Programa Adoradores sem Limites

sábado, 24 de maio de 2014

HAJA LUZ

 

Quem pratica o mal odeia a luz e não se aproxima da luz, temendo que as suas obras sejam manifestas. João 3.20

 

Podridão, pecado, destruição…as vezes penso mesmo que existe uma tal “conspiração” para ser acabar de vez com a chamada moral judaico-cristã. Alias tal “conspiração” sempre existiu desde que Abel ofereceu um sacrifício excelente. A luz é uma coisa que incomoda, porque a parte de qualquer coisa a luz tem capacidade de revelar aquilo que antes nas trevas estava oculto, sendo assim quem está em trevas não gosta da luz, porque não quer que suas obras sejam manifesta.

Na minha excursão pelo mundo, digo excursão porque fui criado em uma família tradicionalmente evangélica ( Bisavós, avós, pais) percebia o quanto que a luz incomodava e percebi também que está em trevas, para reafirmar sua posição sempre precisará de outros que nas mesmas trevas estejam, assim é comum no mesmo grupo caso você precise, consiga até dinheiro para se drogar, beber se prostituir…mas no mesmo grupo dificilmente você conseguira dinheiro para comprar um pão ou leite…

O mundo está em trevas, e nós estamos na contramão, anunciando a Luz, e procurando de todas as formas trazer pessoas à essa Luz. Mas para que sejamos cristãos autênticos é necessário que andemos também na Luz (I JO 1.7 ) Andar na Luz é ver o caminho onde andamos, considerar os perigos, ter visão correta. Andar na Luz é trazer as verdades do Evangelho a este mundo que anda em trevas.

Mas a Luz não seduz, não coage, nem ludibria. Assim que se chega para a Luz, enxerga com clareza seus próprios erros, pecados e defeitos, assim a Luz confronta porém esse confronta pode gerar a purificação. As trevas por sua vez, seduzem, coagem , enganam e por final escravizam. Mas infelizmente há aqueles que mesmo assim amam as trevas, e preferem a cegueira da escuridão do que a libertação pela Luz chamada Cristo.

O mundo tem tentado apagar a luz, os programas televisivos, os filmes, até mesmo boa parte da programação infantil, as musicas são corrompidas com sua linguagens obscenas e libidinosas. Alguns podem me julgar radical, pentecostal…até porque pentecostal no dizer pratico de muitos  tem sido sinônimo de radicalismo, exagero e coisas assim. Mas podem me considerar em qualquer uma desses termos, sei bem quem sou, e no meu zelo tenho temor quando vendo a minha televisão e assistindo alguns programas identifico as trevas anunciadas, tenho temor porque sei que Luz habita em minha casa e também porque sei que Luz e trevas não se misturam.

A luz, tem sido trocada aos poucos pela meia sombra das trevas, E na inversão de valores as trevas tem muitas vezes estado onde só deveria haver luz, lares cristãos, igrejas, famílias cristãs.

Ouvi uma comparação muito interessante de um pastor certa feita, ele me disse que os demônios são seres das trevas, agem nas trevas e moram nas trevas. E comparou a vida humana como uma casa com vários quartos,dizia ele: “No quarto da sua casa, onde não há luz, é uma morada de demônios”. Ou seja muitos cristãos estão vivendo com áreas de trevas em suas vidas, e nessas áreas tenebrosas demônios tem criado situações de laço e escravidão. Assim casamentos são desfeitos, doenças malignas tem tomado conta de corpos que deveriam ser morada exclusiva do Espirito Santo, famílias cristãs tem sido assoladas pelas drogas, moças cristãs tem perdido sua virgindade fora do vinculo do casamento, perturbações psicológicas e doenças psicossomáticas tem insistido em permanecer junto ao povo de Deus.

Precisamos voltar ao inicio, e ouvir uma voz poderosa dizendo: HAJA LUZ!”

Precisamos voltar ao inicio da nossa conversão e entender que fomos chamados das trevas para a maravilhosa Luz  ( I PE 2.9 )

Precisamos voltar ao inicio e reafirmar nossa posição de separação das trevas.

 

E viu Deus que a luz era boa…

 

Rodryguez e Carvalho

sábado, 17 de maio de 2014

Nem só de Pão Vive o Homem

 

Paciência, fé e esperança, são virtudes essenciais para quem esta seguindo a Cristo. Vivemos a sociedade dos resultados imediatos, aliás vivemos a crise dos resultados imediatos, e nesta crise aquilo que não acontece hoje, choca, incomoda, e faz com que muitos procurem de todas as formas “fazer acontecer”

Um número muito expressivo das multidões procuram a Cristo apenas pela comida, pelo pães e pelos peixes. Mas não suportaram a dureza do seu discurso quando lhes falava sobre uma mudança radical de vida e visão de mundo ( João Cap. 6)

Quem busca resultados imediatos não suporta a verdadeira proposta do evangelho, identificam do discurso com duro e sem resultado e o invés de Cristo procuram os  “Moises” da Fé com o Pão que perece!

O evangelho está poluído! O ano passado no interior da Bahia ouvi de uma jovem universitária que ela estava cansada de técnicas de neolinguística e palavra de auto-ajuda ao invés da pregação da Palavra.

Quem não procura um sinal o encontra e quem o procura nenhum sinal é dado a não ser o do Profeta Jonas, e esse sinal só é encontrado na mensagem Enigmática, sobre a vida, morte , ressureição e obra de nosso Senhor Jesus.

O que será dessa multidão que lota as Igrejas, ensinadas a procurarem a todo o custo as coisas terrenas e imediatas? O que será delas quando confrontadas forem com um Jesus que além dos milagres exige uma mudança, um negar a si mesmo, e um seguir fielmente as suas pisadas?

Um mistério diante de nós, de servimos as almas humanas suprindo suas necessidades sociais, mas nunca esquecendo da necessidade maior que é anunciar a salvação. Tampouco pode haver apenas um sistema de trocas, onde nós oferecemos o pão com a condição de que a pessoa marque presença em nossos cultos, isso é leviano e mal, leviano porque a salvação não pode ser comprada e nem negociada com nada que não seja o sangue de Cristo e mal porque gera no ser humano um sentimento de domínio sobre o outro.

Por fim nós cristãos para as demandas do dia a dia devemos saber que o imediatismo não existe, o que existe é um Deus de tempo, plano e proposito. Assim outro mistério nos assiste o de anunciarmos o Evangelho que tem repercussões nesse mundo em que vivemos, mas ao mesmo tempo aponta para um reino que não é deste mundo.

