sexta-feira, 2 de abril de 2010


Pascoa

 

Introdução:

Estava conversando com uma amiga minha de Itu – SP, e fiquei e ela me perguntou se já havia preparado o peixe para comer na "semana santa", falei que não, e ela me perguntou o porque ao que respondi: "posso comer peixe em qualquer  epoca do ano, mas não nesta em especial, porque não comungo desta fé e crença tipica desta época, então como protesto pessoal prefiro não comer peixe" – Não se trata claro de uma doutrina o mandamento, todavia creio que devagar corremos o risco de irmos aderindo as tradições pagãs, esquecendo-se das tradições bíblicas, portanto se algo para ser lembrado em herança cultural deve ser a tradiçao bíblica, hebraica e Cristã. A igreja foi com o tempo aderindo a este e aquele modismo pagão, e foi se esquecendo ou mesmo ridicularizando as festas e tradições propriamente bíblica, para exemplificar o Pagão Papai Noel ( Santa Klaus) é um personagem no imaginario muito mais importante do que Cristo, na data em que se diz comemorar o seu nascimento, a troca de presentes e ovos de "pascoa" passa a ter um significado muito maior do que o Proprio Cristo, nosso cordeiro Pascoal. O que discorrei a seguir é sobre os ricos significados da pascoa hebraica e cristã. Há voltando a minha amiga é evangélica...

 

1 )Origem dos Inocentes Ovos de Pascoa e do Coelhinho

Você gosta de chocolate? Não se assute eu também! Alías amargo é muito  melhor ( ops gosto não discute!) Mas porque os ovos de pascoa? Quando teve inicio essa tradição? E claro porque atualmente são de chocolate?

Muita das tradicões religiosas de hoje tem sua origem na antiga Babilonia, que alias a biblia a cha de "mãe de todas as prostituições" ( apocalipse 17.5) em outro artigo falaremos sobre todas as aplicações desta passagem na escatologia biblica. Na antiga Babilonia (BABEL) havia um sitema pagão muito extruturado que deu origem a diversas religiões da terra e que foi com o tempo sendo passado de geração a geração, povo a povo, sob a forma de cultura, é la na babilonia que encontramos as primeiras manifestações "culturais religiosas" da pascoa, em homem a deusa Isthar, também chamada de Astarote, sendo também identificada com a estrela da manhã, (vesper, venus) sedo por isso chamada de "A rainha do Céu" , lembremos que Babel / Babilonia foi um dos grandes cetros urbanos da antiga e por razão das sua destruição, seus antigos moradores agora fugitivos e peregrinos foram espalhando sua religião e cultura influenciando outros povos.

Os termos "Easter" (Ishtar) e "Ostern" (em inglês e alemão, respectivamente) parecem não ter qualquer relação etimológica com o Pessach (Páscoa). As hipóteses mais aceitas relacionam os termos com Eostremonat, nome de um antigo mês germânico, ou de Eostre, uma deusa germânica relacionada com a primavera que era homenageada todos os anos, no mês de Eostremonat, de acordo com o Venerável Beda, historiador inglês do século VII.

 

 

Na Páscoa, era comum a prática de pintar-se ovos cozidos, decorando-os com desenhos e formas abstratas. Em grande parte dos países ainda é um costume comum, embora que em outros, os ovos tenham sido substítuidos por ovos de chocolate. No entanto, o costume não é citado na Bíblia. Antes, este costume é uma alusão a antigos rituais pagãos. Eostre ou Ostera é a deusa da fertilidade e do renascimento na mitologia anglo-saxã, na mitologia nórdica e mitologia germânica. A primavera, lebres e ovos pintados com runas eram os símbolos da fertilidade e renovação a ela associados. A lebre (e NÃO um coelho) era seu símbolo. Suas sacerdotisas eram ditas capazes de prever o futuro observando as entranhas de uma lebre sacrificada (claro que a versão "coelhinho da páscoa, que trazes pra mim?" é bem mais comercialmente interessante do que "Lebre de Eostre, o que suas entranhas trazem de sorte para mim?", que é a versão original desta rima. A lebre de Eostre pode ser vista na Lua cheia e, portanto, era naturalmente associada à Lua e às deusas lunares da fertilidade. De seus cultos pagãos originou-se a Páscoa (Easter, em inglês e Ostern em alemão), que foi absorvida e misturada pelas comemorações judaico-cristãs. Os antigos povos nórdicos comemoravam o festival de Eostre no dia 30 de Março. Eostre ou Ostera (no alemão mais antigo) significa "a Deusa da Aurora" (ou novamente, o planeta Vênus). É uma Deusa anglo-saxã, teutônica, da Primavera, da Ressurreição e do Renascimento.

