segunda-feira, 18 de abril de 2011

O paganismo da Pascoa

"Porém, se vos parece mal aos vossos olhos servir ao SENHOR, escolhei hoje a quem sirvais; se aos deuses a quem serviram vossos pais, que estavam além do rio, ou aos deuses dos amorreus, em cuja terra habitais; porém eu e a minha casa serviremos ao SENHOR.". [Josué 24:15].

 

 

A pascoa biblica, originalmente foi celebrada pelo povo de Israel, quando este saiu do egito, cheia de significados e tipologia, esta pascoa apontava para Cristo, nosso cordeiro pascoal, que foi morto em nosso lugar sendo ele nossa passagem para uma vida nova. Por insistencia do imperador (exigencia!!!) Constantino o concilio de Nicéia fixou uma data para celebração da Pascoa Cristã diferente da data da pascoa Judaica, pois no dizer de Constantino: "uma obrigação cristã não ter nada em comum com os assassinos do Nosso Senhor", claro que esta mudança de data e esta afirmação tinha muito mais a haver com o forte anti-semitismo do império romano e sua forte assiciação ainda ao paganismo do que uma preocupação com a doutrina cristã, desta forma o cristianismo foi cada vez mais se afastando das suas origens hebraicas e sofrendo um processo lento e gradual de paganização.

Uma sociedade cristã de fato deveria ao longo dos anos ter mudado a sociedade a sua volta ou pelo menos preservado dentro da comunidade valores e simbologias biblicas, mas infelizmente não foi isso o que aconteceu. Sei que alguém por ai vai se levantar e me chamar novamente de religioso, dizer que isto não tem nada a haver etc, fico com a doutrina biblica, fico com os exemplos biblicos de israel que por se paganizar e se misturar foi espalhado entre todas as nações, sei que tenho um Deus zeloso, que o Espirito Santo arde em zelo por mim, e que nem ainda os nomes de outros deuses devem estar nos meus lábios, então não será a minha vida usada como continuadora de rituais pagãos, sencretizados em cristãos, em qualquer uma de suas formas.

O paganismo está sobretudo patente nas origens de dois símbolos,  reconhecidos como símbolos pascais: o ovo e o coelho. Os ovos têm por excelência origens pagãs: são emblemas da imortalidade, encontrados nos sepulcros pré-históricos da Rússia e da Suécia.

Para os egípcios, o deus Re nasceu de um ovo; para os hindus, Brahma surgiu de um ovo de ouro – Hiranyagarbha – e que depois, com a casca, fez o Universo. Para os chineses, P'an Ku, nasceu de um ovo cósmico. O ovo era, na realidade, considerado por diversos pagãos, como a génese da vida humana.

Já o coelho (ou a lebre), também um símbolo da Páscoa, é um “animal impuro”. Contudo, a Bíblia repugna esse animal (Deuteronômio 14:7; Levítico 11:6), o que levanta ainda mais reservas quanto à aceitação deste símbolo pascal.

Alguns povos da Antiguidade consideravam o coelho como o símbolo da Lua; é possível que ele se tenha tornado símbolo pascal devido ao facto da Lua determinar a data da Páscoa. Por ocasião das festas de Astarote ( Eastre, Isthar) os sacerdotes sacrifcavam uma lebre e através da pratica da advinhação diziam ler a sorte em suas etranhas.

A unica celebração da pascoa biblica é a hebraica, com o cordeiro como simbolo maximo tanto para judeu como para cristãos.

 

Rodryguez e Carvalho

Um comentário:

GRUPO RODRIGUES disse...

Concordo plenamente servo.

Chega!

São dois mil anos de história da Igreja, uma historia que começou por volta do ano 33, uma historia gloriosa, de lutas, perseguições, da...