quarta-feira, 16 de outubro de 2013

Alienação

Há vários sentidos para o conceito de alienação. Juridicamente, significa a perda do usufruto ou posse de um bem ou direito pela venda, hipoteca etc. Nas esquinas vemos cartazes de marreteiros para motoristas: “Compramos seu carro, mesmo alienado”.

Em outro contexto, referimo-nos a alguém como um “alienado mental”, querendo , com isso, dizer que tal pessoa é louca. Aliás, alienista é o médico de loucos.

Etimologicamente a palavra a alienação vem do Latim alienare, alienus, que significa  “que pertence a um outro”, Alienar, portanto, é tornar alheio, é transferir para outro o que é seu.

Existe também a alienação religiosa, fanática, que aparece em cultos ligados a Idolatria, quando um povo constrói ídolos e passa ase submeter a eles. Esse ídolo construído por mãos humanas, passa a assumir um valor que antes não tinha, criando um certo encantamento ou feitiço pessoal para aquele que o idolatram., Na alienação religiosa então o homem passa aquilo que é seu para outrem, outrem porém que não existe é fruto de suas próprias mãos, imaginações ou em pior caso fruto de forças demoníacas opressivas. O homem assim alienado, aliena também aquilo que não é seu pois a honra e glória devida pertencem somente a Deus.

Temos aqui um problema duplo que causa escravidão espiritual, além da idolatria roubar do homem aquilo que lhe é próprio, ainda o faz roubar aquilo que pertencer a Deus. Assim o idolatra peca contra si mesmo e seus semelhantes e peca também contra Deus.

A fé cristã em si não aliena o homem mas o complementa, não lhe subtrai mas lhe acrescenta pois o homem alheio e alienado das promessas de Deus passa agora em Cristo a ser um herdeiro.

A idolatria condenada pela bíblia tem dois aspectos fundamentais, o primeiro é a proibição de se fazer imagem ou representação do criador e a segunda de se fazer uma imagem da criatura ou das coisas criadas e equipara-las ou torna-las semelhantes ao Criador.

Um símbolo nunca pode ser mais importante do que o ele simboliza. E o uso exagerado de símbolos tem em si a capacidade de servir de laço e tropeço fazendo com o que homem ao invés de comtemplar o criador comtemple o símbolo em si, como um elo de ligação ou objeto magico, conferindo vida e valor aquilo que nenhum valor tem.

Nossa pátria é o céu, mas enquanto na terra e interagindo com o mundo devemos tomar cuidado para que a nossa fé não seja alienada, por coisas matérias, quando falamos em idolatria pensamos logo em imagens, em religiões pagãs etc. Mas existe uma idolatria que é sutil, e que está ligada diretamente ao dia a dia , ao trabalho e ao dinheiro, e a idolatria consumista, que visa sempre a posse cada vez maior de bens matérias, mesmo que não precisemos deles. O dinheiro e a posse de bens de consumo passa a ter um valor maior do que a vida espiritual, afinal é melhor ter do que ser.

Jesus nos advertiu para que tivéssemos uma vida moderada, equilibrada, estivéssemos contentes. Não isso não é uma apologia a miséria nem a pobreza, mas antes disso uma doutrina sobre a vida equilibrada, vida esta que agrada a Deus.

O cristão alienado, idolatra, e que busca ansiosamente as coisas desde mundo, esquece-se de buscar em primeiro lugar o reino. Dizendo ter fé para possuir, afastou da fé, pois não crê que a busca do reino em primeiro lugar ira lhe acrescentar as demais coisas!

 

Não deixemos que o presente século nos aliene das coisas espirituais.

 

Rodryguez & Carvalho

Um comentário:

Vanderleia disse...

Excelente post, temos que ter cuidado com esse mundo.
http://cantinhorestaurado.blogspot.com.br/

Chega!

São dois mil anos de história da Igreja, uma historia que começou por volta do ano 33, uma historia gloriosa, de lutas, perseguições, da...