezembro ou Não. Ele é o Verdadeiro Sol da Justiça.

Passando o ano todo anunciando a seus nascimento, vida, morte e ressureição e vamos deixar de faze-lo porque a data não nos é correta?

Anunciemos pois o Rei de toda a terra que nasceu em Belém, aproveitemos a ocasião. Se o nosso anuncio for verdadeiro e desprovido de falsa e tendenciosa apologia que só serve para envaidecer a si mesmo, a Luz deste Sol da Justiça, acabará por triunfar onde existe as trevas da falta de conhecimento correto acerca de sua Pessoa.

Feliz Nata e um Prospero Ano Novo.

terça-feira, 17 de dezembro de 2013

Saudosa Lembrança

 

Aos meus amigos que sempre estão comigo nas minhas “blogagens”, quero aqui abrir meu coração e externar minha tristeza. Mais uma vez sou alvejado por um inimigo cruel, que não escolhe, classe, sexo, religião, etnia, grandes ou pequenos, ricos ou pobres. Perdi minha sobrinha querida e uma dor sem explicação tomou conta da minha alma.

Esse meu inimigo quem vem para roubar minha alegria, destruir meus planos e tirar minha apreciação pelas coisas criadas, esse meu inimigo me pegou outra vez desprevenido.

Desprevenido sim , porque para a hora incerta não há quem diga que prevenido esteja, mas não desprotegido, mantenho minha fé Naquele Infante que nasceu na cidade de Belém que embora sendo Deus se igualou a humanidade com seu nascimento, mantenho a minha fé Nele, que em seus dias, e foram poucos os seus dias, anunciou o evangelho, aos pobres, contristados e enlutados iguais a mim, confio Nele que morreu no mais infames dos suplícios, porém ao terceiro dia ressuscitou, subiu aos céus e fez uma promessa, dizendo que todos os que nele cressem seriam participantes com  ele na sua ressureição.

Cristo viveu a nossa vida, morreu a nossa morte e nos  fez participantes da sua ressureição.

Meu inimigo chamado Morte, já esta vencido, pois Cristo o fez por mim. Em algum momento na Eternidade sei que como salvo em Cristo, verei novamente meus entes queridos salvos em Cristo, Sei também que na consumação da presente era nos veremos na ressureição.

Fico aqui com a dor e a saudade, mas fico também com a certeza, e atento pois sei que a trombeta de Deus soará e os que morreram em cristo ressuscitarão.

Esse momento meu de dor é também meu momento de reafirmar a minha fé.

Não pude chegar em tempo ao velório, estou a mais de 1400 km mas irei rever meus parentes e amigos, consola-los e comunicar a eles algo do Senhor. No meu costume nessas horas tristes cantamos, sim cantamos porque nem mesmo essa tristeza imensa tira de nós a visão do céu. Já chorei e choro enquanto escrevo, chorarei outras vezes até que Deus venha mitigar a minha dor, mas também canto porque tenho a esperança acerca daqueles que dormem no Senhor.

Fico eu com a saudosa lembrança da minha sobrinha Ellen Menezes e a certeza que a verei de novo, sim a verei porque muito embora ela não esteja mas presente no corpo, continua fazendo parte de um corpo do qual eu também o faço, O Corpo de Cristo, a Igreja triunfante de Jesus.

E nesse momento de dor eu canto o hino 139 do nossa hinario a Harpa Cristã.

 

Já o Filho de Deus é descido do céu;
A obra perfeita na cruz consumou;
E ali Sua carne, rasgada qual véu,
Vivo caminho para o céu nos consagrou.

Jesus é meu eterno Redentor!
Por Seu sangue já remido estou;
Deu-me paz, poder consolador;
Vivo contente, pois Ele me amou.

Por Adão, o pecado no mundo entrou;
Ninguém dessa lei se podia libertar;
Mas o Filho do homem por nós triunfou,
Nele podemos do mal ressuscitar.

Do inferno, que paga aos maus, há de dar,
Do medo da morte, esse dardo cruel,
Do abismo eterno te pode salvar,
Só Jesus Cristo, o bom Emanuel.