As multidões estão diante de nós assim como estiveram diante dos apóstolos. A ordem de Cristo ainda é a mesma: Jesus replicou-lhes: Dai-lhes vós mesmos de comer. ( Luc. 9.13)

A responsabilidade está sobre os nossos ombros. que seja no contexto social ou no contexto espiritual.

 

Rodryguez & Carvalho

quarta-feira, 14 de maio de 2014

Jejum fome de Deus.

 

Estes dias ouvi um certo pastor dizendo que Jejua muito…após o almoço, mai sou menos das 14h as 19h… outro me disse que jejua a noite das 19h as 6h da manha ( enquanto dorme ) e outro ainda me disse que Jejum é bom que ajuda a emagrecer…

O pior argumento que ouvi foi de um pastor Neopentecostal que disse que Jejum é para se obeter comunhão com Deus e como ele já tem essa comunhão e a mentém ele não precisa jejuar! Isso Mesmo ele não Jejua nunca!

Mas talves o pior mesmo seja aqueles que adoram tocar a trombeta e dizer aos quatro vento que estão consagrados por estão jejuando, ouvi um dia desses uma pessoa que orando por outra dizia que a enfermidade tinha que sair porque ela jejuava, ela se preparava, ela … enfim com tanto eu não sobra lugar para Deus.

MAs existe vida inteligente no mundo Cristão! E pesquisando aqui e ali me deparei com este artigo de REv. Hernandes Dias Lopes, que tenho o prazer de transcrever.

Rodryguez & Carvalho

Jejum fome de Deus.

O jejum é uma prática milenar, porém em desuso na igreja cristã contemporânea. O jejum está presente tanto no Antigo como no Novo Testamento. Os profetas, os apóstolos, Jesus e muitos homens de Deus ao longo da história experimentaram os benefícios espirituais por intermédio do jejum.

Os santos de Deus em todos os tempos e em todos os lugares não somente creram no jejum, como também o praticaram. Hoje, porém, são poucos os crentes que jejuam com regularidade e ainda há muitas dúvidas acerca da sua necessidade e de seu funcionamento.

O que é jejum? É a abstenção de alimento por um período definido para um propósito definido. O jejum não é apenas abstinência de alimento. Não é um regime para emagrecer. Ele deve ter propósitos espirituais claros. Jejum é fome de Deus, é saudade do céu.

A Bíblia diz que comemos e bebemos para a glória de Deus e também jejuamos para a glória de Deus (1Co 10.31). Se comemos para a glória de Deus e jejuamos para a glória de Deus, qual é a diferença entre comer e jejuar? Quando jejuamos nos alimentamos do pão da terra, símbolo do Pão do céu; mas quando jejuamos não nos alimentamos do símbolo, mas da essência, ou seja, nos alimentamos do próprio Pão do céu. Jejuar é amar a realidade acima do emblema. O alimento é bom, mas Deus é melhor (Mt 4.4; Jo 4.32.)

A comunhão com Deus deve ser a nossa mais urgente e apetitosa refeição. Nós glorificamos a Deus quando o preferimos acima dos seus dons.

O maior obstáculo para o jejum não são as coisas más, mas as coisas boas. Nem sempre nos afastamos de Deus por coisas pecaminosas em si mesmas. Os mais mortíferos apetites não são pelos venenos do mal, mas pelos simples prazeres da terra, os deleites da vida (Lc 8.14; Mc 4.19). "Os prazeres desta vida" e "os desejos por outras coisas" não são um mal em si mesmos. Não são vícios. São dons de Deus

. No entanto, todas elas podem tornar-se substitutos mortíferos do próprio Deus em nossa vida. Jesus disse que antes de sua volta as pessoas estarão vivendo desatentas como a geração que pereceu no dilúvio. E o que elas estavam fazendo? Comendo e bebendo, casando-se e dando-se em casamento (Mt 24.37-39). Que mal há em comer e beber, casar e dar-se em casamento? Nenhum! Mas, quando nos deleitamos nas coisas boas e substituímos Deus pelas dádivas de Deus estamos em grande perigo.

O jejum não é fome de coisas boas; o jejum é fome de Deus. O jejum não é fome de coisas que Deus dá; o jejum é fome do Deus doador. Nossa geração corre atrás das bênçãos de Deus em vez de buscar o Deus das bênçãos. Deus é melhor do que suas dádivas. O abençoador é melhor do que a bênção.

O propósito do jejum não é obter o favor de Deus ou mudar a sua vontade (Is 58.1-12). Tampouco impressionar os outros com uma espiritualidade farisaica (Mc 6.16-18). Nem é para proclamar a nossa própria espiritualidade diante dos homens. Jejum significa amor a Deus. Jejuar para ser admirado pelos homens é ter uma motivação errada.

Jejum é fome do próprio Deus e não por aplausos humanos (Lc 18.12). É para nos humilharmos diante de Deus (Dn 10.1-12), para suplicarmos a sua ajuda (2Cr 20.3; Ed 4.16) e para voltarmo-nos para Deus com todo o nosso coração (Jl 2.12,13). É para reconhecermos a nossa total dependência divina (Ed 8.21-23). O jejum é um instrumento para fortalecer-nos com poder divino, em face dos ataques do inferno (Mc 9.28,29).

É tempo da igreja jejuar! É tempo da igreja voltar-se para Deus de todo o seu coração, com jejuns e com pranto. É tempo de buscar um reavivamento verdadeiro que traga fome de Deus em nossas entranhas, que traga anseio por um profundo despertamento da realidade de Deus em nossa igreja, em nossa cidade, em nossa nação!

De: 19/01/2013
Por: Rev. Hernandes Dias Lopes

Fonte: http://www.pregacaoexpositiva.com.br/

sábado, 3 de maio de 2014

A escolha errada de Ló

 

Quem não cresce o olho o assim dizer diante de uma grande oportunidade? É certo que até oramos, até buscamos uma resposta de Deus para nossas vidas, e sempre que nos vemos diante de uma “grande porta aberta”, logo de imediato relacionamos isso a uma resposta imediata de Deus para nossa vida.

Dizemos ser seguidores, servos, cristãos, etc. Mas com olhos carnais só temos olhos para aquilo que é aparentemente proveitoso e potencialmente promissor, afinal baseados numa espécie de “desteologia” vamos relacionando a benção de Deus sempre com respostas imediatas, previsíveis e prosperas do ponto de vista meramente humano. Aqui mora um perigo desta “des teologia” falamos em Deus mas buscamos coisas meramente humanas e como tal estamos muitas vezes fadados ao fracasso.

