terça-feira, 31 de dezembro de 2013

PREGADORES, CUIDADO COM A ABREVIAÇÃO VOCABULAR!

Abreviação Vocabular

Há um fenômeno que ocorre em todos os idiomas, denominado por alguns gramáticos como abreviação vocabular. É uma tendência que as pessoas, na dinâmica da linguagem e buscando uma elocução sempre mais rápida, tem de abreviar vocábulos e expressões sem prejudicar a sua compreensão. Depois que o uso se torna comum na forma coloquial, os escritores e gramáticos passam a adotá-las em seus trabalhos como formas aceitas de se comunicar a ideia. Desta forma temos casos como a substituição de José por Zé, cinematografia por cinema e este por cine. Antigamente o pronome reto usado para a terceira pessoa do singular era vossa mercê, que passou para vosmecê, que depois passou para você que hoje é usado como ocê e que já, numa economia radical de elocução, tem sido pronunciado o nosso conhecido cê. “Cê vai à igreja hoje?” Até aí tudo bem. É uma tendência em todos os idiomas e procura-se observar se não há prejuízo na compreensão antes que o termo seja definitivamente aceito. No entanto, como toda tendência do ser humano, a tendência da tendência é alastrar-se para outros ramos da atividade humana e, nesse caso, chegamos ao campo bíblico teológico. Seguindo esse curso, é comum reduzirmos os textos bíblico que normalmente repetimos a pedaços que acabam confundindo o sentido verdadeiramente bíblico que o mesmo possuía. Um dos textos que mais sofrem com essa economia idiomática é o de Romanos 8:28 que diz que todas as cousas cooperam para o bem daqueles que amam a Deus, daqueles que são chamados segundo o seu propósito”. Numa primeira redução desse texto, é comum ouvi-lo pronunciado apenas “todas as cousas cooperam para o bem daqueles que amam a Deus”. Neste ponto já nos esquecemos de que existe um chamado e um propósito divino sobre aqueles para os quais todas as cousas cooperam. Mas não paramos aí. Em nossa ânsia pela elocução rápida, logo estamos pronunciando apenas “todas as cousas cooperam para o bem”. Nesse ponto já não se faz necessário nem amar a Deus. Tudo vai ficar bem. Mas não paramos por aí. O próximo passo é “todas as cousas cooperam” ou “tudo coopera”, para ficar ainda mais simplificado. Ora, a essa altura Deus já saiu de cena, pois não chama ninguém, não estabelece propósito e nem é amado. A religião continua, mas Deus já era. Não é incomum encontrarmos pessoas envolvidas em situações complicadas, muitas das vezes em pecado e franca rebelião contra Deus, afirmarem numa atitude de “tomara que dê certo”: “Tudo coopera, irmão.” Cada coisa em seu lugar. A teologia bíblica não permite a abreviação vocabular sem o ônus da perda de seu sentido completo e contextualizado. Uma exegese sadia não se faz com pedaços de textos, mas cada texto deve ser considerado no seu todo, para que se tenha o seu sentido completo. Assim nos achegamos mais à verdade de Deus, afastando-nos da sedução dos conceitos e doutrinas humanas e até diabólicos.


FONTE:REVISTA ATOS.


 Pois é amigos chegamos a ultima postagem de 2013 amanhã e ano novo! Obrigado a todos que tem acompanhado o Didaque. Um prospero ano novo e vivamos sempre na expectativa da volta de Cristo. 


Rodryguez & Carvalho

terça-feira, 24 de dezembro de 2013

Apostolo Paulo e o Natal.

 

Chegou o Natal! Um filme baseado em Charles Dickens aqui, um arvore ali, um Papai Noel Acolá. Luzes que  brilham, estrelas presentes, famílias que se reúnem, confraternizações… `

E Jesus? Ficou em algum filme acerca do seu nascimento, em alguma cantata e .. vejamos… acho que só isso mesmo! O natal é um caso raro em que o aniversariante deixa de ser a pessoa principal, pelos menos tem sido assim desde o aparecimento de um tal de “ bom velhinho”

O natal também é o resultado de 2000 anos de historia em que arquetipias religiosas diferentes e antagônicas acabaram se sincretizando e resultando em um conjunto de tradições que hoje nos parecem comuns.

Como cristãos sabemos que arvores, São Nicolau, e o próprio dia 25 de Dezembro, não dizem respeito a Cristo, e nessa época sempre se levantam apologistas de plantão  que condenam veemente a comemoração e de modo parecido se levantam outros que a apoiam.

Eu prefiro não ficar de lado nenhum. Me desculpem os apologistas de plantão mas o verdadeiro Deus não precisa de quem o defenda com unhas e dentes, agressividades e falta de respeito, alias isso é preciso com relação a falsos deuses,porque de outra forma suas doutrinas não se sustentam, quanto verdadeiro Deus, nada o fará deixar de ser quem ele É. Então muita calma nessa hora. Me desculpem também os que acham que vou aderir aos ritos simbologias já há muito estabelecidos, não vou estou consciente da minha fé e nela não existe lugar para arvores de Natal e Papai Noel.

Mas fico imaginando Paulo na sua sabedoria dada por Deus, andando pelo areópago, imagino o mesmo Paulo andando em nossas dias, entre Arvores de Natal, Papai Noel, Enfeites, guirlandas… Tenho certeza de que apos uma seria reflexão ele diria em tom respeitoso: “ em tudo vos vejo um tanto religiosos” e a partir dai sem se importar com a data ou com as simbologias presentes, Ele iria anunciar aquele é honrado mas de fato não se conhece.

A verdade do Logos, mesmo que tenham sido obscurecida pelas tradições, tem a força espiritual de se manifestar quando focamos nossos esforços nessa verdade. E uma vez manifesta é essa luz que alumia todo o mundo que vai debelando as trevas das tradições existentes.

Jesus nasceu, é não importa se foi dia 25 de Dezembro ou Não. Ele é o Verdadeiro Sol da Justiça.

Passando o ano todo anunciando a seus nascimento, vida, morte e ressureição e vamos deixar de faze-lo porque a data não nos é correta?

Anunciemos pois o Rei de toda a terra que nasceu em Belém, aproveitemos a ocasião. Se o nosso anuncio for verdadeiro e desprovido de falsa e tendenciosa apologia que só serve para envaidecer a si mesmo, a Luz deste Sol da Justiça, acabará por triunfar onde existe as trevas da falta de conhecimento correto acerca de sua Pessoa.

Feliz Nata e um Prospero Ano Novo.

terça-feira, 17 de dezembro de 2013

Saudosa Lembrança

 

Aos meus amigos que sempre estão comigo nas minhas “blogagens”, quero aqui abrir meu coração e externar minha tristeza. Mais uma vez sou alvejado por um inimigo cruel, que não escolhe, classe, sexo, religião, etnia, grandes ou pequenos, ricos ou pobres. Perdi minha sobrinha querida e uma dor sem explicação tomou conta da minha alma.