Bem alegres buscamos a pátria de amor,
A qual Deus no céu para nós preparou,
Onde sempre veremos o nosso Senhor,
Cristo Jesus, que do mal nos libertou.

 

Rodryguez & Carvalho

quinta-feira, 5 de dezembro de 2013

Perdoai as ofensas

 

 

“A PIOR PRISÃO QUE UM CRISTÃO PODE TER É ESTAR SUJEITO AO INFERNO DE FOGO E ACHAR QUE ESTARÁ SUJEITO AO PARAÍSO E TUDO ISSO PELA FALTA DE PERDÃO E JUSTIÇA PRÓPRIA.

O cristianismo tem sido, conhecido pelo menos tecnicamente como a “religião” , que prega o amor e o perdão de Deus, porém não foram raras as vezes aolongo da história Cristã, que o sentimento de juízo imediato, vingança e punição se fez presente nas fileiras ditas Cristãs.

O Cisma entre o oriente e ocidente ocorrido por volta do século IX, O tribunal da “santa inquisição”  na idade média, as cruzadas contra os sarracenos, morte de protestantes pelo próprios protestantes com o aval de Calvino e Zwinglio, por causa de questões doutrinárias referentes ao batismo!

Em pequena escala, porém.  nem tão menos perigosa, existe a falta de perdão nos relacionamentos diários, familiares, e eclesiásticos na vida comum da igreja.

Há pouco tempo atrás ouvi um Cristão dizer; “Que Deus o perdoe, porque eu jamais o farei” – Não sou Deus para perdoar!

Triste inversão de pensamento e realidade, José do Egito diante de seus irmãos quando estes, se prostraram pedindo seu perdão, apenas lhes disse; “ estou eu no lugar de Deus? – e lhes falou amorosamente ao coração.

Jesus ensinando os seus discípulos a orar, ensinou-os uma grande doutrina acerca da resposta na oração, sim , digo resposta na oração porque, todo o que ora e busca a Deus, procura ser ouvido, ter seus pedidos atendidos. Jesus então ensina o que fazer para ter seu pedido atendido dizendo:

“e perdoa-nos as nossas dívidas, assim como nós também temos perdoado aos nossos devedores;e não nos deixes entrar em tentação; mas livra-nos do mal. Porque teu é o reino e o poder, e a glória, para sempre, Amém . Porque, se perdoardes aos homens as suas ofensas, também vosso Pai celestial vos perdoará a vós; se, porém, não perdoardes aos homens, tampouco vosso Pai perdoará vossas ofensas”. Mateus 6: 12-15

Simples e não precisamos “teologizar” para entender essas palavras. Ao perdoado, Deus espera que ele perdoe, quem não perdoa, não terá perdão!

Em outra passagem Jesus também ensina o perdão dizendo:

“Por isso o reino dos céus é semelhante a um rei, que resolveu ajustar contas com os seus servos.E passando a fazê-lo, trouxeram-lhe um que devia dez mil talentos.Não tendo ele, porém, com que pagar, ordenou o seu senhor que fosse vendido ele, a mulher, os filhos e tudo quanto possuía, e que a dívida fosse paga.Então o servo, prostrando-se reverente, rogou: Sê paciente comigo e tudo te pagarei.E o senhor daquele servo, compadecendo-se, mandou-o embora, e perdoou-lhe a dívida.Saindo, porém, aquele servo, encontrou um dos seus conservos que lhe devia cem denários; e, agarrando-o, o sufocava, dizendo: paga-me o que me deves.Então o seu conservo, caindo-lhe aos pés, lhe implorava: Sê paciente comigo e te pagarei.Ele, entretanto, não quis; antes, indo-se, o lançou na prisão, até que saldasse a dívida.Vendo os seus companheiros o que havia se passado, entristeceram-se muito, e foram relatar ao seu senhor tudo o que acontecera.Então seu senhor, chamando-o, lhe disse: Servo malvado, perdoei-te aquela dívida toda porque me suplicaste; não devias tu, igualmente, compadecer-te do teu conservo, como também eu me compadeci de ti?E, indignando-se, o seu senhor o entregou aos verdugos, até que pagasse toda a dívida.Assim também o meu Pai celeste vos fará, se do íntimo não perdoardes cada um a seu irmão”. - Mateus 18:23-35