Um certo dia ouve uma contenda entre os pastores de Ló e os pastores do seu tio Abraão, uma contenda que chegou a ameaçar a relação familiar de Abraão com Ló. ( Gen. 13:6-8) – Abraão como homem de Deus que era não era dados a contendas ( II TIM 2.24) e propõe para Ló que este escolha uma terra para si, onde possa ir peregrinar e levar em paz os seus rebanho  ( Gen. 13.9)

Abraão como detentor das promessas, tio de Ló, profeta e patriarca, mas não fez. Homens de Deus não confiam em títulos e posições, homens de Deus confiam em Deus e foi isso, exatamente misso que Abraão o fez.

Ló por sua vez cresceu os seus olhos para as campinas do Jordão, terra fértil, bem regada, comparada com o Jardim do Senhor ( Gen. 13.10) em especial para as cidades de Sodoma e Gomorra. Abraão por sua vez continuo suas peregrinações indo sempre para os lugares que Deus o ordenava.

Aparentemente Ló fez a escolha certa! Prosperou.. agora vemos de relance na historia bíblica e percebemos que Ló se assentava na porta da cidade, junto com os juízes, anciãos e outras pessoas que decidiam o futuro de Sodoma. Que pena para Ló, o resto da historia você já conhece, por causa do pecado as cidades de Sodoma, Gomorra e outras cidades vizinhas sofreram o juízo destruidor da parte de Deus, e Ló escapou com suas filhas mas nada pode levar!

A melhor escolha que podemos fazer é estar ao lado de Deus, Ló deixou a benção da companhia de Abraão para viver junto com repugnância de Sodoma.

Nem tudo o que reluz é ouro, diz o adagio popular. Nem tudo o que aparência de benção é benção, lembremos que a benção de Deus enriquece, porém não acrescenta dores! Pv 10.22

O verdadeiro caminho da benção está justamente em se colocar no lugar da benção e não em sair dele, pense nisso.

Rodryguez & Carvalho

sábado, 26 de abril de 2014

A pregação Apostólica

O termo “apostólico” virou quase uma febre, junto como ele foram compostas algumas outras combinações estes dias por exemplo li um livro “ altares apostólicos” falando sobre o altar “apostólico” de Abraão. Meio confuso, meio conturbado, e no final como sempre falando sobre “prosperidade”. Já sei você deve estar se perguntando : “Como assim apostólico?” Abraão foi um patriarca! Não se preocupe podemos mudar o titulo também para “altares patriarcais” que no final dar na mesma…

Não vou entrar aqui no mérito sobre a atualidade ou não do ministério dos apóstolos. Embora creia eu que se houverem apóstolos ainda no sentido dos 12 então a bíblia como revelação de Deus ainda não fim acabada e assim os escritos de tais apóstolos seriam em termos de doutrina inerentes como as demais Escrituras Sagradas… Mas deixemos isso para outra ocasião.

Sempre fui apaixonado pela pregação, pela exposição da palavra sou capaz de ouvir por horas atenciosamente um pregador. Então estive pensando na pregação Apostólica e claro não pude deixar de fazer comparações como estes que se dizem apóstolos.

A primeira pregação apostólica, foi de Pedro em um discurso bem objetivo no dia de Pentecostes, não poupou palavra para acusar seus compatriotas de terem entregue o Cristo, foram palavras duras que entraram como uma adaga no coração dos ouvintes, a ponto de desesperados falarem: “O que faremos?”

Depois vejo Paulo em suas cartas aos Romanos, instruindo acerca dos pecados, falando que todos carecem da glória de Deus e que o salario do pecado é morte.

Aos Coríntios ele não se intimida e diz que são carnais, instrui que o cristão mal testemunho deve ser excluído da congregação dos crentes, Aos gálatas ele é enfático e os chama de os chama de insensatos. Aos que querem ser ricos (I Tm 6.9) ele tem uma palavra bem dura diferente dos arautos apostólicos da “prosperidade”.

Para aqueles que mesmo sendo cristãos pensam que podem manter um “namoro” com o mundo Tiago doutrina e diz que a amizade com o mundo é inimizade com Deus. Tiago 4.4

O pragmatismo não existe na pregação apostólica, se uma coisa funciona não significa que ela é boa, até porque os apóstolos ouviram do mestre Jesus que quem quiser salvar a sua vida a perderá Mateus 16.25 -

Os apóstolos sabiam que não foram chamados para ajuntar tesouro na terra ( Mateus 6.19)

Os apóstolos sabiam que o verdadeiro caminho para uma vida ajustada deveria passar pela busca do reino em primeiro lugar não apenas o reino mas o conceito do reino de justiça ( Mateus 6.33 )

Opa!!! Alguém pode em algum lugar dizer que isso era para aquela época e circunstancias, e que hoje em dias as coisas não são bem assim… bom para esses eisegetas, rs fica também a advertência apostólica para os últimos dias:

E por avareza farão de vós negócio com palavras fingidas; sobre os quais já de largo tempo não será tardia a sentença, e a sua perdição não dormita
2 Pedro 2.3

Mas ai se levantam os eisegetas, e dizem: “cuidado é um ungido de Deus!!!” Digo porém que  são antes são lobos devoradores:

Acautelai-vos, porém, dos falsos profetas, que vêm até vós vestidos como ovelhas, mas, interiormente, são lobos devoradores. Por seus frutos os conhecereis. Porventura colhem-se uvas dos espinheiros, ou figos dos abrolhos? Assim, toda árvore boa produz bons frutos, e toda a árvore má produz frutos maus. Não pode a árvore boa dar maus frutos; nem a árvore má dar frutos bons. Toda a árvore que não dá bom fruto corta-se e lança–se no fogo. Portanto, por seus frutos os conhecereis. Nem todo aquele que diz: Senhor, Senhor! entrará no reino dos céus, mas aquele que faz a vontade de meu Pai, que está nos céus. Muitos me dirão naquele dia: Senhor, Senhor, não profetizamos nós em teu nome? e em teu nome não expulsamos demônios? e em teu nome não fizemos muitas maravilhas? E então lhes direi abertamente: Nunca vos conheci; apartai-vos de mim, vós que praticais a iniquidade.” Mateus 7:15-23

Pois é maravilhas, milagres, expulsar demônios nada disso por mais pragmático que pareça valida o obreiro… Meu Deus como nos enganamos!!!