Esse meu inimigo quem vem para roubar minha alegria, destruir meus planos e tirar minha apreciação pelas coisas criadas, esse meu inimigo me pegou outra vez desprevenido.

Desprevenido sim , porque para a hora incerta não há quem diga que prevenido esteja, mas não desprotegido, mantenho minha fé Naquele Infante que nasceu na cidade de Belém que embora sendo Deus se igualou a humanidade com seu nascimento, mantenho a minha fé Nele, que em seus dias, e foram poucos os seus dias, anunciou o evangelho, aos pobres, contristados e enlutados iguais a mim, confio Nele que morreu no mais infames dos suplícios, porém ao terceiro dia ressuscitou, subiu aos céus e fez uma promessa, dizendo que todos os que nele cressem seriam participantes com  ele na sua ressureição.

Cristo viveu a nossa vida, morreu a nossa morte e nos  fez participantes da sua ressureição.

Meu inimigo chamado Morte, já esta vencido, pois Cristo o fez por mim. Em algum momento na Eternidade sei que como salvo em Cristo, verei novamente meus entes queridos salvos em Cristo, Sei também que na consumação da presente era nos veremos na ressureição.

Fico aqui com a dor e a saudade, mas fico também com a certeza, e atento pois sei que a trombeta de Deus soará e os que morreram em cristo ressuscitarão.

Esse momento meu de dor é também meu momento de reafirmar a minha fé.

Não pude chegar em tempo ao velório, estou a mais de 1400 km mas irei rever meus parentes e amigos, consola-los e comunicar a eles algo do Senhor. No meu costume nessas horas tristes cantamos, sim cantamos porque nem mesmo essa tristeza imensa tira de nós a visão do céu. Já chorei e choro enquanto escrevo, chorarei outras vezes até que Deus venha mitigar a minha dor, mas também canto porque tenho a esperança acerca daqueles que dormem no Senhor.

Fico eu com a saudosa lembrança da minha sobrinha Ellen Menezes e a certeza que a verei de novo, sim a verei porque muito embora ela não esteja mas presente no corpo, continua fazendo parte de um corpo do qual eu também o faço, O Corpo de Cristo, a Igreja triunfante de Jesus.

E nesse momento de dor eu canto o hino 139 do nossa hinario a Harpa Cristã.

 

Já o Filho de Deus é descido do céu;
A obra perfeita na cruz consumou;
E ali Sua carne, rasgada qual véu,
Vivo caminho para o céu nos consagrou.

Jesus é meu eterno Redentor!
Por Seu sangue já remido estou;
Deu-me paz, poder consolador;
Vivo contente, pois Ele me amou.

Por Adão, o pecado no mundo entrou;
Ninguém dessa lei se podia libertar;
Mas o Filho do homem por nós triunfou,
Nele podemos do mal ressuscitar.

Do inferno, que paga aos maus, há de dar,
Do medo da morte, esse dardo cruel,
Do abismo eterno te pode salvar,
Só Jesus Cristo, o bom Emanuel.

Bem alegres buscamos a pátria de amor,
A qual Deus no céu para nós preparou,
Onde sempre veremos o nosso Senhor,
Cristo Jesus, que do mal nos libertou.

 

Rodryguez & Carvalho

quinta-feira, 5 de dezembro de 2013

Perdoai as ofensas

 

 

“A PIOR PRISÃO QUE UM CRISTÃO PODE TER É ESTAR SUJEITO AO INFERNO DE FOGO E ACHAR QUE ESTARÁ SUJEITO AO PARAÍSO E TUDO ISSO PELA FALTA DE PERDÃO E JUSTIÇA PRÓPRIA.

O cristianismo tem sido, conhecido pelo menos tecnicamente como a “religião” , que prega o amor e o perdão de Deus, porém não foram raras as vezes aolongo da história Cristã, que o sentimento de juízo imediato, vingança e punição se fez presente nas fileiras ditas Cristãs.

O Cisma entre o oriente e ocidente ocorrido por volta do século IX, O tribunal da “santa inquisição”  na idade média, as cruzadas contra os sarracenos, morte de protestantes pelo próprios protestantes com o aval de Calvino e Zwinglio, por causa de questões doutrinárias referentes ao batismo!

Em pequena escala, porém.  nem tão menos perigosa, existe a falta de perdão nos relacionamentos diários, familiares, e eclesiásticos na vida comum da igreja.

Há pouco tempo atrás ouvi um Cristão dizer; “Que Deus o perdoe, porque eu jamais o farei” – Não sou Deus para perdoar!

Triste inversão de pensamento e realidade, José do Egito diante de seus irmãos quando estes, se prostraram pedindo seu perdão, apenas lhes disse; “ estou eu no lugar de Deus? – e lhes falou amorosamente ao coração.

Jesus ensinando os seus discípulos a orar, ensinou-os uma grande doutrina acerca da resposta na oração, sim , digo resposta na oração porque, todo o que ora e busca a Deus, procura ser ouvido, ter seus pedidos atendidos. Jesus então ensina o que fazer para ter seu pedido atendido dizendo:

“e perdoa-nos as nossas dívidas, assim como nós também temos perdoado aos nossos devedores;e não nos deixes entrar em tentação; mas livra-nos do mal. Porque teu é o reino e o poder, e a glória, para sempre, Amém . Porque, se perdoardes aos homens as suas ofensas, também vosso Pai celestial vos perdoará a vós; se, porém, não perdoardes aos homens, tampouco vosso Pai perdoará vossas ofensas”. Mateus 6: 12-15

Simples e não precisamos “teologizar” para entender essas palavras. Ao perdoado, Deus espera que ele perdoe, quem não perdoa, não terá perdão!

Em outra passagem Jesus também ensina o perdão dizendo:

“Por isso o reino dos céus é semelhante a um rei, que resolveu ajustar contas com os seus servos.E passando a fazê-lo, trouxeram-lhe um que devia dez mil talentos.Não tendo ele, porém, com que pagar, ordenou o seu senhor que fosse vendido ele, a mulher, os filhos e tudo quanto possuía, e que a dívida fosse paga.Então o servo, prostrando-se reverente, rogou: Sê paciente comigo e tudo te pagarei.E o senhor daquele servo, compadecendo-se, mandou-o embora, e perdoou-lhe a dívida.Saindo, porém, aquele servo, encontrou um dos seus conservos que lhe devia cem denários; e, agarrando-o, o sufocava, dizendo: paga-me o que me deves.Então o seu conservo, caindo-lhe aos pés, lhe implorava: Sê paciente comigo e te pagarei.Ele, entretanto, não quis; antes, indo-se, o lançou na prisão, até que saldasse a dívida.Vendo os seus companheiros o que havia se passado, entristeceram-se muito, e foram relatar ao seu senhor tudo o que acontecera.Então seu senhor, chamando-o, lhe disse: Servo malvado, perdoei-te aquela dívida toda porque me suplicaste; não devias tu, igualmente, compadecer-te do teu conservo, como também eu me compadeci de ti?E, indignando-se, o seu senhor o entregou aos verdugos, até que pagasse toda a dívida.Assim também o meu Pai celeste vos fará, se do íntimo não perdoardes cada um a seu irmão”. - Mateus 18:23-35

Sem demora podemos dizer que a falta de perdão tem sido o meio pelo qual Satanás tem alcançado vantagem no seio da Igreja, da Família e da Sociedade, a falta de perdão tem sido o elemento desagregador, ferramenta de destruição tem causado divisões. Paulo na sua sabedoria e autoridade apostólica disse:

A quem perdoais alguma cousa, também eu perdôo; porque de fato o que tenho perdoado, se alguma cousa tenho perdoado, por causa de vós o fiz na presença de Cristo, para que Satanás não alcance vantagem sobre nós, pois não lhe ignoramos os desígnios”. - II Coríntios 2:10,11”

O perdão não deve conhecer limites, dai a famosa afirmação de Cristo ao dizer   setenta vezes sete!

