Programa Adoradores sem Limites

segunda-feira, 5 de outubro de 2009

AUTORIDADE ESPIRITUAL, COBERTURA ESPIRITUAL E OUTRAS APOSTASIAS

“E ele lhes disse: Os reis dos gentios dominam sobre eles, e os que têm autoridade sobre eles são chamados benfeitores. Mas não sereis vós assim; antes o maior entre vós seja como o menor; e quem governa como quem serve” (Lucas 22:25-26).


A autoridade divina não é conferida, herdada, ordenada ou expressa por homens, inclusive pelos auto-nomeados apóstolos. Ela é exercida por uma pessoa que esteja operando sob o Espírito Santo, não sendo uma autoridade intrínseca ou posicional. Ela não pode ser imposta sobre as pessoas. Ela é reconhecida e aceita por causa da obra do Espírito, no Corpo de Cristo. Ela procede da Cabeça e é reconhecida como desta procedendo, pois é conquistada, em vez de ser absolutista e posicional. A autoridade de Cristo flui através do cristão maduro e os outros reconhecem o mérito e dignidade dessa autoridade. A autoridade divina JAMAIS está numa hierarquia, nem se encontra num ofício ou posição. Sua fonte está no Espírito que em nós habita.


O tipo de subordinação em voga hoje em dia não é bíblico e não passa de uma desculpa para uma “pescaria rápida” nos mínimos detalhes da vida de uma pessoa, desde os assuntos sexuais até os financeiros, a fim de enquadrá-la às regras não escritas e outras coisas mais da “igreja”, da célula ou do grupo de exigência [O mesmo que a ICR tem feitos há séculos, através da confissão auricular]. A não ser que haja uma razão muito séria para suspeitar, quando alguém está vivendo em pecado grave, ninguém deve se intrometer em sua vida particular:



“Portanto, ninguém vos julgue pelo comer, ou pelo beber, ou por causa dos dias de festa, ou da lua nova, ou dos sábados” (Colossenses 2:16).



“Irmãos, não faleis mal uns dos outros. Quem fala mal de um irmão, e julga a seu irmão, fala mal da lei, e julga a lei; e, se tu julgas a lei, já não és observador da lei, mas juiz. Há só um legislador que pode salvar e destruir. Tu, porém, quem és, que julgas a outrem?” (Tiago 4:11-12).



“E, além disto, aprendem também a andar ociosas de casa em casa; e não só ociosas, mas também paroleiras e curiosas, falando o que não convém” (1 Timóteo 5:13).




Que nenhum de vós padeça como homicida, ou ladrão, ou malfeitor, ou como o que se entremete em negócios alheios” (1 Pedro 4:15).


Fazer admoestação, sem ser intrometidos. Devemos fluir vida de uns para os outros, não nos intrometendo nem controlando ou reajustando. Os cristãos realmente edificados e entrelaçados no Espírito automaticamente irão se abrir para compartilhar coisas, à medida em que o Espírito os aconselhe e dirija. Somos como uma família e não uma corporação ou exército. Somos um organismo e não uma organização! Uma família promove um ambiente de amor e de apoio, não de tirania ou de subordinação. Cada igreja ou assembléia local é como uma família. É independente, auto-governada, tendo Cristo como cabeça. Não existem hierarquias de igrejas nem apóstolos supervisionando uma cidade. Não existe a idéia de submeter-se a alguém para receber “cobertura”.

Respeitemos aqueles a quem o Senhor incubiu a função de orientar o corpo e cuidar dele, mas estejamos atentos, pois para não sermos presas de uma falsa autoridade que se intromete em questões alheias, que quer a todo o custo ser reconhecida, que busca o poder, apenas o poder, voltemos a simplicidade do evangelho.







Nenhum comentário:

Postar um comentário

Não serão postados comentários de cunho ofensivo, e nem de ordem pessoal, peço aos leitores que se atenham somente ao assunto postado em questão. Rodryguez