 

Fui.. falei demais hoje.

Rodryguez & Carvalho

 

Nota: exegese…retira do Texto o seu conteúdo e significados    -   eisegese, se impõe ao texto aquilo que se pretende!

segunda-feira, 14 de abril de 2014

Jesus na casa de Levi

 

Na ultima reunião de obreiros ouvi uma palavra muito intrigante e desafiadora por parte do Pastor Daniel, baseado no texto de Mateus 9:9 a seguir onde Lemos sobre a chamada de Mateus.

Me impressiono como que texto tão lidos por nós são ao mesmo tempo ignorados, alguma coisa muito danosa acontece com as nossas concepções e os chamados evangélicos vão aos poucos ignorando os evangelhos e tendo uma forte tendência de reviver uma espécie de época da LEI.

A primeira pergunta que o Pastor nos fez em sua pregação foi essa: “que tipo de pessoas queríamos ou chamaríamos para que estivessem conosco no ministério?” – Confesso que esta pergunta foi como uma facada no meu coração, vivemos a procura do homem perfeito, queremos forma um “clube santo” que mais se parece um “clube farisaico”. Porém Jesus resolveu chamar o odioso Mateus, cobrador de imposto, desprezado pela nação e visto como traidor do seu próprio povo! E o pior é que este Mateus ainda fez um banquete em sua casa junto com outros odiosos publicanos e pecadores e Jesus estava comendo com eles! – Que horror!

Enquanto o Pastor Daniel  e repensei seriamente algumas posições minhas, percebi que temos uma tendência a irmos formando o nosso “time vencedor” escolhendo a dedo quem queremos ao nosso lado, agindo iguais a empresários em busca das melhores cabeças e dos mais capacitados do mercado. Me lembrei de uma instrução que ouvi um dia como convidado de uma outra denominação onde o pastor falava para seus obreiros que temos que ganhar pessoas em posições estratégicas para o reino de Deus ( empresários, políticos, etc. ), comparei as duas pregações e percebi quanto podemos estar longe das verdades do reino mesmo achando que fazemos parte dele.

Enfim como o próprio texto usado pelo Daniel nos ensina, os sãos não precisam de médicos e sim os doentes. No Dizer do Pastor Daniel, o evangelho existe para transformar gente que não presta, desprezível em gente boa, honrados etc., outra hora me lembrei dos valentes de Davi, o que eram no passado e no que se tornaram no futuro junto ao grande rei de Israel.

Conheci um tempo atrás um pastor que preocupado com sua posição me disse que não ia evangelizar um amigo porque ele tinha um bar e não pegava bem para ele na qualidade de pastor entrar em um bar. Meu Deus como essa palavra do Pastor me fez ver meus conceitos e rever os caminhos!

Onde esta Jesus? Nos Palácios? Nas nobres casas de Israel? Ah, está em banquete? onde?… NA casa de Levi… publicano e pecador!

 

Rodryguez & Carvalho

sábado, 29 de março de 2014

Achei o Livro…

Então disse o sumo sacerdote Hilquias ao escrivão Safã: Achei o livro da lei na casa do SENHOR. E Hilquias deu o livro a Safã, e ele o leu. [2 Reis 22:8]

 

Comecei de novo minha leitura integral da bíblia, livro por livro estou lendo levítico por esses dias, conforme os anos passam as leituras vão ficando cada vez mais criticas e damos atenção as passagens que antes por algum motivo ignorávamos. Ganhei meu primeiro Novo Testamento da minha tia quando eu tinha 8 anos e idade e “devorei-o” em um mês. Depois disso ganhei um Evangelho Ilustrado com várias gravuras e em uma linguagem bem apropriada a minha idade, devorei-o também em poucos dias. Mas confesso claro que entendia muito pouco, porém a cada final de uma leitura eu era desafiado nas escolas bíblicas a começar uma nova leitura e assim tem sido até hoje.

Quando comecei a estudar no seminário aos 19 anos eu já estava familiarizado com os livros da bíblia, e já tinha um certo conhecimento doutrinário graças as aulas da escola bíblica dominical que eu assiduamente frequentava.

Lembro ainda dos “debates” que meus tios (professores de EBD, pastores, etc.) faziam em casa sobre temas acalorados abordando assuntos como a trindade divina, escatologia, e como assembleianos tradicionais que eram não podiam faltar um pouco de ensinos sobre usos e costumes.

Meu avô foi batista, e exerceu uma espécie de ministério de evangelista leigo, pregando nas praças publicas do nordeste do país e exercendo funções pastorais nas ausências do titular.

Enfim tive a oportunidade de sempre ter comigo a proximidade com a Bíblia e hoje com 40 anos percebo uma certa frieza no que diz respeito a leitura e familiaridade com as Escrituras por partes de muitos cristãos. Muitos paradigmas estão estabelecidos em nossos dias, e a bíblia mesmo estando intacta com relação ao seu texto escrito não o esta no coração de muitos, pois conhecem apenas os textos isolados, retirados do seu contexto e fazendo apologia a pretextos que muitas vezes destoam das verdades bíblicas.

Me lembro que ainda criança eu via meus tios com seus dicionários e concordâncias procurando o máximo entender os textos nos seu contexto, e um tempo depois viam meus primos mais velhos se esforçando como podiam para estudarem as línguas originais e assim darem prosseguimento na herança de compreender cada vez melhor os contextos bíblicos. Meu avô de tanto que lia, alinhando a sua cultura nordestina com a participação da minha avó compunham versos da bíblias capitulo por capitulo e livro por livro!

Não éramos de nenhuma família com formação teológica acadêmica, mas eram entusiastas na leitura da bíblia, e acreditávamos que a leitura da bíblia por si é capaz de conduzir o homem ao conhecimento da salvação, e por isso distribuíamos bíblias como presentes aos nossos amigos não cristãos, me lembro de um caso em especial de um colega de trabalho que eu mesmo presentei com uma bíblia e ele a leu compulsivamente e foi entendendo por si algumas questões fundamentais a salvação.

Temo que estamos deixando de ser o povo do livro, como dizem os islamitas e estamos´passando a ser o povo dos versos isolados, das abreviações textuais que tanto causam dano a verdadeira fé.