Perdão é um ato de fé, fé é uma questão de decisão onde se decide fazer e acreditar que Deus é verdadeiro em suas Palavras!

Acautelai-vos. Se teu irmão pecar contra ti, repreende-o; se ele se arrepender, perdoa-lhe.Se por sete vezes no dia pecar contra ti, e sete vezes vier ter contigo, dizendo: Estou arrependido, perdoa-lhe. Então disseram os apóstolos ao Senhor: Aumenta-nos a fé”. - Lucas 17:3-5

Mas, talvez você se pergunte: onde fica o juízo, a justiça e o direito? Os homens do antigo testamento, não pediam a justiça sobre os seus inimigos, e o que dizer de Davi nos Salmos imprecatórios?, onde é pedido a Deus a vingança sobre seus inimigos?

Minha resposta, é que vivemos, um  novo tipo de relacionamento em Cristo, uma nova dispensação, e a atual dispensação é chamada dispensação da Graça, do favor imerecido, dispensação iniciada  com A morte de Cristão em favor dos nossos pecados para que pudéssemos ter o perdão de Deus, todo o mistério e ministério dessa dispensação baseia-se nisso: “Deus em Cristo reconciliando consigo o mundo”  Mistério este que esteve oculto pelos século mas agora nos foi revelado, ministério o qual nós somos convidados a sermos seus ministros.

Um fato se faz interessante para que possamos compreender a atual dispensação, com já falei.:

Jesus ao chegar em uma sinagoga leu um trecho do profeta Isaias e se identificou de imediato como o agente nela descrito, o trecho completo seria este.: 

O espírito do Senhor DEUS está sobre mim; porque o SENHOR me ungiu, para pregar boas novas aos mansos; enviou-me a restaurar os contritos de coração, a proclamar liberdade aos cativos, e a abertura de prisão aos presos;A apregoar o ano aceitável do SENHOR e o dia da vingança do nosso Deus; a consolar todos os tristes;
Isaías 61:1-2

Mas se você ler o texto com atenção perceberá que Jesus omitiu, uma pequena parte da sentença:

O Espírito do Senhor é sobre mim, Pois que me ungiu para evangelizar os pobres. Enviou-me a curar os quebrantados do coração, pregar liberdade aos cativos, E restauração da vista aos cegos, A pôr em liberdade os oprimidos, A anunciar o ano aceitável do Senhor.E, cerrando o livro, e tornando-o a dar ao ministro, assentou-se; e os olhos de todos na sinagoga estavam fitos nele. Lucas 4:18-20

Jesus em sua leitura simplesmente, encerrou na parte do texto que diz: “O ano aceitável do Senhor”  - deixou de ler propositalmente a frase “O dia da Vingança” , Sabe porque? Porque este não era o proposito do seu ministério! E claro não é também o nosso! O dia da vingança, justiça e juízo virá, mas não nesta dispensação.

Finalmente usando as palavras que ouvimos domingo na Igreja, quem libera o perdão tem em si uma fonte de bênçãos, em duas vias, tanto para  para quem libera o perdão, como para quem é perdoado ! E  uma fonte não pode ser detida, sem a entulham em um lugar ela aparecerá em outro, jorrando sempre.

Temos uma facilidade de esquecer daquilo que Deus vez por nós, uma vez que estavamos mortos em nossos delitos e pecados e éramos por natureza filhos da ira . Mas lembremos que ELE nos deu VIDA.

Perdoe.

Lançai a Rede

 

Lançai a rede…

Jesus chega junto ao lago de Genesaré, e uma multidão de pessoas vem ao seu encontro para ouvi-lo, para ouvir a palavra de Deus, mas tamanha era a euforia do povo, que Jesus pede a uns pescadores que estavam lavando as suas redes para Ele entrar no barco deles e palestrar (ensinar as pessoas o caminho de Deus). Estes pescadores estavam muito cansados, pois haviam trabalhado a noite inteira mas não conseguiram pescar nenhum peixe se quer. Porém tiverampaciência e deixaram Jesus entrar em seu barco.

Após Jesus ministrar ao povo, ele disse a Simão Pedro para jogar as redes em um lugar fundo, e Pedro lhe disse o que havia acontecido, mas “sobre a tua palavra lançarei as redes”. Pedro pegou tantos peixes que teve que pedir para seus sócios Tiago e João lhe ajudarem com o outro barco, pois no barco onde Pedro estava com Jesus não havia mais lugar para colocar os peixes. Diante disto, deste milagre, desta vitória, Pedroreconhece que Jesus é o Filho de Deus, sehumilha diante de Jesus. O Mestre lhe fala que ele, Pedro se tornará pescador de homens, e eledeixa tudo e segue Jesus imediatamente. Agora:

Que lições podemos aprender com este texto bíblico?

1 – Ouvir a Palavra de Deus
*Devemos ler a Bíblia, a palavra de Deus, escutá-la, memorizá-la…pois através dela iremos vencer o diabo, as adversidades da vida, o pecado.

2 – Trabalho
*Deus chama quem está ocupado;
*Os pescadores estavam ocupados lavando as suas redes;
*Deus não chama desocupados, que não querem saber de trabalhar;
*Temos que nos mecher, fazer algo, pois “a seara é grande e poucos são os trabalhadores dispostos a trabalhar na seara…”

3 – Deixar Jesus entrar no barco de nossas vidas
*Pedro deixou Jesus entrar em seu barco, e seu problema foi resolvido;
*Devemos deixar Jesus entrar em nossas vidas e nos orientar, nos mostrar o caminho que devemos seguir;
*Muitas vezes deixamos lixo entrar em nossas vidas, através da televisão,através da internet;
*”…enchei-vos do Espírito e não satisfareis os desejos da carne…”
*Filipenses 4:8 “Finalmente irmãos, tudo o que é verdadeiro, respeitável, justo, puro…seja isso que ocupe o vosso pensamento…”

4 – Paciência
*Os pescadores tiveram paciência, e Pedro em especial deixou Jesus entrar em seu barco depois de ter passado uma noite inteira sem pegar um peixe se quer; Pedro tinha motivos suficientes para ir para casa, pois estava cansado, mas esperou Jesus ensinar a multidão e então pode ver o que ele não conseguiu ver a noite inteira;
*Muitas vezes somos impacientes, queremos que as coisas aconteçam imediatamente, mas “tudo tem seu tempo determinado…”conforme Eclesiastes 3.