Sem demora podemos dizer que a falta de perdão tem sido o meio pelo qual Satanás tem alcançado vantagem no seio da Igreja, da Família e da Sociedade, a falta de perdão tem sido o elemento desagregador, ferramenta de destruição tem causado divisões. Paulo na sua sabedoria e autoridade apostólica disse:

A quem perdoais alguma cousa, também eu perdôo; porque de fato o que tenho perdoado, se alguma cousa tenho perdoado, por causa de vós o fiz na presença de Cristo, para que Satanás não alcance vantagem sobre nós, pois não lhe ignoramos os desígnios”. - II Coríntios 2:10,11”

O perdão não deve conhecer limites, dai a famosa afirmação de Cristo ao dizer   setenta vezes sete!

Perdão é um ato de fé, fé é uma questão de decisão onde se decide fazer e acreditar que Deus é verdadeiro em suas Palavras!

Acautelai-vos. Se teu irmão pecar contra ti, repreende-o; se ele se arrepender, perdoa-lhe.Se por sete vezes no dia pecar contra ti, e sete vezes vier ter contigo, dizendo: Estou arrependido, perdoa-lhe. Então disseram os apóstolos ao Senhor: Aumenta-nos a fé”. - Lucas 17:3-5

Mas, talvez você se pergunte: onde fica o juízo, a justiça e o direito? Os homens do antigo testamento, não pediam a justiça sobre os seus inimigos, e o que dizer de Davi nos Salmos imprecatórios?, onde é pedido a Deus a vingança sobre seus inimigos?

Minha resposta, é que vivemos, um  novo tipo de relacionamento em Cristo, uma nova dispensação, e a atual dispensação é chamada dispensação da Graça, do favor imerecido, dispensação iniciada  com A morte de Cristão em favor dos nossos pecados para que pudéssemos ter o perdão de Deus, todo o mistério e ministério dessa dispensação baseia-se nisso: “Deus em Cristo reconciliando consigo o mundo”  Mistério este que esteve oculto pelos século mas agora nos foi revelado, ministério o qual nós somos convidados a sermos seus ministros.

Um fato se faz interessante para que possamos compreender a atual dispensação, com já falei.:

Jesus ao chegar em uma sinagoga leu um trecho do profeta Isaias e se identificou de imediato como o agente nela descrito, o trecho completo seria este.: 

O espírito do Senhor DEUS está sobre mim; porque o SENHOR me ungiu, para pregar boas novas aos mansos; enviou-me a restaurar os contritos de coração, a proclamar liberdade aos cativos, e a abertura de prisão aos presos;A apregoar o ano aceitável do SENHOR e o dia da vingança do nosso Deus; a consolar todos os tristes;
Isaías 61:1-2

Mas se você ler o texto com atenção perceberá que Jesus omitiu, uma pequena parte da sentença:

O Espírito do Senhor é sobre mim, Pois que me ungiu para evangelizar os pobres. Enviou-me a curar os quebrantados do coração, pregar liberdade aos cativos, E restauração da vista aos cegos, A pôr em liberdade os oprimidos, A anunciar o ano aceitável do Senhor.E, cerrando o livro, e tornando-o a dar ao ministro, assentou-se; e os olhos de todos na sinagoga estavam fitos nele. Lucas 4:18-20

Jesus em sua leitura simplesmente, encerrou na parte do texto que diz: “O ano aceitável do Senhor”  - deixou de ler propositalmente a frase “O dia da Vingança” , Sabe porque? Porque este não era o proposito do seu ministério! E claro não é também o nosso! O dia da vingança, justiça e juízo virá, mas não nesta dispensação.

Finalmente usando as palavras que ouvimos domingo na Igreja, quem libera o perdão tem em si uma fonte de bênçãos, em duas vias, tanto para  para quem libera o perdão, como para quem é perdoado ! E  uma fonte não pode ser detida, sem a entulham em um lugar ela aparecerá em outro, jorrando sempre.

Temos uma facilidade de esquecer daquilo que Deus vez por nós, uma vez que estavamos mortos em nossos delitos e pecados e éramos por natureza filhos da ira . Mas lembremos que ELE nos deu VIDA.

Perdoe.