Tem algo estranho em nosso meio, cultos sufocados com tantas apresentações e pouco espaço para a palavra, hinos que não estão mais fundamentados na palavra, vidas que não seguem mais a sã doutrina até porque não a conhecem e não tem interesse em conhece-la. O mais engraçado disso tudo é que todos procuram um texto, onde possam fundamentar suas atitudes, outro dia um amigo esteve aqui falando sobre a importância do ministério dos levitas na Igreja, etc. Cheio de textos bíblicos, e deu um certo trabalho ele entender o ministério dos filhos de Levi, que não era só o canto e deu muitos mais trabalho ele entender que tal ministério não existe mais…

Enfim como disse comecei de novo minha leitura, muito mais criticas do que das vezes anteriores, critica, não porque eu procure falhas no texto ou procure descobri alguma verdade “TEOLOGICA” nova, etc. Digo critica porque vejo a minha vida, reflito e procuro pela transformação, No Genesis percebi o mal causado pelo pecado e sua capacidade de se estender nas descendência humana mas vi também a fidelidade de Deus na vida de homens como Noé e os demais patriarcas, e percebi a importância que Deus da para a aliança. No êxodo novamente percebo a importância do Cordeiro de Deus, não só para livrar Israel do Egito como para aplacar a ira de Deus nos 40 anos de Deserto, e no Levítico que estou lendo hoje, a santidade que é necessária para se continuar andando com Deus.

Minha esperança enquanto leio é mas alguém no meio da fé dita evangélica, seja surpreendido algum dia e grite para todos os lados: “Achei o Livro”

 

Rodryguez & Carvalho

terça-feira, 25 de março de 2014

A Procura

 

Eu procuro…

Uma liturgia de culto que se preocupe mais com a essência do que com forma

Uma liturgia que se preocupe que de mais atenção ao tempo do evento do que ao tempo cronológico.

Um culto onde Deus seja colocado em primeiro lugar, onde o culto não seja um culto a personalidade.

Um louvor onde propósitos narcisistas e egocêntricos, dos “levitas” sejam abandonados

Um louvor que ao invés de triunfalismos humanos volte a falar sobre sobre Cristo e sua obra

Procuro por pregadores que não sejam profissionais comprometidos com um resultado “duvido$$o”, antes sejam profetas capazes de descortinar o erro e apontar o caminho.

Procuro por  uma Igreja não por um clube social, com eventos, reuniões e atividades quem em nada podem trazer a metanoia tão apregoada nos evangelhos.

Quero um culto, onde se possam e sejam prestadas homenagens a Divindade, onde se leva a sério que toda a Glória e honra pertencem não aos homens, e onde não sobre glória para mais ninguém a não ser para Deus.

Procuro uma Igreja que em  nada imite esse mundo, pois não tem por padrão o mundo, antes tem seu padrão na cidade de firmes fundamentos do qual o artífice e construtor é Deus.

Procuro por crentes que não sejam alienados da sua responsabilidade social para com os necessitados, e saibam que a igreja não é um “clube Santo”.

Procuro ansiosamente uma palavra, que  não seja identificada como palavra de auto ajuda, mas uma palavra que me choque, me machuque e me faça ver a minha real situação diante de Deus

 

Procuro alguém que de fato se coloque na brecha.

 

Rodryguez&Carvalho

sábado, 15 de março de 2014

Os cristãos e as pirâmides de lucro fácil

 

 

Tenho visto de uns tempos para cá muitos cristãos que vão se enrolando com empresas que prometem lucro facil e rapido, identificadas muitas vezes como piramides. No começo uma empolgação com o sistema, logo depois o sistema das piramides ou outro nome que se lhes dê passa a ser quase uma confissão religiosa, e vários versículos da biblia são citadas, na mesma modalidade que o faz a “teologia da prosperidade”, e por fim pessoas que perdem o que tem, enganan os outros pois “os meios justificam os fins”, trazem confusão para dentro de suas igrejas, haja vista que acabam por captar outras pessoas na mesma loucura.

Bom , faço questão de postar aqui esse artigo extraido do blog http://reavivamentoereforma.com/  leia com atenção:

 

Os cristãos e as pirâmides de lucro fácil

dinheiro fácilOntem, recebi e-mail de um leitor preocupado com um assunto que tem incomodado. Eu mesmo já recebi alguns e-mails inconvenientes que prometem ganho fácil. Por isso, resolvi publicar este texto, com informações do leitor e algumas “garimpagens” minhas.

Ultimamente, tem-se visto em várias igrejas pessoas que convidam outras a aderir a esquemas de alta e rápida lucratividade e planos que têm o potencial de virar verdadeiras “febres” por algum tempo. Apesar de a propaganda denominá-los de empresas de “marketing multinível” e de envolverem pequenas atividades que disfarçam sua real natureza, negócios como esses configuram verdadeiros esquemas ponzi ou pirâmides financeiras.

Em pirâmides financeiras, o investimento de adesão dos novos associados, geralmente alto, gera renda para seus recrutadores, bem como para os que estão acima na pirâmide, até certo nível. E, o principal, para também obter lucro, o associado precisa, ele também, recrutar outras pessoas. Nesses esquemas, os associados precisam periodicamente fazer novos investimentos.

A Economia e a História já provaram que pirâmides financeiras tendem a saturar, colapsar e, por fim, quebrar, provocando graves prejuízos aos participantes, especialmente aos que entraram por último e estão na base da pirâmide.

A legislação brasileira considera ilegais atividades desse gênero. Conforme preceitua a Lei 1521/51, que dispõe os crimes contra a economia popular: “Art. 2º. São crimes desta natureza: IX – obter ou tentar obter ganhos ilícitos em detrimento do povo ou de número indeterminado de pessoas mediante especulações ou processos fraudulentos (‘bola de neve’, ‘cadeias’, ‘pichardismo’ e quaisquer outros equivalentes).”

Cristãos deveriam se preocupar com essa prática notadamente exploratória e gananciosa, impedindo que ela seja disseminada nos templos, inclusive sob a alegação de ser “uma bênção de Deus para os participantes”.

É preocupante também a forma como os participantes buscam recrutar novos membros para seu esquema, com muito mais interesse e afinco do que tentam atrair ovelhas para o caminho de Deus. De igual modo, também causa incômodo ver o quanto as pessoas estão agindo inconsequentemente em busca de dinheiro, aplicando recursos (muitos até fazendo empréstimos) em negócios obscuros e ilícitos, mas que proporcionam alto lucro em pouquíssimo tempo.