5 –
*”….sob a tua palavra lançarei as redes…”
*Pedro ficou contrariado com o que Jesus lhe disse, mas se fundamentou na palavra e agiu por fé, creu que algo poderia acontecer;
*”Sem fé é impossível agradar a Deus”.

6 – Vitória
*O milagre aconteceu, a vitória chegou, os peixes vieram;
*O problema foi solucionado.

7 – Reconhecer
*Relembrar de onde saímos;
*Pedro reconheceu o poder de Deus em Jesus;
*Se humilhou diante do Mestre;
*Quando recebemos uma cura, um milagre, uma vitória, muitas vezes nos esquecemos de agradecer ao Senhor, nos esquecemos facilmente de onde Deus nos tirou;
*”…tirou-me de um tremendal de lama…”

8 – Evangelizar
*Pescadores de homens;
*Dar bom testemunho no trabalho, na escola, em casa;
*Testemunhar os feitos do Senhor em nossas vidas;
*Pregar em tempo e em fora de tempo.

9 - Deixar tudo
*Devemos deixar tudo para seguir a Jesus;
*Nosso comodismo;
*Nossa zona de conforto;
*Nossa preguiça.
*Renunciar nosso sono, tempo, dinheiro.

A pesca maravilhosa ocorreu com Pedro, Tiago e João, mas pode acontecer conosco nos dias de hoje, basta querermos e pagarmos o preço de uma vida de busca ao Senhor, uma vida de renúncia aos pecados da carne, uma vida de entrega e confiança em Jesus.

domingo, 1 de dezembro de 2013

Restituição

 

Algumas palavras adquiriram uma importância maior do que outras no vocabulário evangélico, entre essas palavras uma que esta muito na moda é a palavra RESTITUIÇÃO. Campanhas, cultos específicos, pregações direcionadas e até louvores, realmente esse tema atrai muito a atenção geral do público evangélico.

Sempre que escuto falar em restituição invariavelmente percebo que este tema se encontra intimamente ligado com a teologia da prosperidade associado também a busca incansável por realizações pessoais e materiais.

Já faz um, certo tempo em que o sentido da fé cristã teve sua direção mudada. Fala-se muito em conquista e se imagina a fé cristã como uma caminhada de alvos a serem conquistados. Muito embora não posso negar que existe um carreira proposta e um único alvo a ser desejado, este porém é Jesus o autor e consumador da nossa fé.

Engraçado como as coisas são distorcidas com o tempo e como o próprio sentido da fé é deturpado de forma quase invisível.  Em Mateus cap. 6 verso 25, Jesus no seu famoso sermão da montanha orientou seus discípulos a não andarem ansiosos quanto a própria vida no tocando a b]nossa subsistência, no verso 32 do mesmo capitulo diz ainda que são os gentios que procuram tais coisas, E em uma revelação poderosa acerca da pessoa do Deus Paim, nos diz que Deus já sabe o que precisamos, dando a entender que ele sabe cuidar das nossas vidas em sua sabedoria infinita, e no verso 33 nos exorta a buscar em primeiro lugar o Reino dos Céus, sabendo que se agimos assim as outras coisas serão acrescentadas em nossas vidas.

È triste a constatação porém é verdadeira, muitos cristãos evangélicos estão vivendo suas vidas como gentios, pagãos, procurando primeiro as coisas terrenas. O evangelho pragmático de resultado resumido pela formula um pouco sofista, que diz: se funciona é bom! Um evangelho que não abre espaço para as verdades bíblicas acerca da soberania de Deus, seu cuidado com nossas vidas e seu modo peculiar de agir.

Eu creio no poder de Deus, no poder transformador, na regeneração do homem como um todo, creio na restituição, porém o principio será sempre o de Mateus 6.33 – O problema do ser humano não são os outros, nem as circunstancias, ouso dizer que nosso problema principal também não está nas regiões espirituais da maldade. O nosso maior problema é o pecado, pois a  bíblia diz que cada um deve se queixar do seus próprios pecados! Sendo assim a solução sempre estará em se levar um vida tendo como alvo o reino de Deus, a santificação e separação do mundo e suas coisas pecaminosas, este sim é o primeiro passo a ser dado em busca da restituição.

Lendo o Livro de Joel, que eu particularmente considero o livro bíblico da restituição, pois nele encontramos uma nação falida, atacada por ondas de pragas que estavam acabando com a plantação, a terra estéril, e ainda por cima o profeta diz que a nação deveria se preparar pois a invasão dos gafanhotos´era apenas um sinal da invasão de povos inimigos ou seja a situação iria ficar ainda pior. È meio a tudo isso que Deus faz uma promessa de RESTITUIÇÃO! Joel 2.25 – Lendo livro com atenção veremos que o problema todo de Israel era o pecado, o  coração endurecido, o distanciamento do Senhor, e sendo assim em Joel 1.12 – 17 Deus manda o povo se converter, rasgar o coração, apregoar um jejum e chorar, para Deus se mostre zeloso para com seu povo e sua terra!

Os que querem ter suas vidas restituídas devem restituir a Deus o seu lugar que lhe é devido.

Rodryguez & Carvalho

 

terça-feira, 19 de novembro de 2013

Identidade! Quem é você?

 

Que ocupação é a tua? Donde vens? Qual é a tua terra? E de que povo és tu? Jn 1.8

Identidade é uma característica interessante, em primeiro lugar podemos dizer que identidade é a qualidade do que é idêntico, idêntico por sua vez é aquilo que pode ser comparado a outra coisa em relação a sua semelhança. Identidade também significa um conjunto de traços que podem distinguir um individuo dos demais.

O cristão é convidado pelas escrituras a ser idêntico a Cristo, ser imitador de Cristo assim como Paulo o era, e em contra posição é exortado a ser completamente diferente do mundo.

Nos tornamos iguais e semelhantes aquilo que amamos, se alguém ama o mundo será semelhante ao mundo e amor do pai não estará nele. Se alguém por sua vez ama a Cristo será semelhante a Cristo.

Mas o amor não apenas uma coisa interiorizada, escondida e oculta, o amor possui uma força que rompe com as barreiras da interiorização e sempre acaba por se manifestar. Assim quem ama sempre terá ações e atitudes que demostrarão o seu amor.

Quem ama a Cristo guarda as suas palavras e procura sempre agrada-lo, é importante lembrar que o amor não é medo, mas o amor para ser amor precisa ser voluntário.

Existem duas classes de cristãos que serão identificados de acordo com suas atitudes, suas preferencias musicais, seu modo de vestir, de falar enfim toda a sua conduta, uma vez que norteamos nossa condutas de acordo com o que nos identificamos. Esses dois grupos são os cristãos identificados com Cristo e os cristão infelizmente identificados com o mundo!

