sábado, 29 de junho de 2013

# Vem para oração!

 

Manifestações populares, passeatas, atos e como estamos vivendo na era cibernética não pode falar o famoso # compartilhar, pelas redes sociais. É a voz do povo cansado de ser jogado de um lado para outro, cansado de ser massa de manobra na mãos de homens poderosos, cansados de tantas injustiças e irregularidades nas diversas esferas da vida politica e social dessa nação.

A frase do momento em todas as redes sociais é : “ # Vem para rua!” – Não apenas apenas a “praça é do povo assim como o céu é do condor” ( Castro Alves) mas também as ruas, as avenidas, as rodovias, os paços municipais. Isso me faz meditar nessa hora e nesse momento “histórico” sobre a constituição de nosso país, sobre o cristão e seu papel em meio a toda essas manifestações.

A constituição de nossa república diz assim no seu  Art. 1º, Parágrafo Único."Todo o poder emana do povo, que o exerce por meio de representantes eleitos ou diretamente, nos termos desta constituição".  Sendo assim dos mais simples individuo a mais complexas agremiações, é o povo o mandatário e o real governante dessa nação, mas em momentos assim de agitação civil o povo parece ser o inimigo e o Estado munido com seu poder garantido não pelo povo mas pela força, acaba por fazer-se desacreditar o que diz a nossa lei.

Não sou nem jurista, nem sociólogo, nem muito menos um rabula da lei para discorrer sobre a legalidade de certas ações, falo das coisas que penso ser , das coisas que analiso como elas me parecem.

Mas sou cidadão! Então de alguma forma esse poder constitucional emana também de mim como parte do povo brasileiro! Antes de ser cidadão sou Cristão, logo então vivo a dualidade da minha cidadania, uma temporaria emprestada que é a terrena e outra a eterna que é a  do Céu. E com tal devo ver tudo sempre levando em consideração esta minha condição.

Olhando estas manifestações me lembro de uma frase dos antigos gregos e romanos: Vox Populi, vox dei. A voz do povo é a voz de Deus!  Estou dizendo isso porque vejo que as as vezes nos Cristãos nos deixamos levar pela maioria, pelo clamor popular e entendemos ser esta a vontade de Deus. Porém, nem sempre é assim.

O interesse da historia dessa frase é os antigos gregos iam se consultar com o deus Hermes na cidade grega de Acaia, faziam uma pergunta ao próximo ao ídolo, e depois o devoto cobria sua cabeça e saia a rua, as primeiras palavras que ele ouvisse na rua seriam interpretadas como a resposta divina a sua petição!

Esta voz do povo, não é então uma resposta de um deus, é antes de mais nada um desespero uma vontade de obter respostas a qualquer custo, para que a vida seja assim norteada.  O tempo foi passando e a frase foi adquirindo um significado diferente, e em nossos dias ela tem a conotação de uma VERDADE.

Não estou dizendo que os clamores populares não são justo e também não estou dizendo que nos cristãos não devamos tomar nossa posição ao lado da justiça e da verdade. Estou porém acrescentando que nós antes de qualquer outra voz devemos ouvir a voz de Deus.

Quando falo em voz de Deus, não falo da profecia, ou da revelação, amigos pentecostais, mais que amigos irmãos pois também sou pentecostal me desculpem mas não é sobre isso que falo.

Falo da voz de Deus, expressa nas Escrituras Sagradas, voz essas que ignoramos ou re-interpretarmos de acordo com nossas intenções. Falando em Voz de Deus, vejamos o que a Escritura diz sobre o papel do Cristão em frente aos poderes constituídos:

ADMOESTO-TE pois, antes de tudo, que se façam deprecações, orações, intercessões, e ações de graças por todos os homens; Pelos reis, e por todos os que estão em eminência, para que tenhamos uma vida quieta e sossegada, em toda a piedade e honestidade. Porque isto é bom e agradável diante de Deus nosso Salvador.  I TIMOTEO cap. 2.1-3

Quer ter uma vida quieta e sossegada? ORE pelas autoridades antes do “# Vem pra rua” dobremos os nossos joelhos e oremos por aqueles que exercem autoridade! seria um momento apropriado para um “ # vem para casa de oração” a não ser que você seja um desses Cristãos que não creem no poder da oração, venha, vamos orar primeiro.