Evidentemente que para que as “pirâmides” possam ser caracterizadas como crimes contra a economia popular, toda a questão girará em torno da existência ou não de dolo por parte daqueles que promovem essas atividades, isto é, se existe ou não vontade consciente de ludibriar, fraudar e/ou ganhar dinheiro fácil às custas da coletividade (algo que dificilmente se pode saber, de início). Como geralmente esses tipos de “correntes” ou “pirâmides” funcionam à margem da lei, tornam-se  instrumento fácil de sonegação de impostos e demais práticas irregulares, dentre as quais o próprio financiamento do tráfico de drogas, já que são atividades que por sua própria natureza informal não sofrem a fiscalização do poder público. Justamente a falta de fiscalização é que torna essas atividades extremamente perigosas.

A propósito, segue abaixo ementa de uma decisão do Tribunal de Justiça de SP, que analisando um caso concreto, concluiu pela ilegalidade da situação:

“Ementa: …conhecida por corrente ou pirâmide fraudulenta (obrigar o contratante a arregimentar novos subscritores para receber bonificações compensatórias do valor pago para ingresso na cadeia que favorece exclusivamente quem vende a ilusão do lucro fácil) – Prática condenada (art. 2º, IX, da Lei 1521/51) e [...] Ementa: Negócio realizado com a falsa aparência de marketing multinível e que encerra verdadeira ilicitude conhecida por corrente ou pirâmide fraudulenta (obrigar o contratante a arregimentar novos subscritores para receber bonificações compensatórias do valor pago para ingresso na cadeia que favorece exclusivamente quem vende a ilusão do lucro fácil) – Prática condenada (art. 2º, IX, da Lei 1521/51) e que não sobrevive com a cumplicidade da internet, por falta de boa-fé objetiva quanto ao dever post factum finitum – Provimento, em parte, rescindindo o contrato (art. 166, II, do CC), obrigando a devolução da quantia paga atualizada, excluído o dano moral (9088484-23.2009.8.26.0000. Apelação / Perdas e Danos. Data do julgamento: 07/10/2010; TJSP).”

Além do crime contra a economia popular, esse tipo de “esquema” pode também, dependendo do caso, configurar estelionato, tipificado no art. 171 do CP:

“Art. 171 – Obter, para si ou para outrem, vantagem ilícita, em prejuízo alheio, induzindo ou mantendo alguém em erro, mediante artifício, ardil, ou qualquer outro meio fraudulento: Pena – reclusão, de um a cinco anos, e multa, de quinhentos mil réis a dez contos de réis.”

E é bom lembrar que sonegação de impostos também é crime.

Um dos e-mails que recebi me convidando para uma dessas “correntes” chegou ao extremo de citar o Salmo 112:3: “Prosperidade e riquezas haverá na sua casa, e a sua justiça permanece para sempre.” Sim, prosperidade e riquezas (que nem sempre têm que ver apenas com dinheiro) haverá na casa do justo (se Deus assim o quiser). Mas e o que dizer dajustiça, também mencionada no verso? Será que esquemas obscuros de lucro fácil passam no crivo da justiça?

À luz da Bíblia e do Espírito de Profecia, não há dúvidas de que tudo que represente aparência do mal deve ser evitado pelo cristão. Devemos, por precaução, ficar longe desse tipo de “investimento”. Dinheiro nunca é ganho de maneira fácil, senão com o “suor do rosto”. Toda e qualquer atividade que desvie o foco do cristão dos “tesouros do Céu” e o faça focalizar apenas o ganho fácil, torna-se perigosa e deve ser vista com cautela.

Michelson Borges é jornalista e mantenedor do blog Criacionismo

sexta-feira, 21 de fevereiro de 2014

O dinheiro que Deus não aceita!

Vivemos a época do Capitalismo Gospel, com toda sua teologia da prosperidade , onde uma barganha é proposta aos fieis, uma forma simples de prosperar exemplificado pela máxima “ Dê e Deus te devolverá”.

Antes de qualquer coisa gostaria de expor a minha opinião sobre o assunto, ao meu ver a oferta é um fruto de um coração temente a Deus em todos os seus aspectos que se exterioriza em diversas formas e também na forma de uma oferta financeira.

Creio embora alguns não vejam assim na atualidade e validade do dizimo para os Cristãos, mas é necessário notar que no contexto do livro do Profeta Malaquias, o dizimo foi a ultima coisa a ser questionada por Deus, em todo o livro temos as respostas de Deus aos questionamentos frios e desprovidos de fé da sociedade israelita de então, questionamentos que vão desde o amor de Deus, ( cap.1) passando pela crise ética no sacerdócio e enfim atingindo todo o povo, e o dizimo faz parte deste contexto, sendo assim vejo nesse contexto que o não pagamento do dizimo tinha uma origem e a origem era a uma descrença total em Deus e no seu cuidado com Israel. Enfim não adianta dar o dizimo e não cumprir os outros requisitos revelados no Livro do Profeta Malaquias.

Digo isso porque vejo uma crise em nossos dias, muito é falado sobre o dizimo mas muito pouco sobre a vida cristã em si, a vida cristã é um todo, lembremos que gálatas fala do FRUTO DO ESPIRITO e não dos FRUTOS ( plural ) .

Agora vou me atrever ir um pouco mais longe, digo atrever pois sei que alguns posicionamentos  podem não parecer populares, mas nem sempre as medidas populares são bíblicas. Tenho visto os desafios que algumas igrejas fazem aqui e ali, dizendo que com isso desafiam a fé das pessoas, desafiam as situações enfim tem gente desafiando o próprio Deus, ( será que vão ganhar?)  Não encontrei na bíblia em parte alguma algo parecido. NA construção do Tabernáculo os hebreus foram contribuindo de acordo com o seu coração, e a oferta foi tamanha que Moises disse que bastava, não precisava mais! Esses desafios de hoje nunca acabam e dificilmente vemos alguém dizendo que basta!   Enfim a  sanguessuga tem duas filhas…

Devemos semear é verdade mas quem pode estipular a semente? Paulo fala para que cada um contribua segundo propôs no seu coração ate porque Deus ama quem dá com alegria!  II Cor 9.7

Para encerrar tem ofertas que Deus não aceita e que as dá é tolo!

  • Não aceitou a oferta de Caim porque havia maldade no seu coração! ( Gn 4.3)
  • Não aceita oferta de dinheiro sujo! Dt 23.18
  • Não Aceita oferta de quem está brigado com seu irmão! ( Xi…. ) Mateus 5.23 – Alias que não se reconcilia com seu irmão corre o risco de ao invés de ter sua oferta aceita e ser abençoado fica na qualidade de devedor e ter que pagar até o ultimo centavo!

