sábado, 14 de agosto de 2010

O Reino dos Céus em um grão de Mostarda

 

Introdução:

Reino dos céus , é um termo muito usual no Evangelho de Mateus (matatias em Heb, em Grego Mataion = Dadiva, dom de Deus). Sendo próprio Jesus no Evangelho de Mateus apresentado como Rei, O termo reino dos Ceus ou Reino de Deus, somados aparecem 54 vezes ao longo do Evagelho de Mateus, sendo 5 vezes “Reino de Deus”, como os demais judeus em respeito ao nome Sagrado evitavam citar “Deus” preferindo a forma “Reino dos Céus”.

Os Sábios Judeus da época, estudantes da lei e dos profetas esperavam o aparecimento do Messias, que inauguraria o REINO DOS CÉUS, na terra, livrando Israel de uma vez por todas de todos os seus opresores, na ocasiãos os romanos e implantando um a Messianico a semelhança do Reinado de Davi, uma vez que se acredita ser o Messias descendente de Davi. Deste a contagem genealogica da ascendencia de Cristo, Mateus se esforça para provar ser Jesus, O Messias esperado por sua geração, usando o metodo Judeu de interpretaçao númerica das escrituras, ele divide as genealogias em 3 seções de catorze gerações, isso tem a vem com o nome hebraíco de David, separando as consoantes temos DWD sendo o valor numerico de cada letra em hebraico 4+6+4 = 14 sendo catorze determinado pelos rabinos como número de Davi, assim Cristo é no dizer de Mateus 3 vezes Davi.

Com este método de interpretaçao Mateus mostra que Jesus, é o Messias, o descendente de Davi que veio para ocupar o Trono, é justamente aqui que o evangelho de Cristo, vai na contramão das aspirações rabinicas. Ele tem um Reino porém não é deste mundo, é um reino que já existe que está entre nós.

Reino, é a jurisdição debaixo da Autoridade de um Rei,  estar no reino é estar debaixo desta autoridade, Os evangelhos vão revelando por assim dizer os mistérios do reino pelas parabolas contadas por Jesus. Entre elas vamos  ver uma entre tantas que me chama a atenção;

 

A parabola do Grão de Mostarda.

Propôs-lhes outra parábola, dizendo: O reino dos céus é semelhante a um grão de mostarda que um homem tomou, e semeou no seu campo; o qual é realmente a menor de todas as sementes; mas, depois de ter crescido, é a maior das hortaliças, e faz-se árvore, de sorte que vêm as aves do céu, e se aninham nos seus ramos. MAteus 13.31-32

 

O grão de mostarda era um comparativo usado pelos rabinos para ser referirem a coisas pequenas e sem significancia, aqui começa o grande mistério do Reino dos Céus, aquilo que parece ser insignificante aos olhos humanos não o é aos olhos de Deus,  não devemos apenas considerar o inicio das coisas mas também o seu fim, o homem natural está limitado a olhar apenas para a aparência, ( pequeno, feio, pobre, etc) Jesus falando como Deus, olhando para o Futuro já conhecido via uma arvore grande servindod e abrigo as aves dos céus.

Um pé de mostarda selvagem que é exemplificado na Parabola me ate 2 metros de altura, sendo encontrado casos mais raros com até tres metros e isso claro, a partir de um pequeno grão de mostarda.

Vivemos em um   mundo que nem sempre as coisas saem como quiriamos que saissem, somos confrontados por nossos pensamentos e pensamentos é isto o Reino de Deus? Espere ele esta em crecimento, e ainda se tornará visível em sua vida.

Penso que queremos resultados imediatos em nossas vidas, queremos orar hoje e ser atendidos ontem! tudo isso porque estamos olhando as aparencias das coisa, como elas nos são pela vida e pelo mundo apresentadas. Pensamos em números, em somas, em agilidade, Deus pensa em quantidade, em estabelecimento, em crescimento. Se quisermos viver o reino deveremos aprender a cultivar as pequenas coisas, e fora de moda como oração e jejum ( hoje é mais fácil declarar!), a comunhão, a espera

O grão de Mostarda como simbolo da fé poderosa.

Disse-lhes ele: Por causa da vossa pouca fé; pois em verdade vos digo que, se tiverdes fé como um grão de mostarda direis a este monte: Passa daqui para acolá, e ele há de passar; e nada vos será impossível. Mateus 17.20

As duas alusões ao grão de mostarde estão intimamente ligadas no evangelho de Mateus, O reino é semelhante ao grao de mostarda, neste reino nos movemos pela fé, esta fé se for semelhante ao grau de mostarda, pode trazer o poder deste Reino para Tempo presente, a fé é modo pelo qual o Reino de Ceus, invade outros reinos, no caso do texto em especial o reino a ser invadido e ocupado seria o reino das trevas! Através da fé, é manifesto o Rei dos Reis, e outros reinos e ordens não podem subsistir!

Mas uma vez vemos um dilema entre o mediato, e visivel e as coisas invisiveis e pequenas, note que Jesus ainda disse associado ainda que era necessário jejum e oração para crescimento da fé.

Os antigos Judeus constumavam triturar a semente da mostarda e como ela obter uma farinha que misturada com azeite teria propriedades medicinais,  A fé que move as montanhas que traz o reio dos céus, não é apenas uma fé no sentido de confiança no poder de Deus, mas também uma fé triturada, no jejum e na oração nos silencio do nosso segredo com Deus, é uma fé triturada na nossa diminuição, do nosso quebrantamento, fé não é exaltação, como talvez os discipulos pretendiam mas é diminuição para que o reino se torne grande em nós para que a mostarda se torne uma hortaliça viçosa.

Um detalhe interessante sobre a mostarda em particular, atribuido pela moderna botanica,é o nome cientifico de sua familia, chamadas de cruciferas, ou em forma de CRUZ, dizendo isso com sentido a disposiçõa de petalas, penso que Jesus sendo 100% Deus, já sabia que os sábios de nossa epoca assim lhe classificariam, fico imaginando o pequeno grão de mostarda, crecendo e quando saem suas petalas são todos em forma de Cruz, penso no valor da cruxificação de Cristo, que como o grao de mostarda foi tido como vil (isaias 53) foi plantado no seio da terra por tres dias e tendo ressuscitado doi lhe dado todo poder no seu e na terra, estabelecendo assim o seu reino em nós que cremos nesta bendita semente de Davi.

Venha a nós Senhor o Teu Reino.

Nenhum comentário:

Chega!

São dois mil anos de história da Igreja, uma historia que começou por volta do ano 33, uma historia gloriosa, de lutas, perseguições, da...