Lançai a Rede

 

Lançai a rede…

Jesus chega junto ao lago de Genesaré, e uma multidão de pessoas vem ao seu encontro para ouvi-lo, para ouvir a palavra de Deus, mas tamanha era a euforia do povo, que Jesus pede a uns pescadores que estavam lavando as suas redes para Ele entrar no barco deles e palestrar (ensinar as pessoas o caminho de Deus). Estes pescadores estavam muito cansados, pois haviam trabalhado a noite inteira mas não conseguiram pescar nenhum peixe se quer. Porém tiverampaciência e deixaram Jesus entrar em seu barco.

Após Jesus ministrar ao povo, ele disse a Simão Pedro para jogar as redes em um lugar fundo, e Pedro lhe disse o que havia acontecido, mas “sobre a tua palavra lançarei as redes”. Pedro pegou tantos peixes que teve que pedir para seus sócios Tiago e João lhe ajudarem com o outro barco, pois no barco onde Pedro estava com Jesus não havia mais lugar para colocar os peixes. Diante disto, deste milagre, desta vitória, Pedroreconhece que Jesus é o Filho de Deus, sehumilha diante de Jesus. O Mestre lhe fala que ele, Pedro se tornará pescador de homens, e eledeixa tudo e segue Jesus imediatamente. Agora:

Que lições podemos aprender com este texto bíblico?

1 – Ouvir a Palavra de Deus
*Devemos ler a Bíblia, a palavra de Deus, escutá-la, memorizá-la…pois através dela iremos vencer o diabo, as adversidades da vida, o pecado.

2 – Trabalho
*Deus chama quem está ocupado;
*Os pescadores estavam ocupados lavando as suas redes;
*Deus não chama desocupados, que não querem saber de trabalhar;
*Temos que nos mecher, fazer algo, pois “a seara é grande e poucos são os trabalhadores dispostos a trabalhar na seara…”

3 – Deixar Jesus entrar no barco de nossas vidas
*Pedro deixou Jesus entrar em seu barco, e seu problema foi resolvido;
*Devemos deixar Jesus entrar em nossas vidas e nos orientar, nos mostrar o caminho que devemos seguir;
*Muitas vezes deixamos lixo entrar em nossas vidas, através da televisão,através da internet;
*”…enchei-vos do Espírito e não satisfareis os desejos da carne…”
*Filipenses 4:8 “Finalmente irmãos, tudo o que é verdadeiro, respeitável, justo, puro…seja isso que ocupe o vosso pensamento…”

4 – Paciência
*Os pescadores tiveram paciência, e Pedro em especial deixou Jesus entrar em seu barco depois de ter passado uma noite inteira sem pegar um peixe se quer; Pedro tinha motivos suficientes para ir para casa, pois estava cansado, mas esperou Jesus ensinar a multidão e então pode ver o que ele não conseguiu ver a noite inteira;
*Muitas vezes somos impacientes, queremos que as coisas aconteçam imediatamente, mas “tudo tem seu tempo determinado…”conforme Eclesiastes 3.

5 –
*”….sob a tua palavra lançarei as redes…”
*Pedro ficou contrariado com o que Jesus lhe disse, mas se fundamentou na palavra e agiu por fé, creu que algo poderia acontecer;
*”Sem fé é impossível agradar a Deus”.

6 – Vitória
*O milagre aconteceu, a vitória chegou, os peixes vieram;
*O problema foi solucionado.

7 – Reconhecer
*Relembrar de onde saímos;
*Pedro reconheceu o poder de Deus em Jesus;
*Se humilhou diante do Mestre;
*Quando recebemos uma cura, um milagre, uma vitória, muitas vezes nos esquecemos de agradecer ao Senhor, nos esquecemos facilmente de onde Deus nos tirou;
*”…tirou-me de um tremendal de lama…”

8 – Evangelizar
*Pescadores de homens;
*Dar bom testemunho no trabalho, na escola, em casa;
*Testemunhar os feitos do Senhor em nossas vidas;
*Pregar em tempo e em fora de tempo.

9 - Deixar tudo
*Devemos deixar tudo para seguir a Jesus;
*Nosso comodismo;
*Nossa zona de conforto;
*Nossa preguiça.
*Renunciar nosso sono, tempo, dinheiro.