Andando aqui e ali, ouvi um “Cristão” falando com um ímpio sobre as “virtudes” de sua igreja, um local agradável, familiar, um local para jovens com danças, baladas, etc. Bom não julgo o costume isso estará longe de mim. Porém o que me intrigou foi o mesmo cristão dizendo para seu amigo ímpio que sua igreja era liberal, não era como algumas no seu dizer radicais e cheias de costumes e por ai foi o rumo da prosa, falando de sua igreja e seu modo de vida de sua identidade em detrimento dos demais.

Me desculpe se você pensa ao contrário, alias é direito seu pensar o que quiser. Porém eu prefiro mil vez ser identificado com um Cristão sincero por mais exagerado que ele possa ser do que ter como base da minha identificação o mundo.

Prefiro ser identificado com aqueles que eram pelo excesso de zelo, com aqueles que acham que tudo pode ser pecado, do que ser identificados com aqueles que eram pela completa falta de zelo e santificação.

Entendo que toda a identificação produz um “modus vivendi” uma cultura própria. A igreja não precisa parecer “legal” aos olhos mundo para atrair pessoas. Ser fazer tolo ou de sábio não significa ser igual, antes significa explicar exatamente aquilo que a pessoa está apta ou condição de ouvir. O cristão é um peregrino, um estranho que não quer nem mesmo que lhe seja dada de graça a cidadania mundana, pois sabe que a sua verdadeira pátria esta nos céus.

Ha alguns milhares de anos nas terras da babilônia três jovens, foram levados cativos e tiveram todos os convites, oportunidades e até mesmo imposição pela força para que eles esquecem ou negassem a identidade e se paganizassem de acordo com as tradições babilônicas. Porém esses três jovens, resolveram firmemente não se contaminar e mantiveram de forma honrosa e corajosa a sua identidade.

 

Sejamos Imitadores de Cristo!

 

Rodrygues&Carvalho

segunda-feira, 18 de novembro de 2013

Tempo

Salomão na sua sabedoria disse que a um tempo determinado para todo o proposito debaixo do céu. Mas o tempo sempre aparece de surpresa, como um elemento inesperado e põe a prova as estruturas, as sociedades, indivíduos e coisas.

Saber os tempos é algo que não mora com os homens, não somos eternos e por mais que planejemos um acontecimentos mesmo assim são muitas as variáveis desconhecidas que podem acabar com o empreendimento e mais bem elaborado, ou mesmo ajudar a construir um empreendimento que não foi planejado.

Devemos planejar, porém devemos saber que a respostas certa não é nossa mais de Deus.

O tempo passa rapidamente e nós voamos nele, o que parecia haver muito tempo ontem para ser feito e foi protelado se mostrar no dia posterior uma necessidade urgente e percebemos que ficamos sem tempo.

Pensar em Deus como mestre do tempo, nos coloca em uma situação um pouco desconfortável em relação a nossa própria autonomia, vamos vivendo uma vida dizendo que temos fé quando na verdade estamos agindo como ateus, vamos planejando, criando, projetando e não considerando a Deus em nossos caminhos, eis o motivo porque grandes projetos pessoais ao longo do tempo se mostram frustrados.

Ezequias o bom rei foi surpreendido por uma palavra acerca do seu tempo de vida, a mensagem foi dura e lhe foi dito que o seu tempo estava acabado, logo partiria para  a eternidade. A palavra veio de Deus o dono o mestre do tempo. O que fazer? Se conformar, chorar, lamentar? Não sei o que eu faria, mas me conhecendo  como me conheço muito provavelmente eu me conformaria com a situação agradeceria pelos anos de vida e partiria para a eternidade convicto que meu tempo terminara! Ezequias não fez isso, orou se humilhou, abriu um audiência no tribunal celeste, pediu uma reconsideração e o tempo que lhe era findo lhe foi acrescentado em 15 anos!

Josué estava em guerra, a noite chegara e era tempo de cessar a guerra e continuar no dia seguinte, me vejo em seu lugar e me conhecendo como penso que me conheço, também eu iria me conformar e esperar o dia seguinte. Josué não fez isso, antes orou a Deus e ordenou que o sol a lua parassem em suas moradas e assim se foi, teve o seu dia prolongado e obteve a sua vitória no mesmo dia!

Até mesmo os tempo estabelecidos no tempo do fim serão abreviados por causa dos escolhidos!

O que Salomão viu e relatou em suas considerações, não foi a realidade final! Antes ele viu a realidade natural e circunstancial, como ele mesmo diz a vida debaixo do céu! Mas existe uma outra realidade acima dessa que a eternidade o tempo de Deus, podemos definir a eternidade como algo sem começo e sem fim sem marcações cronológicas, as coisas eternas simplesmente sempre foram sempre estiveram lá. Assim Jesus é o cordeiro morto antes da fundação do mundo!

Ezequias  e Josué sabiam algo de Deus que eu com minha vida devocional não sei, ou melhor não quero saber, temo em saber, excede a minha “teologia” Ezequias sabia Apenas Deus e só ele muda o rumo dos acontecimentos, cria novos tempos, faz retroceder, parar ou acrescentar. Nós também sabemos disso, mas não cremos nisso! Pensamos que nem Deus vai contra a sua Palavra, e na verdade ele não vai! Mas enfim não entendemos bem a sua palavra e vivemos uma vida muitas vezes como se um vaticínio dado não pudesse ser revogado! Deus é o mestre e se ele quiser ele revoga! E mesmo fazendo assim ele não deixa de ser Deus em nada é diminuído a sua palavra ou seu poder, aliás é justamente por isso por esse poder que ele tem de “brincar” com os elementos, de transformar agua em vinho, passado em futuro, vida em morte,  isso tudo revela mais ainda o seu poder!

O cristão é convidado a remir o tempo, resgatar, fazer uso correto, se assim o é, é porque Deus nos da o segredo do tempo, para não nos faltar tempo. Acontece que muitas vezes em relação ao tempo Deus não nos da a sentença antes de tudo muito embora pareça uma sentença é numa verdade uma opção de ver as coisas debaixo do céu e se conformar ou vê-las da perspectiva daquele que se assenta no trono e é chamado de o Deus Eterno.

Que novos tempos venham sobre nós.

 

Rodryguez&Carvalho

sexta-feira, 25 de outubro de 2013

Milagres

 

Já viu um milagre?  - Eu já, o vejo a cada dia, a cada momento, imperceptíveis para uns, invisíveis para outros, mas eu os vejo de olhos abertos!

Olho para meu passado, e vejo uma história falida, um projeto condenado, com varias e intermináveis variantes que concordariam sempre como mesmo final: “Fracasso”

Mas cheguei até aqui, tudo isso porque uma mão misteriosa, potente foi me guiando assim como um farol guia o navegante no mais revolto e bravio mar. Muitos foram os que apostaram na minha derrota, perderam suas apostas! Outros em juízo temerário me condenaram, Deus foi ao meu auxilio e em Cristo mudou a minha sentença.