Neemias tinha um desejo de reorganizar a vida politica, religiosa e social de Jerusalém, orou primeiro e depois foi falar com o rei quando a ocasião apareceu.

Embora a constituição diga que o poder emana do povo, nos cristãos sabemos de quem realmente emana todo o poder, e temos um livre acesso a sua presença, porque não chegar diante dele então primeiro e depois com benção dele sobre nós irmos as ruas pelas justas  reivindicações?

O cristão deve saber que ele é cidadão do pais em que se encontra e deve com tal lutar pela melhorar sua pátria levando sempre consigo os valores do outro Reino do qual faz parte a saber o Reino dos Céus.

Não sou daqueles que acham que devemos ficar quietinhos enquanto existe uma luta ai fora, mas sou daqueles que sempre e em primeiro lugar preferem buscar a orientação na palavra de Deus, se armar com as armas invisiveis e assim ir para a a luta visivel.

Temos visto alguns atos isolados é verdade de violencia quer da parte de manifestantes, quer da parte de policiais, não me espanta pois esta é a inclinação natural da carne! Por isso Cristão sejamos espirituais!

Que tal compartlharmos isso neste momento tão especial em nossa nação:

# “ Se o meu povo que seja pelo meu nome… “

 

Rodryguez & Carvalho

domingo, 23 de junho de 2013

As concepções da verdade

 

Grego, latim e hebraico

Nossa idéia da verdade foi construída ao longo dos séculos, a partir de três
concepções diferentes, vindas da língua grega, da latina e da hebraica.


Em grego, verdade se diz aletheia, significando: não-oculto, não-escondido, não dissimulado.O verdadeiro é o que se manifesta aos olhos do corpo e do espírito; a verdade é a manifestação daquilo que é ou existe tal como é. O verdadeiro seopõe ao falso, pseudos, que é o encoberto, o escondido, o dissimulado, o que parece ser e não é como parece. O verdadeiro é o evidente ou o plenamente visível para a razão.

Assim, a verdade é uma qualidade das próprias coisas e o verdadeiro está nas próprias coisas. Conhecer é ver e dizer a verdade que está na própria realidade e,
portanto, a verdade depende de que a realidade se manifeste, enquanto a falsidade
depende de que ela se esconda ou se dissimule em aparências.


Em latim, verdade se diz veritas e se refere à precisão, ao rigor e à exatidão de
um relato, no qual se diz com detalhes, pormenores e fidelidade o que aconteceu.
Verdadeiro se refere, portanto, à linguagem enquanto narrativa de fatos acontecidos, refere-se a enunciados que dizem fielmente as coisas tais como
foram ou aconteceram. Um relato é veraz ou dotado de veracidade quando a
linguagem enuncia os fatos reais.


Em Veritas, a verdade depende, de um lado, da veracidade, da memória e da acuidade mentalde quem fala e, de outro, de que o enunciado corresponda aos fatos acontecidos. A verdade não se refere às próprias coisas e aos próprios fatos (como acontece com a aletheia), mas ao relato e ao enunciado, à linguagem. Seu oposto, portanto, é a mentira ou a falsificação. As coisas e os fatos não são reais ou imaginários; os relatos e enunciados sobre eles é que são verdadeiros ou falsos.

Em hebraico verdade se diz emunah e significa confiança. Agora são as pessoas e é Deus quem são verdadeiros. Um Deus verdadeiro ou um amigo verdadeiro são aqueles que cumprem o que prometem, são fiéis à palavra dada ou a um pacto feito; enfim, não traem a confiança.