Que a nossa oferta seja o fruto da eterna gratidão, expressão de uma vida que anda consoante a revelação da novidade de vida do Evangelho!

Dai, e ser-vos-á dado; boa medida, recalcada, sacudida e transbordando, vos deitarão no vosso regaço; porque com a mesma medida com que medirdes também vos medirão de novo. Lucas 6.38

 

Resumindo: Honremos ao Senhor com nossas ofertas e dizimos, mas tenhamos o nosso coração bem proximo dele!

Rodryguez & Carvalho

segunda-feira, 10 de fevereiro de 2014

Um forasteiro com uma Mensagem Real.

Amados, peço-vos, como a peregrinos e forasteiros, que vos abstenhais das concupiscências carnais que combatem contra a alma; I Pedro 2.11

 

De repente relembro de alguns hinos antigos, hinos que marcaram a minha vida, e junto com a doutrina que aprendi trabalharam em conjunto para formar quem sou hoje. Tem um hino que já era antigo quando era criança lá pelos idos dos anos 70, alias nesta data o hino “ Sou forasteiro aqui” de autoria conjunta do poeta Elijah Taylor Cassel e sua esposa a musicista Flora Hamilton Cassel, já esta contava com seus 63 anos desde que sua letra foi feita em 1907, e hoje já conta 107 anos! Os modismo costumam passar, mas as letras inspiradas com as verdades bíblicas ainda continuam a tocar alma de quem os escuta e a provocar em nós reações que no fazem pensar diretamente em nossa vida espiritual, o que dizer então do hino “ Castelo Forte” de Martinho Lutero, com seus mais de 500 anos ainda transmite aos seus ouvintes as mesmas verdades.

Voltando ao cântico “Sou forasteiro aqui”  o autor de baseou  em II Coríntios 5:19-20, onde Paulo fala sobre o ministério da reconciliação do ele e todo o Cristão foi feito por Deus um embaixador!

Sempre que canto ou escuto esse hino fico a pensar na nossa real missão e posição em relação a este mundo, estamos vivendo tempos em que muitos já de longe perderam a visão do céu, e foram se conformando com este mundo, tomando a sua forma e agindo de acordo com seus padrões ( Rm 12.2) A Igreja essa embaixadora de Cristo na Terra muitas vezes esquece a sua real missão sua Mensagem Real, e vai cedendo aqui e ali, procurando se estabelecer cada vez mais com uma instituição deste mundo, ligada as questões destes mundo interagindo com este mundo, preocupada com demais com as causas terrenas e esquecendo-se da sua verdadeira missão, não que não devemos procurar o bem deste mundo em que vivemos, mas não podemos nos esquecer da nossa missão.

Os patriarcas, ( Abraão, Isaque e Jacó) embora profetas de Deus para seu tempo, confessaram que eram peregrinos e forasteiros ( Heb. 11.13)  . Ora um forasteiro entre nós sempre será passível de ser identificado com alguém de costumes estranhos, de outra forma de pensar, de outra forma de agi, alguém muitas vezes não compreendido corretamente.

Uma questão de nosso tempo é que vivemos a época do politicamente correto ao extremo onde ser diferente, e pensar diferente não é visto com bons olhos, parece que o tempo todo temos estar nos policiando e também de certa forma somos policiados, e nessa falsa concepção da verdade, na verdade é o pecado que tem nivelado a a raça humana, onde todos estão sendo convidados a serem “iguais” em seus erros e suas imaginações e onde o diferente tem sido advertido a continuar de boca fechada, pensando apenas consigo mesmo, pois estamos caminhando para um ditadura intelectual onde pensar pode, mas falar não!  Assim muitos forasteiros ( Cristãos) tem sido tentados a trocar a sua cidadania celeste pela terrena e abrir mão da sua investidura como Embaixador pelo mera posição de um cidadão comum neste mundo!

O Cristão não pode ser alguém que despreza o mundo mas deve saber que o mundo não é sua morada permanente é antes de tudo uma fase, uma etapa nesse caminho.

Enquanto existir esse mundo e enquanto nos estivermos nele devemos manter nossa posição, rejeitando a cidadania deste mundo, denunciando o pecado, anunciando a reconciliação. Vivendo a nobreza de nosso chamado com embaixadores e sempre tendo em mente que a nossa verdadeira cidade está nos céus! Fl. 3.20

Somos forasteiros, estranhos a este mundo, com costumes e praticas muitas vezes mal entendidas, assim o seremos até a manifestação do que ainda haveremos de ser. Embora forasteiros smos embaixadores com uma Mensagem Real, a todos os que tem ouvido para ouvir!

Rodryguez e Carvalho

quinta-feira, 23 de janeiro de 2014

Seitas e Heresias um sinal dos Tempos!

Desde que me entendo por gente estou na Igreja Evangélica e em especial nas Assembleias de Deus, já até fiz umas incursões em outras Igrejas mas não me adaptei as liturgias e sistemas estabelecidos, Bom esse não é caso. O que quero dizer é que sempre nesses estive em estudos ( como palestrante e como aluno) relativos a religiões, seitas e heresias. Percebi que durante um certo tempo ao invés de discorremos sobre a doutrina em si e sua contraposição em relação as Escrituras, acabamos focamos toda a nossa atenção na pessoa que por fazer parte de outra religião ou doutrina acaba sendo injustamente identificado como uma pessoa má. Assim vamos criando uma Xenofobia, nociva e até Anti Cristã.

Desta forma nossa evangelização fica sufocada, e nossa proposta de amor ao próximo prejudicada. Assim a primeira analise que faço deste muitos estudos que tive é que de um lado me deixou informado sobre as praticas e posições contrárias as ensinadas nas Escrituras Sagradas e isso foi positivo, mas do outro lado acabou por criar ao invés de um intenso amor as almas sem Cristo, uma aversão e um total sentimento de isolacionismo é isso prejudica o serviço de evangelização e o testemunho Cristão.

Por outro lado percebi que quando olhamos demais para fora nos esquecemos de olhar para dentro e de analisar as nossas próprias praticas as luz das escrituras sagradas. Existe um algo de errado em nossos louvores, pois em lugar do TU és, existe o Eu sou. Existe algo de errado em nossas orações pois ao invés do Faça a Tua Vontade, existe um Faça a MINHA vontade. Existe ainda um caminho perigoso em nossas pregações, algumas ao invés de conter uma doutrina, uma exortação e um apelo a santidade, estão repletas de conceitos de auto ajuda, assim não sabemos mais se estamos diante de um PREGAGOR, ou se estamos diante de um Lair Ribeiro, ou Roberto Shinyashiki.