Fico pensando nesse milagre da restauração que Deus fez em minha vida, penso, reflito e não me canso de pensar e ser agradecido. A graça de Deus superabundou em minha vida e hoje eu antes um filho da ira, transformado em filho de Deus, anuncio as grandezas daquele que me chamou das trevas para sua maravilhosa luz.

Transformado em Cristo, já seria muito, enorme, tremendo mas ser feito ministro da nova aliança, isso foi um dom, uma graça, uma prova completa da minha restauração.

Sei que muitos em algum lugar podem apontar minhas falhas e erros de um passado distante, mas como acusar e julgar um homem morto? Pela morte extinguisse o processo. Muitos talvez olhem para mim e procurem aquele Velho Homem, não o acharão pois ele morreu e fui sepultado.

Um novo nascimento, esse milagre silencioso e invisível, foi esse o maior milagre que seu já pude presenciar, esse milagre misterioso que o próprio Nicodemos na sua condição de príncipe do povo, não pode compreender, foi esse milagre que atingiu a minha vida.

Aos que me conheceram no passado e querem saber da minha mudança eu lhes digo : “Jesus!”

Aos que me enxergam hoje como nova criatura e me interrogam como isso é possível eu lhes digo: “Jesus!”

Sim, eu creio em milagres!

 

Para isto o Filho de Deus se manifestou: para destruir as obras de Satanás” (I João 3:8)

 

Rodryguez & Carvalho

quinta-feira, 24 de outubro de 2013

Santidade

 

 

 

Onde estão os pregadores, as vozes proféticas que tanto precisamos em nossa sociedade?

Onde estão aqueles que deveriam denunciar o pecado, e anunciar as boas novas do evangelho?

Corrupção de um lado, medo de falar a verdade do outro, medo que as igrejas se esvaziem, medos que a sociedade em épocas do politicamente correto não  os veja com bons olhos.

Fazer parte do rebanho de Cristo, está se confundindo com o fazer parte de um clube, com direito a carteirinha e tudo, entretenimento, piadas, teatros, danças, tudo faz parte da liturgia invertida, e para massagear o ego, nada melhor que uma palavra de auto-ajuda, no melhor estilo :“Você quer, Você pode!”

Mas a PALAVRA, sim está que levanta o homem, mas que também o abate, que lhe mostra os seus erros, que lhe choca com a VERADADE, que lhe mostra o qual pequeno é diante de Um Deus tão Grande, que mostra o quão pecador é diante de um Deus tão Santo. Precisamos de um retorno a PALAVRA, precisamos demais momentos de humilhação diante de Deus, do que de momento fúteis de entretenimento e convívio social.

Precisamos de mais Jonathan Edwards, com sua pregação “Pecadores nas mãos de um Deus Irado” Precisamos de mais homens como Wesley e sua ênfase na santidade, de Moody, com sua visão de separação entre o entretenimento e a fé Cristã.

Mas quem estará pronto para ouvir? Quem estará pronto para correr o risco de ser retrógado, impopular e politicamente incorreto, quem estará pronto a fugir do esquema, do sistema e voltar ao trilho da pregação cristocentrica ?

Adoradores onde estão? Adoradores quem tremem e temem, que o adoram em espírito e em verdade? Adoradores com um compromisso único com Deus, se diante de uma multidão ou diante de uma pequena congregação ou mesmo diante de ninguém apenas de Deus são sempre adoradores?

Mamon, deve ser expulso das comunidades cristãs, dos lares cristãos e da vida de muitos pregadores cristãos.

Integridade já.

 

Rodryguez & CArvalho

quinta-feira, 17 de outubro de 2013

Deus resiste ao Soberbo

A Soberba é um pecado comum , muitas vezes escondido no interior da vida humana, pouco reconhecido, até mesmo porque é difícil uma pessoa se reconhecer como tal, alias é mais fácil reconhecer o pecado dos outros do que olhar para si próprio e considerar os seus próprios caminhos, e muitas vezes quando olhamos para nós mesmos corremos o risco de sermos complacentes demais, é justamente por isso que precisamos do olhar de Deus sobre as nossas vidas.

A soberba é o sentimento ou a busca da severidade sobre as demais pessoas, a pretensão de exclusividade, seja em razão da sua etnia, cultura, posição social ou religiosa. Foi Cristo quem deixou bem claro que se alguém quisesse ser o maior deveria ser o menor e servir, muita embora este conceito e doutrina seja divulgado e pregado na pratica muitas vezes a coisa não funciona como deveria, pois o que não faltam em nossos dias são pessoas que reivindicam para si títulos, posições e honrarias e exaltam sua condição em detrimento do outro e no pior do casos esquecem da sua posição ínfima diante de Deus.

Aqueles que procuram para si a glória e a busca com todas as suas forças dificilmente ou nunca a terão e a se tiverem é por um espaço de tempo curto e é certo o seu fim. Por outro lado muitos como o Rei Davi não sabiam e nem tinham ideia do que lhes estava reservado, e mesmo quando na posição não deixaram o sentimento de soberba lhes arrebatar, enfim tiveram suas posições estabelecidas e perpetuadas pelo próprio Deus.

A soberba nos impede de ver o outro como igual, o soberbo sempre tem um olhar de severidade em relação aos demais. 

O soberbo é alguém em constantes lutas, guerras, intrigas e desafios um competidor por natureza, que vive a procura de constantes vitórias com a intenção cada vez maior de sua própria exaltação.

O soberbo é alguém em uma constante luta, não tem paz em si mesmo, e também não busca a paz, lembremos-nos que paz em Hebraico Sharon, deriva de uma raiz que significa submeter-se ( A Deus), assim o soberbo não convive com a paz, porque muitas vezes é nos submetendo-nos uns aos outros e tendo os outros como superiores é que encontramos a paz. Cristo não veio criar uma oligarquia religiosa, poucos mandam e muitos obedecem, também não veio criar uma democracia religiosa, antes veio para converter o homem a Deus, o pai o filho o filho ao pai, acabar com as lacunas de separação abertas pelo pecado, e nos conduzir a condição que todos fossemos um, com equidade de animo, diferentes funções no corpo porém todas de igual importância no reino.

O soberbo é alguém em uma luta, luta em que entra na condição de vencido, de perdedor, muito embora muito se esforce, já esta fadado ao fracasso, pois luta contra o próprio Deus.

"Deus resiste aos soberbos, mas dá graça aos humildes. Sujeitai-vos, pois, a Deus, resisti ao diabo e ele fugirá de vós. Humilhai-vos perante o Senhor e Ele vos exaltará..."

 

Rodryguez & Carvalho

quarta-feira, 16 de outubro de 2013

Alienação

Há vários sentidos para o conceito de alienação. Juridicamente, significa a perda do usufruto ou posse de um bem ou direito pela venda, hipoteca etc. Nas esquinas vemos cartazes de marreteiros para motoristas: “Compramos seu carro, mesmo alienado”.

