sábado, 20 de agosto de 2011

Alegrei-me quando me disseram...

 

Dia de culto, dia de congregar a sensação que tenho é a do Salmista, quando diz: “Alegrei-me quando me disseram: Vamos a casa do Senhor” -

Os hinos, as saudações, os testemunhos, a presença de Deus, a alegria de estar congregado... Para os que laboram quase a semana toda os dias de culto assumem  um significado todo especial, dia  de adorar, de louvar o que vive para todo o sempre... Lá estava eu neste domingo, ansioso, emocionado, alegre, queria só louvar, mas também queria só ouvir, queria só orar, tudo no culto é uma antecipação da eternidade, fico imaginado, quando chegar o dia em que louvaremos a Deus para Todo o Sempre! O coral cantou o hino “Maravilhosa Graça” ,  o  pregador, usou o tema do bom pregador, e falou sobre o calvário, citou, e nos impactou com João 3.16. Oito pessoas se decidiram por Cristo, o céu fez festa e nos na terra nos alegramos junto com os anjos do céu.

Mas algo me intrigava na minha frente duas pessoas, conversaram o culto inteiro... Isso mesmo o culto inteiro, as vezes era preciso uma atenção redobrada para ouvir a palavra visto que a conversa destas duas pessoas, logo eram três... Fiquei triste, algumas pessoas parecem não discernir o significado de um ato tão especial como o culto, perdem o seu tempo, e por pouco não tiram o tempo de outras pessoas.

Mas o culto seguia lindo e maravilhoso, já me propus a não sentar mais perto destas pessoas, procurarei um lugar onde os adoradores verdadeiros estiverem, quero estar entre as brasas e ser brasa, queimar na presença do Senhor, me derreter diante da sua voz... Talvez, pensei se tivesse ali algum entretenimento barato, desses que vemos atualmente em alguns eventos ditos “gospel” as pessoas prestariam atenção, bateriam palmas e diriam que foi uma “benção”,. Culto chato, sem graça, sem sal é preciso inovar... É o que escuto de algumas pessoas. Infelizmente a constatação é que querem ser agradados e não agradar penso até mesmo que querem ser louvados e não louvar...

As vezes penso  como deveria ser difícil levar a arca da aliança nos ombros, pesada, cansativo e ainda por cima, tinha que andar no mesmo ritmo, no mesmo compasso, mas penso também como deveria ser a sensação, de estar portando aquilo que significava a presença de Deus entre o povo, o símbolo Máximo da sua aliança. Enfim alguém resolver “inovar” e “facilitar” colocando-a sobre um carro de boi...

 

Rodryguez & Carvalho

Nenhum comentário:

Chega!

São dois mil anos de história da Igreja, uma historia que começou por volta do ano 33, uma historia gloriosa, de lutas, perseguições, da...