A verdade se relaciona com a presença, com a espera de que aquilo que foi prometido ou pactuado irá cumprir-se ou acontecer. Emunah é uma palavra de mesma origem que amém, que significa: assim seja. A verdade é uma crençafundada na esperança e na confiança, referidas ao futuro, ao que será ou virá. Sua forma mais elevada é a revelação divina e sua expressão mais perfeita é a profecia.


Aletheia se refere ao que as coisas são; veritas se refere aos fatos que foram;
emunah se refere às ações e as coisas que serão. A nossa concepção da verdade é uma síntese dessas três fontes e por isso se refere às coisas presentes (como na aletheia), aos fatos passados (como na veritas) e às coisas futuras (como na emunah). Também se refere à própria realidade (como na aletheia), à linguagem (como na veritas) e à confiança-esperança (como na emunah). Palavras como “averiguar” e “verificar” indicam buscar a verdade; “veredicto” é pronunciar um julgamento verdadeiro, dizer um juízo veraz; “verossímil” e “verossimilhante” significam: ser parecido com a verdade, ter traços semelhantes aos de algo verdadeiro.

Fonte: Livro Convite a Sabedoria – Marilena Chaui – Ed Atica.

domingo, 9 de junho de 2013

O verdadeiro encontro com Cristo

 

A palavra evangelho, não é originária do mundo cristão ou judaico, é antes de tudo uma palavra do mundo grego, empregada de forma muito apropriada do grego clássico com o sentido de boa-nova, boa-nova essa que  provocava manifestações  de um júbilo passageiro, com os conceitos de salvação, alegria e gratidão para com uma divindade pagã.

Uma coisa interessante a se notar neste vocábulo é que quer fosse de uso civil ou teológico, a alegria por ela provocada sempre seria passageira.

Assim como outras palavras da língua a palavra Evangelho  (euaggleion) passa por alterações semânticas e adquiri novos significados que transcendem o significado anterior, assim foi com a palavra AGAPE, em um resumo rápido o melhor amor para a melhor pessoa, ou ainda o melhor amor para a pessoa mais honrada no caso de Cesar por exemplo! Logo ágape passa a ser nos autores bíblicos a melhor e mais exaltada expressão do amor não para a melhor pessoa, visto que não há ninguém melhor ou acima de Deus, mas sim para o pecador!

A palavra evangelho agora na pena e mentalidade dos escritores do novo testamento deixa de ser uma boa-nova anunciada por um vidente de um deus pagão, e deixa de ter caráter transitório. o Evangelho agora é algo anunciado pelo próprio Deus que se fez carne, não por videntes ou profetas do mundo Greco-romano, e essa boa-nova  não trás em si apenas conceitos de benção temporais como chuvas, curas ou vitória nas guerras, trás um conceito novo de uma modificação do ser humano, um renascimento, uma novidade de vida, um apagar completo dos erros e pecados do passados e um caminhar em Cristo para a vida Eterna. O caminho desse evangelho não começa com a conquista de coisas temporais, mas começa com a a renuncia e com a metanoia, conversão, mudança de mente!

O evangelho do grego clássico, no conceito originalmente usado, é o evangelho das coisas temporais e passageiras e não poderia ser de outra forma, pois em nada o homem pode ser modificado, é um evangelho que “muda” apenas alguns acontecimentos a volta do se humano, mas não é uma palavra que pode mudar a sua própria vida interior! O evangelho de Jesus é o evangelho das coisas eternas, é o evangelho da mudança, da transformação interior, é o evangelho que foi recebido  pela Samaritana junto ao poço de Jacó, por Zaqueu um odiado publico, por Maria Madalena, e pelo ladrão condenado de forma justa e crucificado ao lado de Jesus, alias esse último entendeu perfeitamente o evangelho pois alem das coisas temporais viu no Cristo desfigurado da cruz, um Rei e Senhor, pois disse: “lembra-te de mim quando entrares no teu reino”

O evangelho do grego clássico, era recheado com palavra de auto-ajuda, provocantes e confiante. O evangelho de Cristo as vezes consiste em palavras duras, em correções, é um evangelho que mostra o homem quem ele realmente é com todas as suas incapacidades, defeitos e pecados.