Em outro contexto, referimo-nos a alguém como um “alienado mental”, querendo , com isso, dizer que tal pessoa é louca. Aliás, alienista é o médico de loucos.

Etimologicamente a palavra a alienação vem do Latim alienare, alienus, que significa  “que pertence a um outro”, Alienar, portanto, é tornar alheio, é transferir para outro o que é seu.

Existe também a alienação religiosa, fanática, que aparece em cultos ligados a Idolatria, quando um povo constrói ídolos e passa ase submeter a eles. Esse ídolo construído por mãos humanas, passa a assumir um valor que antes não tinha, criando um certo encantamento ou feitiço pessoal para aquele que o idolatram., Na alienação religiosa então o homem passa aquilo que é seu para outrem, outrem porém que não existe é fruto de suas próprias mãos, imaginações ou em pior caso fruto de forças demoníacas opressivas. O homem assim alienado, aliena também aquilo que não é seu pois a honra e glória devida pertencem somente a Deus.

Temos aqui um problema duplo que causa escravidão espiritual, além da idolatria roubar do homem aquilo que lhe é próprio, ainda o faz roubar aquilo que pertencer a Deus. Assim o idolatra peca contra si mesmo e seus semelhantes e peca também contra Deus.

A fé cristã em si não aliena o homem mas o complementa, não lhe subtrai mas lhe acrescenta pois o homem alheio e alienado das promessas de Deus passa agora em Cristo a ser um herdeiro.

A idolatria condenada pela bíblia tem dois aspectos fundamentais, o primeiro é a proibição de se fazer imagem ou representação do criador e a segunda de se fazer uma imagem da criatura ou das coisas criadas e equipara-las ou torna-las semelhantes ao Criador.

Um símbolo nunca pode ser mais importante do que o ele simboliza. E o uso exagerado de símbolos tem em si a capacidade de servir de laço e tropeço fazendo com o que homem ao invés de comtemplar o criador comtemple o símbolo em si, como um elo de ligação ou objeto magico, conferindo vida e valor aquilo que nenhum valor tem.

Nossa pátria é o céu, mas enquanto na terra e interagindo com o mundo devemos tomar cuidado para que a nossa fé não seja alienada, por coisas matérias, quando falamos em idolatria pensamos logo em imagens, em religiões pagãs etc. Mas existe uma idolatria que é sutil, e que está ligada diretamente ao dia a dia , ao trabalho e ao dinheiro, e a idolatria consumista, que visa sempre a posse cada vez maior de bens matérias, mesmo que não precisemos deles. O dinheiro e a posse de bens de consumo passa a ter um valor maior do que a vida espiritual, afinal é melhor ter do que ser.

Jesus nos advertiu para que tivéssemos uma vida moderada, equilibrada, estivéssemos contentes. Não isso não é uma apologia a miséria nem a pobreza, mas antes disso uma doutrina sobre a vida equilibrada, vida esta que agrada a Deus.

O cristão alienado, idolatra, e que busca ansiosamente as coisas desde mundo, esquece-se de buscar em primeiro lugar o reino. Dizendo ter fé para possuir, afastou da fé, pois não crê que a busca do reino em primeiro lugar ira lhe acrescentar as demais coisas!

 

Não deixemos que o presente século nos aliene das coisas espirituais.

 

Rodryguez & Carvalho

terça-feira, 15 de outubro de 2013

O vaso de Alabastro

 

 

Seis dias antes da páscoa, Jesus chegou a Betânia, onde vivia Lázaro, a quem ele ressuscitara dentre os mortos. Ofereceram-lhe ali um jantar. Marta servia, e Lázaro estava entre os que se reclinavam à mesa com ele. Então Maria tomou uma libra de um nardo puro, um perfume muito caro, ungiu os pés de Jesus e os enxugou com seus cabelos. E toda a casa se encheu com a fragrância do perfume”. (João 12.1-3)

Faltavam poucos dias para a páscoa e Jerusalém fervilhava. O povo chegava de toda a parte para celebrar a grande festa. Na época de Jesus havia cerca de 50 mil habitantes em Jerusalém. Este número aumentava para cerca de 200 mil na época da páscoa. Jesus decidiu se afastar daquela confusão, e foi passar a noite em Betânia, cidade situada cerca de 3 km a leste de Jerusalém. Lá, Jesus visitou Simão, antes conhecido como “o leproso”, que o recebeu com prazer e lhe serviu uma boa refeição. Nesta época era comum as mesas serem baixas, pouco acima do chão. Por isso, as pessoas se sentavam no chão, e reclinavam-se à mesa. E lá estava Jesus, reclinado à mesa e cercado de amigos.

Marta servia a todos, enquanto seu irmão Lázaro estava sentado junto com seu amigo Jesus. De repente, Maria, irmã de Marta e de Lázaro, entrou no lugar onde Jesus estava. Ela se aproximou de Jesus carregando um vaso de alabastro contendo uma libra de nardo puro (Jo. 12:3) e quebrou o vaso, derramando o bálsamo sobre a cabeça Dele (Mc. 14:3).

O perfume era tão intenso que encheu toda a casa (Jo. 12:3). O nardo era um bálsamo raro extraído de uma planta nas regiões do Himalaia (Índia), e sendo um produto importado de longa distância era um artigo caro e raro. A quantidade citada na Bíblia (“uma libra”) equivale a cerca de 326 gramas. Este bálsamo poderia ter sido vendido por 300 denários (Mc. 14:5). Naquela época, um trabalhador recebia um denário por um dia de trabalho. Assim, o nardo derramado por Maria valia praticamente o salário de um ano de trabalho. Com este ato, Maria estava declarando que Jesus é mais precioso do que o mais puro nardo. Nesta história, uma das muitas lições que podemos aprender é a importância de quebrar o vaso. Em Mc. 14:3 diz: “... e, quebrando o alabastro...”. Por que Maria quebrou o vaso? Era mesmo necessário quebrá-lo? Ele não poderia ter sido poupado? Não seria possível derramar o bálsamo sem quebrar o vaso? Na verdade, não! Observe a foto inserida no início deste texto. Esta é uma imagem de um vaso de alabastro encontrado em Canaã (Israel) datado de aproximadamente 1400 – 1200 a.C.

O alabastro é uma variedade do gesso, e era muito usado para fazer pequenos vasos. O vaso de alabastro era pequeno, com cerca de 14 cm de altura. Seu corpo era redondo, e ia afinando até o gargalo. Possuía uma pequena alça para que pudesse ser carregado preso ao cinto. Ele era selado (ou tampado) no gargalo para que o bálsamo não se perdesse e também para que o perfume fosse preservado. Desta forma, para usar o bálsamo, a pessoa tinha que quebrar o vaso. Para facilitar a quebra e para não correr o risco de quebrar demais o vaso e perder todo o bálsamo, o vaso possuía umas ranhuras em forma de espiral na altura do pescoço. Estas indicavam o local onde o vaso deveria ser quebrado e serviam também para facilitar a quebra. Como o vaso tinha que ser quebrado, não poderia utilizar apenas metade do bálsamo e guardar a outra metade. Era necessário usar todo o bálsamo de uma vez só. Por este motivo, o vaso de alabastro era pequeno, pois era a medida exata para caber uma quantidade suficiente para ser aplicada uma única vez.