Apenas a titulo de informação esse costume de advinhar pelas entranhas de um animal esta registrado na Biblia em Ezequiel 21.21 :

"Porque o Rei da Babilonia para na encruzilhada, na entrada dos dois caminhos, para consultar o oraculo: sacode as flechas, interroga os idolos do lar, examina o FIGADO."

Se passearmos por outras culturas como a druida, o ovo estará presente, ganhando significados novos, como por exemplo simbolo do universo, fertilizade, enfim ritos pagãos de origem comum.

No Brasil, tradição do coelho e dos ovos de Páscoa data do início do século XX. Foi trazida, em 1913, por imigrantes alemães.

1.1) E o ovo de chocolate?

Os ovos dados pelos povos antigos não eram para serem comidos, eram simbolicos, e representavam sorte, os antigos ucranianos por exemplo coziam ovos com beterraba para que estes ficassem coloridos na babilonia antiga eram feitos ovos de argila. no século XVIII, confeiteiros franceses tivessem a idéia de fazer os ovos com chocolate - iguaria que aparecera apenas dois séculos antes na Europa, vinda da então recém-descoberta América. Surgido por volta de 1500 a.C., na região do golfo do México, o chocolate era considerado sagrado pelas civilizações Maia e Asteca.

O que me intriga nesta questão toda é a trasmissão de um conhecimento pagão que foi passando de geração em geração, povo a povo, crenças que perpetuam o nome deste falsos deuses, demonios, que eram cultuados na antiguidade e ainda o são nos modernos cultos celtas, da europa ( A BRUXARIA DRUIDA, WICCA). Como fica diante disto o mandamente do decalogo que diz; "Não terás outros deuses diante de mim", a tudo bem não cultuamos estes deuses isso é certo, mas nós que temos a poderosa mensagem do evangelho sem querer podemos estar incorrendo no erro de fazer menção, através de coisas inocentes, escondidas sobre uma capa cultural, oq ue na verdade é o resultado de uma cultura alienada de deus, influenciado por demonios reflita neste passagem:

Êx 23.13 Em tudo o que vos tenho dito, andai apercebidos. Do nome de outros deuses nem fareis menção; nunca se ouça da vossa boca o nome deles.

 

Agora eu me pergunto: comer não é um ato de comunhão? Comunhão com quem? – Crianças cristãs, infelizmente neste época tão rica de tradiçoes e festas biblicas são com a complacencia dos pais envolvidas em todo este paganismo. O problema claro que não está no comer e sim na consciencia de como entendemos esse ato nesta época... não é aquiloq ue entra que contamina e sim o que sai...o que esta dentro, todavia não se pode ignorar que nesta época tão rica espiritualmente falando, o cristianismo passa por um retrocesso e volta ao Egito, ao invés de celebrar a libertação, faz menção quase inconsciente da escravidão espiritual que viviam e vivem muitos povos e culturas.

 

2) A pascoa hebraica ( pessach ) e pascoa Crista

O termo hebraico pessach , que significa passagem, pois referem a passagem do anjo do Deus pela terra do egito, executando a ultima praga ( a morte dos primogenitos) e a libertação dos filhos de Israel da terra do Egito. Olhando o texto Bíblico de exodo cap 12 e 13, temos três figuras importantes:

1)O cordeiro pascoal : Deveria ser imolado um cordeiro, e o seu sangue deveria ser passado nos umbrais das portas dos israelitas, afim de que quando o acho passa-se o anjo identificasse a casa pela marca do sangue do cordeiro, casa assim identificada não sofreria a praga. (exodo 12.13)

2)As ervas amargas para lembrança do sofrimento no egito.