Tenho ouvido com frequência um evangelho estranho nas igrejas evangélicas, um evangelho de coisas passageiras, efêmeras, que causa uma euforia coletiva, no momento que é anunciado. mas que não produz frutos dignos de arrependimento.

Assim temos claramente um quadro de Cristãos que se comportam como pagãos, esperando que seu deus lhes faça tudo, barganhando com seu deus, ou mesmo procurando aplaca-ló ou até controla-ló através de seus rituais. Triste é esse quadro, pois em nada ficou diferente do relacionamento entre os deuses mitológicos e seus adoradores.

É tempo ainda, de termos um encontro verdadeiro com a pessoa de Jesus Cristo, e recebermos o seu verdadeiro evangelho, transformador e restaurador, um evangelho que vai além muito além das coisas temporais, um evangelho que com a abundancia ou com a falta dela ainda assim é uma boa-nova pois se refere apenas não a coisas, mas a pessoas, não apenas ao possuir, mas com muita atenção ao ser.

2 Coríntios 4:1-18

Por isso, tendo este ministério, segundo a misericórdia que nos foi feita, não desfalecemos;
Antes, rejeitamos as coisas que por vergonha se ocultam, não andando com astúcia nem falsificando a palavra de Deus; e assim nos recomendamos à consciência de todo o homem, na presença de Deus, pela manifestação da verdade.
Mas, se ainda o nosso evangelho está encoberto, para os que se perdem está encoberto.
Nos quais o deus deste século cegou os entendimentos dos incrédulos, para que lhes não resplandeça a luz do evangelho da glória de Cristo, que é a imagem de Deus.
Porque não nos pregamos a nós mesmos, mas a Cristo Jesus, o Senhor; e nós mesmos somos vossos servos por amor de Jesus.
Porque Deus, que disse que das trevas resplandecesse a luz, é quem resplandeceu em nossos corações, para iluminação do conhecimento da glória de Deus, na face de Jesus Cristo.
Temos, porém, este tesouro em vasos de barro, para que a excelência do poder seja de Deus, e não de nós.
Em tudo somos atribulados, mas não angustiados; perplexos, mas não desanimados.
Perseguidos, mas não desamparados; abatidos, mas não destruídos;
Trazendo sempre por toda a parte a mortificação do Senhor Jesus no nosso corpo, para que a vida de Jesus se manifeste também nos nossos corpos;
E assim nós, que vivemos, estamos sempre entregues à morte por amor de Jesus, para que a vida de Jesus se manifeste também na nossa carne mortal.
De maneira que em nós opera a morte, mas em vós a vida.
E temos, portanto, o mesmo espírito de fé, como está escrito: Cri, por isso falei; nós cremos também, por isso também falamos.
Sabendo que o que ressuscitou o Senhor Jesus nos ressuscitará também por Jesus, e nos apresentará convosco.
Porque tudo isto é por amor de vós, para que a graça, multiplicada por meio de muitos, faça abundar a ação de graças para glória de Deus.
Por isso não desfalecemos; mas, ainda que o nosso homem exterior se corrompa, o interior, contudo, se renova de dia em dia.
Porque a nossa leve e momentânea tribulação produz para nós um peso eterno de glória mui excelente;
Não atentando nós nas coisas que se veem, mas nas que se não veem; porque as que se veem são temporais, e as que se não veem são eternas.

 

Vivamos o evangelho!

Rodryguez & Carvalho

Campanha de Santificação!

Ontem dia 16/11/2017, afim de cumprir uma antiga promessa, feita a um amigo, foi fazer uma visita na Igreja Pentecostal Deus é amor. ...