A pesca maravilhosa ocorreu com Pedro, Tiago e João, mas pode acontecer conosco nos dias de hoje, basta querermos e pagarmos o preço de uma vida de busca ao Senhor, uma vida de renúncia aos pecados da carne, uma vida de entrega e confiança em Jesus.

domingo, 1 de dezembro de 2013

Restituição

 

Algumas palavras adquiriram uma importância maior do que outras no vocabulário evangélico, entre essas palavras uma que esta muito na moda é a palavra RESTITUIÇÃO. Campanhas, cultos específicos, pregações direcionadas e até louvores, realmente esse tema atrai muito a atenção geral do público evangélico.

Sempre que escuto falar em restituição invariavelmente percebo que este tema se encontra intimamente ligado com a teologia da prosperidade associado também a busca incansável por realizações pessoais e materiais.

Já faz um, certo tempo em que o sentido da fé cristã teve sua direção mudada. Fala-se muito em conquista e se imagina a fé cristã como uma caminhada de alvos a serem conquistados. Muito embora não posso negar que existe um carreira proposta e um único alvo a ser desejado, este porém é Jesus o autor e consumador da nossa fé.

Engraçado como as coisas são distorcidas com o tempo e como o próprio sentido da fé é deturpado de forma quase invisível.  Em Mateus cap. 6 verso 25, Jesus no seu famoso sermão da montanha orientou seus discípulos a não andarem ansiosos quanto a própria vida no tocando a b]nossa subsistência, no verso 32 do mesmo capitulo diz ainda que são os gentios que procuram tais coisas, E em uma revelação poderosa acerca da pessoa do Deus Paim, nos diz que Deus já sabe o que precisamos, dando a entender que ele sabe cuidar das nossas vidas em sua sabedoria infinita, e no verso 33 nos exorta a buscar em primeiro lugar o Reino dos Céus, sabendo que se agimos assim as outras coisas serão acrescentadas em nossas vidas.

È triste a constatação porém é verdadeira, muitos cristãos evangélicos estão vivendo suas vidas como gentios, pagãos, procurando primeiro as coisas terrenas. O evangelho pragmático de resultado resumido pela formula um pouco sofista, que diz: se funciona é bom! Um evangelho que não abre espaço para as verdades bíblicas acerca da soberania de Deus, seu cuidado com nossas vidas e seu modo peculiar de agir.

Eu creio no poder de Deus, no poder transformador, na regeneração do homem como um todo, creio na restituição, porém o principio será sempre o de Mateus 6.33 – O problema do ser humano não são os outros, nem as circunstancias, ouso dizer que nosso problema principal também não está nas regiões espirituais da maldade. O nosso maior problema é o pecado, pois a  bíblia diz que cada um deve se queixar do seus próprios pecados! Sendo assim a solução sempre estará em se levar um vida tendo como alvo o reino de Deus, a santificação e separação do mundo e suas coisas pecaminosas, este sim é o primeiro passo a ser dado em busca da restituição.

Lendo o Livro de Joel, que eu particularmente considero o livro bíblico da restituição, pois nele encontramos uma nação falida, atacada por ondas de pragas que estavam acabando com a plantação, a terra estéril, e ainda por cima o profeta diz que a nação deveria se preparar pois a invasão dos gafanhotos´era apenas um sinal da invasão de povos inimigos ou seja a situação iria ficar ainda pior. È meio a tudo isso que Deus faz uma promessa de RESTITUIÇÃO! Joel 2.25 – Lendo livro com atenção veremos que o problema todo de Israel era o pecado, o  coração endurecido, o distanciamento do Senhor, e sendo assim em Joel 1.12 – 17 Deus manda o povo se converter, rasgar o coração, apregoar um jejum e chorar, para Deus se mostre zeloso para com seu povo e sua terra!

Os que querem ter suas vidas restituídas devem restituir a Deus o seu lugar que lhe é devido.

Rodryguez & Carvalho

 

Campanha de Santificação!

Ontem dia 16/11/2017, afim de cumprir uma antiga promessa, feita a um amigo, foi fazer uma visita na Igreja Pentecostal Deus é amor. ...