O vaso de alabastro é criado justamente para isso. Ele é formado para guardar um bálsamo precioso, e sabe que terá que compartilhá-lo com as pessoas. O vaso de alabastro sabe que quando chegar o momento do bálsamo ser derramado, ele será quebrado. Mas isso não lhe causa dor, pelo contrário, ele sente prazer porque ao ser quebrado o perfume do bálsamo se espalhará pela casa toda, e todos sentirão o suave odor daquela fragrância. Ser quebrado não é o ponto mais baixo da história do vaso de alabastro. Pelo contrário. É o ponto mais alto. É para isso que ele foi criado.

Sabe, nós somos como o vaso de alabastro. Todos nós temos esse bálsamo dentro de nós. Segundo a Bíblia, nós somos o suave perfume de Cristo. Não podemos trancá-lo ou escondê-lo. Ele precisa ser compartilhado. Precisamos deixar que o vaso seja quebrado, para que o bálsamo seja derramado. Só assim, todos sentirão o seu suave perfume. Não lamente quando você for quebrado. Não lamente pela quebra do velho vaso. Preste atenção ao perfume que o Senhor está derramando em sua vida e através dela.

“Graças, porém, a Deus, que, em Cristo, sempre nos conduz em triunfo e, por meio de nós, manifesta em todo lugar a fragrância do seu conhecimento. Porque nós somos para com Deus o bom perfume de Cristo, tanto nos que são salvos como nos que se perdem.”

 

Fonte:

 http://perfumedejesus.blogspot.com.br

sexta-feira, 11 de outubro de 2013

Que tipo de Avivamento Precisamos ?

 

Avivamento é a palavra do momento em voga já a muito tempo nos meios evangélicos, Se diz até do pregador AVIVALISTA, aquele que trás uma mensagem eloquente, cheia de “unção” e faz o publico pular, saltar… entre outras coisas.

Já fui pessoalmente a muitos eventos de avivamento, lá dentro uma atmosfera quase hipnótica, mas fora aqueles momentos tudo normal, sem alguma mudança significativa.

Creio que existe muitas controvérsias entre o avivamento promovido por Deus, e esses avivamentos que estou um pouco cansado de acompanhar.

Pula-se muito, grita-se em demasia mas não existe de fato o Fruto da novidade de vida.

Ora-se muito em público em voz alta, mas ao mesmo tempo em que se ora por tudo, se ora por nada, pois a oração fica sem foco, sem objetivo, e mais parece estar se dando ordens em Deus do pedindo a sua graça.

Canta-se demais, a musica toma conta do ambiente, mas o louvor passa um pouco de largo, digo um pouco para ser modesto, um canto em que o homem é exaltado, um canto em que o ser humano é posto no centro não deixa lugar para quem realmente no centro deveria estar! Isso sem enumerar os refrãos repetitivos, fáceis de se gravar, ótimos para se vender, mas que de longe não exaltam o Deus de Israel.

Um avivamento onde a Bíblia é lida, mas não compreendida, tendo em vista que a “revelação pessoal” tem mas peso do que a verdade escrita, onde a “revelação pessoal” pode ir na contra mão do que está escrito.

É preciso vida e vida em abundancia, famílias transformadas, lares mudados, vida cristã verdadeira! O verdadeiro avivamento não é composto apenas de momentos frenéticos e exultantes nas reuniões, antes disso ele deve ser acompanhado por uma vida onde o fruto do Espírito possa transparecer.

A verdadeira vida Cristã não a vivida no seio dos cultos, das reuniões, antes é que é vivida no momentos secretos, longe dos olhares que possam nos recriminar ou elogiar. A vida Cristã é o segredo de se andar sempre ao lado de Deus, e ter Deus por testemunha dos nossos atos.

Não adianta um avivamento exterior em que todos se dobram e e se ajoelham quando congregados, mas não se curvam diante da vontade de Deus e sua palavra nos relacionamentos do dia a dia.

Ser crente avivado no meio do culto, na aparência exterior é fácil, e pode até conferir algum “status”.

Para quem será o tão temido “não vos conheço!”, será para os que em público expulsaram os demônios, efetuaram curas, pregaram tudo isso em nome de Jesus, mas o coração longe dele.

Aviva o Senhor a Tua Obra.

 

Rodryguez&Carvalho

terça-feira, 24 de setembro de 2013

Quem é o SENHOR?



As vezes me "pego", pensando, indagando e me auto interrogando, pois  olhar para os outros é fácil demais, porém olhar para si, se contemplar sem reservas e sem auto defesas, pode ser um processo doloroso porém ao final recompensador.

Me propus fazer um período maior de oração durante alguns dias que antecederão o evento do circulo de oração em nossa Igreja. De repente percebi, que o tom das minhas palavras em oração, não eram como quem está diante de uma autoridade, mas sim como alguém que está em posição inversa, sendo ele mesmo a autoridade em si, percebi nas minhas orações e no tom das minhas palavras uma arrogância, uma prepotência, difícil de admitir mas era como se eu mesmo estivesse dando as ordens!

Foi nesse momento que parei, e reconsiderei a minha postura.

Orar pode abranger uma série de significados mas em nenhum deles, trará em si a ideia de um superior chegando diante de um subalterno e dando-lhe as ordens!

Tudo errado! Que tal recomeçar?

Foi o que fiz... Pai nosso, seja feita a TUA VONTADE...Teu é REINO, o PODER e a GLÓRIA!

A soberba nada mais é do que o orgulho excessivo, exagerado e infelizmente me percebi orando com um coração que ao invés de contrito estava ensoberbecido, com palavras que ao invés de reverencia mostravam desrespeito. 

A oração ainda é a chave para o sucesso ministerial, porém saber para QUEM oramos é também imprescindível.

Vivemos o momento da propagação de uma heresia sutil, vestida de justiça, mas na verdade é totalmente destituída da santidade. Uma heresia que tomando os meios de comunicação de massa, ensina que o homem manda, ordena e tem palavra poderosas e criadoras. Não estranho que haja em nossos dias tantos cristãos nominais, que desconhecem as doutrinas bíblicas, e vivem na ilusão de um cristianismo sem Cristo, sem o Deus Pai e sem a orientação do Espírito Santo.

Por um pouco..., mesmo sendo criado numa ortodoxia, mesmo tendo em minha mente conceitos claros sobre a Soberania de Deus e o temor que lhe é devido, por pouco na minha pratica eu ia correndo o risco de não discernir os atributos exclusivos que fazem parte apenas da PESSOA de DEUS.

Voltando a oração...

Efesios cap. 3



Rodryguez&Carvalho

Chega!

São dois mil anos de história da Igreja, uma historia que começou por volta do ano 33, uma historia gloriosa, de lutas, perseguições, da...