3)O pão sem fermento ( matza ou pao azimo) os israelitas deveriam retirar todo o fermento da sua casa, a massa não poderia levedar, - não haveria tamebm tempo de deixar a massa levedar porque logo estariam saindo do egito, esperar a massa levedar, era fica no egito, era perder a oportunidade de libertação,

Temos nestas duas figuras da primeira pascoa relatada na biblia, um simbolismo importante, primeiro que sem sangue não existe remissão de pecados, é preciso haver sacrificio, mas o homem é incapaz de fazer isso por si, logo Deus providencia a semelhança do Cordeiro no Moriah, um cordeiro para que seja o substituto, porque na casa que estivesse o sinal, o anjo não poderia entrar, para destruir, ora nós temos sobre as nossas vidas o sangue do cordeiro, O Cristo de Deus, e estamos protegidos, seguros quem : nem um mal nos sucederá nem praga chegará a nossa tenda! Salmo 91

As ervas amargas era para Israel se lembra-se da amargura que foi a escravidão da dor e do sofrimento, e preferissem nunca mais voltar, a conversão verdadeira é possivel quanto sentimos ainda o amargo que é está longe de Deus.

O pao sem fermento, a disposiçao de comer o pão sem fermento mostrava que Israel não esperaria mais pelo fermento ( pecado) do Egito, estav pronto para partir, esperar levedar a massa era perigoso e podia incorrer em não subir da terra do egito. Fico pensando quantos que não se entregam a Deus de forma absoluta, porque ainda estão atrás de suas realizações pessoais, estão esperando por alguma especie de "inchaço" de cresciemento, onde a vida plena com Cristo esta sempre em ultimo plano, cuidado pode ser fermento tudo isso, prefira os azimos comidos em comunhão com o Eterno, prefira o se assentar na mesa e comer o pão da vida trazido dos céus.

A pascoa hebraica entre outras coisas nos lembra de prontidão de preparo de vigilancia, Israel estava pronto para sair do Egito, pronto para ir a terra que mana leite e mel, e você está pronto para ir para ir para o céu, está pronto para deixar este mundo?

Israel estava saindo do egito com:

·         Cajado na mão

·         Calçado nós pes

·         Lombos Cingidos

 

Voce tambem prepare-se vista-se da armadura deDeus e esteja pronto para sair,  ( conf Efesios 6)

·         Escudo da Fé

·         Couraça da Justiça

·         Capacete da Salvação

·         Espada do Espirito

·         Pés calcados na preparação do Evangelho da Paz.

 

A pascoa não é doce de chocolate ( gosto por este mundo) é sim amarga que nos lembra que queremos deixar logo este mundo ( maranata ora vem Senhor).

Conclusão:

 

Conclusão: A páscoa como é celebrada hoje, com seus ovos de chocolate, coelhos, comes e bebes, está muito desvirtuada do seu real significado. Na páscoa cristã, quando temos recebido Jesus como nosso cordeiro pascal, temos que estar consciente de que também somos peregrinos, apenas de passagem por esta terra, e aguardamos novos céus e nova terra. Ap. 21.1, 2 Pd. 3.13.

          Na páscoa para que um povo se liberta-se da escravidão se fez necessário o sacrifício de uma vitima inocente. Cristo como vitima inocente se fez sacrificio para libertar a humanidade.

          Finalizo com as palavras de Paulo em 1 Co. 5.8 "Pelo que façamos festas, não com o fermento velho, nem com o fermento da maldade e da malicia, mas com os asmos da sinceridade e da verdade".

 

 

Rodrigues em 02/04/2010.

 

 

Proximos Posts

Cristo nosso cordeiro Pascal.

Diferença de data pascoa hebraica e crista porque?

Rituais hebraicos da pascoa e a presença simbolica do messias

 


 
samuel rodryguez




Transforme-se em personagens engraçados e coloque no Messenger. Clique e veja como.

Nenhum comentário:

Chega!

São dois mil anos de história da Igreja, uma historia que começou por volta do ano 33, uma historia gloriosa, de lutas, perseguições, da...