Estes dias conversando com uma pessoa, precisei corrigir o seu pensamento e lhe dizer que a fé não é pensamento positivo, muito o embora o pensamento positivo seja necessário em várias ocasiões, a Fé é confiança em Deus e não uma atitude mental positiva, uma auto confiança em si mesmo.

Ainda sobre o assunto religiões seitas e heresias, tenho visto da parte de alguns o constante e desgastante debate, quando na verdade deveriam evitar questões loucas e seguir a orientação de Paulo a Tito quando diz: Ao homem Herege, admoesta-o uma ou duas vezes e depois disto desvia-te dele. TITO 3.10 – Enfim Deus não precisa de pessoas que o defendam com unhas e dentes, antes ele procura pregadores do Evangelho.

Existe algo de errado em nós e muito errado quando usamos as Escrituras para mostrar uma falsa erudição e sabedoria, ou melhor quando usamos a gloria de Deus para buscarmos a própria Glória.

Este trimestre de novo em nossa Igreja estudaremos esse importante assunto de seitas e heresias, mas que efeito isso causará? Nos auxiliará a explicar com amor aqueles que nos pedirem razão da nossa fé. Ou criará em nos um sentimento perverso de superioridade? Conseguiremos nesse estudo trazer as pessoas a Cristo ou a afastaremos ainda mais dado a nossa arrogância?

Gostaria de terminar, dizendo que nossa maior atenção não deve ser com a religião alheia, aos de outra fé e crenças nos dirigiremos com amor e a paciência tão essencial a vida Cristã. Nossa maior atenção deve ser com os perigos e heresias dentro da própria Igreja como esta Escrito:

Sabe, porém, isto: que nos últimos dias sobrevirão tempos trabalhosos.
Porque haverá homens amantes de si mesmos, avarentos, presunçosos, soberbos, blasfemos, desobedientes a pais e mães, ingratos, profanos,
Sem afeto natural, irreconciliáveis, caluniadores, incontinentes, cruéis, sem amor para com os bons,
Traidores, obstinados, orgulhosos, mais amigos dos deleites do que amigos de Deus,
Tendo aparência de piedade, mas negando a eficácia dela. Destes afasta-te.
2 Timóteo 3:1-5

 

Notemos que este risco previsto é dentro da Igreja, misturado com ela.

Que cada um de nos tenha cuidado de si mesmo e da doutrina!

 

Rodriguez & Carvalho

segunda-feira, 20 de janeiro de 2014

A casa do Oleiro

Sempre podemos tirar lições praticas da coisas materiais e aplica-las a vida espiritual.

Passei alguns dias no estado da Bahia, lá em uma localidade conhecida como Itanagé, fiz uma visita a uma indústria cerâmica que fabrica  tijolos e lajotas. O processo é interessante e vale a pena descreve-lo:

Primeiro a escolha do barro, que deve ter as características próprias, mais ai tem um segredo existem barros melhores que outros e quando o barro é muito bom, ele é usado para ser misturado com outro que não seja assim tão bom e os dois juntos chegam a perfeição do tijolo ou da lajota pretendidos, penso ser assim também na Igreja, onde cristãos muitos mais maduros são posto a lado de outros não tão maduros assim e nessa troca de características que chegamos a uma espécie de perfeição, pois depois de pronto só vemos mesmo é a perfeição! Assim na Igreja não há lugar para grupos particulares, antes Deus faz o milagre e a tudo mistura unindo as características e fazendo chegar a um ótimo resultado final, meditando nesse processo com o barro entendi que devemos auxiliar os mais imaturos, assim como somos auxiliados pelos mais sábios!

Em segundo é necessários tirar algumas pedras ou substancias que não pertencem ao barro e que prejudicam o resultado final. Nem preciso dizer que fiquei pensando como Deus nos peneira e retira os excessos da nossa vida, e ai reside um mistério, pois quando pensamos que estamos perdendo na verdade estamos ganhando!

Em Terceiro lugar, é feita a  mistura molhando a “massa”, que e a esta altura deixou de ser o barro duro e seco e passou a ser uma massa capaz de ser modelada, da forma pretendida. Pensei comigo…será que eu aguento ser misturado, molhado e modelado? Como sair de uma forma e se transformar em outra? Deus tem seus caminhos, ele é quem modela, então o meu dever é apenas confiar e saber que o processo é doloroso mas o resultado final é honroso!

Em Quarto lugar nessa minha simples observação, vi os tijolos ( aqui em São Paulo chamamos de tijolo baiano o pequeno e o grande de Baianão) já modelados, com toda uma beleza simétrica, digna de ser observada, mas enfim faltava ir para os fornos. Afim de que secassem e endurecessem, mais tem um segredo interessante que é a temperatura exata do forno, que não pode exceder, o segredo ai não esta no fogo em si, mas na exata temperatura se não me engano algo em torno dos 900 graus centigrados. Se a temperatura for maior que essa a obra se avaria, trinca, racha e fica inapropriada para o uso. Me veio a mente a passagem bíblica de ICor 10.13 que nos diz que não sofremos prova maior do que podemos suportar. Isso mostra a habilidade daquele que nos prova pois a intenção do oleiro não é quebrar a sua obra a expondo ao fogo antes é apenas fazer com ela se solidifique, alías você ja parou para pensar quanto peso esses tijolos aguentam depois de prontos? assim também é o Cristão nessa terra, se ´[e forte hoje é porque passou pelo fogo ontem!

Por fim vi vários tijolos, que ao saírem do forno eram reprovados e jogados fora, alias indaguei o gerente da cerâmica que por sinal é meu cunhado Aercio Carvalho se haveria uma possibilidade aproveitar os tijolos avariados, ele me disse que antes do fogo era só jogar para remodelagem, mas depois do processo do fogo se saírem errados não há mais concerto, prestam apenas para entulho.

Nesse momento fiquei feliz, e lá no meu intimo dei um glória a Deus, afinal estamos nas mãos de um sábio oleiro que não deixará de forma alguma que ao final do processo sua obra saia avariada!

Vou ficando na mão desse Oleiro Jesus Cristo, que ao final de todo o processo me apresentará ao como Igreja de forma santa e irrepreensível, sem mancha , ruga ou macula! Efésios 5.27

Rodryguez & Carvalho

Uma linda mulher!

Em tempos da ditadura da beleza, em que algumas marcas, associadas a um forte apelo midiático acabam formando uma opinião sobre a bel...